Conselheiros barram votação do impeachment, e Roberto de Andrade segue presidente do Timão

Conselheiros barram votação do impeachment, e Roberto de Andrade segue presidente do Timão

Por Lucas Faraldo e Rodrigo Vessoni

97 mil visualizações 391 comentários Comunicar erro

Roberto de Andrade assumiu presidência do Corinthians em fev/2015 e segue até fev/2018

Roberto de Andrade assumiu presidência do Corinthians em fev/2015 e segue até fev/2018

Foto: Rodrigo Vessoni

O presidente Roberto de Andrade passou ileso pelo processo de impeachment com o qual lutava desde novembro do ano passado. Em encontro realizado entre conselheiros do clube, no Salão Nobre do Parque São Jorge, na noite desta segunda-feira, não houve aprovação dos motivos da convocação para análise dá destituição do mandatário.

A primeira (e única) discussão da noite disse respeito à admissibilidade do processo, conforme manda o estatuto do clube. Neste caso, com a vitória do "sim", os conselheiros aí então passariam a votar pela continuidade ou não do processo de impeachment. Acontece que o "não" venceu por 181 votos a 81. Houve ainda um voto nulo e outro branco. A oposição promete recorrer.

Dois cenários seriam propostos aos conselheiros caso houvesse admissibilidade:

  • Sim, sou favorável ao impeachment de Roberto de Andrade. Neste caso, o processo tem continuidade e haverá votação entre os sócios do clube para definir a saída ou não do presidente, que já se encontraria afastado.
  • Não, sou contrário ao impeachment de Roberto de Andrade. Neste caso, o processo se encerra e o presidente termina seu mandato normalmente até fevereiro de 2018.

O processo de impeachment contra Roberto de Andrade vinha se desdobrando no Parque São Jorge desde novembro do ano passado. Na ocasião, um grupo de conselheiros protocolou requerimento de destituição. O presidente do Conselho, Guilherme Strenger, encaminhou o pedido à Comissão de Ética do Corinthians.

Após receber parecer da Comissão de Ética, que pediu apenas uma advertência a Roberto de Andrade, o processo de impeachment se encaminhou para o Conselho Deliberativo. Esse foi o motivo da votação realizada nesta segunda-feira na sede do clube.

Motivos do impeachment

A justificativa formal para o pedido do impeachment foram duas assinaturas (em ata de reunião do Fundo Arena e em reunião com a Omni para discutir a terceirização do estacionamento da Arena) feitas por Roberto de Andrade como presidente do Corinthians antes mesmo de assumir o cargo. Ele foi acusado de fraude e, em depoimento à Polícia Civil, negou irregularidades.

Informalmente, porém, há conselheiros que admitem que há motivação política por trás do processo de impeachment. A gestão de Roberto de Andrade vem sendo muito criticada nos bastidores do Parque São Jorge. Com a imagem da atual diretoria manchada perante a torcida, a destituição do atual presidente se tornou uma saída para a oposição corinthiana.

Veja mais em: Impeachment.

Veja Mais:

  • Corinthians pode reencontrar Boca Juniors nas oitavas de final da Libertadores-2018

    Sete cascudos e um novato: os possíveis rivais do Corinthians nas oitavas da Libertadores

    ver detalhes
  • Rodriguinho lamenta oportunidade desperdiçada pelo ataque corinthiano

    Corinthians sufoca Millonarios, não é eficaz e perde na estreia de Loss

    ver detalhes
  • Seguro defensivamente e boa opção na frente, Sidcley foi eleito melhor do Corinthians

    Sidcley vai bem e Rodriguinho destoa: veja as notas dos corinthianos em derrota na Arena

    ver detalhes
  • Corinthians perdeu a quarta partida na Arena em 2018

    Corinthians bate recorde negativo de derrotas na Arena numa mesma temporada

    ver detalhes

Comente a notícia:

  • 1000 caracteres restantes