Citadini diz que Arena Corinthians não existiria sem Copa e não crê na venda dos naming rights

Citadini diz que Arena Corinthians não existiria sem Copa e não crê na venda dos naming rights

Por Meu Timão

9.6 mil visualizações 84 comentários Comunicar erro

Arena completará três anos no próximo mês de maio

Arena completará três anos no próximo mês de maio

Foto: Agência Corinthians

Uma das causas do momento de instabilidade financeira pelo qual o Corinthians passa está relacionada à dívida superior a R$ 1 bilhão referente à construção de seu estádio, a Arena, palco da Copa do Mundo de 2014. Para Antonio Roque Citadini, ex-vice-presidente do Timão, o débito exorbitante existe porque o clube aceitou abrigar a abertura do Mundial sob as condições impostas pela Fifa. Por outro lado, segundo o conselheiro, não haveria Arena Corinthians sem que a principal competição de futebol do planeta acontecesse em Itaquera.

“Eu defendi que o Corinthians deveria aproveitar o Mundial para ter o estádio. Sem o Mundial, o Corinthians não teria estádio”, disse Citadini em entrevista ao programa No Ar com André Henning. “Não é verdade. O Corinthians só teria chance de ter esse estádio se tivesse acoplado a Copa do Mundo. O Corinthians não faria o estádio se ele não tivesse corrido o risco dessa abertura da Copa do Mundo”, complementou o cartola.

“A verdade é que depois da Copa do Mundo tivemos uma grande reversão disso. São problemas que não são do Corinthians, são do país. O país hoje tem pouco investimento, a economia não cresce, o torcedor sem dinheiro, porque tem problemas de emprego, e esse problema atinge o Corinthians”.

Candidato de oposição nos últimos pleitos presidenciais, Citadini segue influente nos bastidores do clube e diz saber o motivo dos problemas financeiros da Arena – o Timão discute com a Caixa Econômica Federal um novo modelo de gestão do estádio, bem como a renegociação das parcelas mensais, hoje na casa de R$ 5 milhões.

“O estádio está lá. Nós precisamos resolver o problema. Quais são os três problemas básicos do estádio? Primeiro: o Corinthians precisa levantar o que está no contrato e não foi feito. Hoje a própria construtora (Odebrecht) reconhece que está faltando alguma coisa. Segundo: O que foi feito errado. Tem coisa errada, como tem nos outros. Olha o colapso que vive o Maracanã. E, terceiro, obras que o Corinthians questiona os preços. Essas três coisas, o clube precisa, em algum momento, colocar isso no papel, e notificar a construtora. O Corinthians precisa fazer isso, e é ai que eu digo que o atual grupo de dirigentes não tem condições para resolver essa questão”, criticou Roque Citadini.

O ex-vice corinthiano também tocou em um assunto delicado: os naming rights (direitos de nome) da Arena, avaliados em cerca de R$ 350 milhões, nunca adquiridos. Sincero, Antonio disse não acreditar que alguma empresa comprará o nome do estádio.

“O Corinthians tem a CID’s, que vai garantir o pagamento quase total de toda a despesa. Falemos do BNDES. O BNDES tem um empréstimo através da Caixa, que tem um plano de negócio feito, daquela época, de mais ou menos R$ 400 milhões, em número redondo, e esse plano de negócio foi para as ‘cucuias’, porque o país mudou, aquilo que era para entrar não entrou, o naming rights não vendeu e não vai vender. Nesse país não vai. Eu sou realista, torço para vender amanhã, mas quem é a grande empresa que aparecer?”, questionou.

“O que o Corinthians precisa fazer, e a Caixa quer fazer agora, é refazer o plano de negócio de uma forma, com a realidade atual, que ele sustente o empréstimo”, concluiu.

Novas regras – Há cerca de um mês, Corinthians, a Arena Corinthians e a Caixa Econômica Federal chegaram a um importante acordo referente à reorganização operacional do estádio alvinegro. Um novo contrato, com tetos de gastos e valores a serem destinados ao pagamento de despesas do empreendimento, substituirá o atual, sem condições de ser seguido à risca pelo fundo que administra a Arena, BRL Trust.

Veja mais em: Arena Corinthians.

Veja Mais:

  • Fábio Carille exibe a taça de heptacampeão brasileiro; treinador seguirá carreira na Ásia

    Fábio Carille deixa Corinthians e acerta com Al-Wehda, da Arábia Saudita

    ver detalhes
  • Osmar Loss (à esq.) sucede Carille no comando técnico do Corinthians

    Osmar Loss assume Corinthians após saída de Carille; estreia acontece nesta quinta

    ver detalhes
  • Carille, agora ex-Corinthians, acertou com Al-Wehda, do mundo árabe

    Corinthians divulga vídeo de agradecimento a Carille

    ver detalhes
  • Titulares do Corinthians foram a campo nesta terça-feira

    Titulares vão a campo, mas Carille não esboça time; jovem ganha atenção especial no fim do treino

    ver detalhes

Comente a notícia:

  • 1000 caracteres restantes