Colunista torcedor do Internacional faz texto irritado com freguesia para Corinthians

Colunista torcedor do Internacional faz texto irritado com freguesia para Corinthians

Por Meu Timão

237 mil visualizações 267 comentários Comunicar erro

Romero marcou gol de empate do Corinthians no Sul; time depende de simples 0 a 0 para avançar às oitavas

Romero marcou gol de empate do Corinthians no Sul; time depende de simples 0 a 0 para avançar às oitavas

Foto: Daniel Augusto Jr/Ag. Corinthians

O empate do Corinthians por 1 a 1 com o Internacional, na noite de quarta-feira, no Beira-Rio, foi comemorado por alvinegros e bastante lamentado por colorados. Um deles, o colunista do jornal Zero Hora Marcelo Carôllo, usou o espaço para desabafar a respeito da rivalidade existente entre os times na edição desta quinta-feira.

Na visão de Carôllo, apontar o Corinthians como principal rival interestadual do Internacional só fortalece a equipe paulista. Além disso, o próprio Timão não os vê como um de seus grandes oponentes na atualidade.

“Nos armamos com DVD's, que nós julgamos sérios; nos preparamos com estádios lotados, que nós julgamos ‘clima de guerra’. Eles, num chiste, nos vencem no campo e respondem com piadinha em telão”, escreveu Carôllo. “É o Curioso Caso Da Rivalidade Unilateral. Só nós levamos a sério este ódio, esta rixa. Colocar o Corinthians no mesmo nível do Grêmio no que diz respeito às nossas inimizades é um delírio futebolístico”.

O texto assinado por Marcelo, que passeia pela decisão da Copa do Brasil de 2009 até a noite de 12 de abril de 2017, também repercute a freguesia do Internacional para o Corinthians nos últimos anos. O torcedor colorado, aliás, se pergunta: “Quando foi que nos proibiram de vencer esses caras?”.

“Promover o alvinegro de São Paulo a este posto só nos trouxe problemas. Nesses doze anos, nas vinte e cinco vezes em que jogamos contra eles, vencemos apenas seis. Seis em vinte e cinco. Fora de casa, foram só duas vitórias vermelhas. Eles nos venceram quatro vezes aqui. Eles deram volta olímpica aqui. Nós, nada. Quando foi que nos proibiram de vencer esses caras?”, questionou – leia a coluna de Marcelo Carôllo abaixo.

Corinthians e Internacional voltam a se enfrentar na próxima quarta-feira, às 21h45 (de Brasília), na Arena Corinthians, pela volta da quarta fase da Copa do Brasil. O Timão depende de uma vitória simples ou empate por 0 a 0 para avançar às oitavas de final do torneio. Antes, no entanto, disputa o clássico contra o São Paulo, domingo, às 19h, no Morumbi, pela primeira semifinal do Campeonato Paulista.

LEIA A COLUNA NA ÍNTEGRA

Quando foi que nos proibiram de ganhar do Corinthians?

Embates entre o Colorado e o Timão viraram um eterno D'Alessandro x William. E ninguém aguenta mais isso

Corria a última hora do dia 1º de Julho de 2009. Perdíamos a final da Copa do Brasil para o Corinthians. Mesmo jogando em casa. Mesmo jogando de branco. Esse maldito rival que tanto nos irrita desde 2005 nos superava no Beira-Rio em uma decisão de campeonato. A indignação era total. Nervosismo dos colorados no cimento, nervosismo dos colorados em campo.

Lá pelas tantas, a tensão vira briga. E é aí que acontece a cena que personifica, representa e explica o que é Inter x Corinthians do pênalti no Tinga até a partida desta quarta-feira última. D'Alessandro, indignadíssimo, cerra os punhos e parte para cima de William, que recua enquanto sorri, debochado.

Há doze anos, nós somos D'Ale correndo atrás do William. Com sangue nos olhos, partimos atrás deles com vontade de socá-los. Dizemos que são nossos rivais. Os alçamos, por vezes, ao posto de nosso maior rival na atualidade. Queremos destruí-los, vingar uma estrela que nos foi tirada. Enquanto isso, eles, como o William, recuam e sorriem.

Nos armamos com DVD's, que nós julgamos sérios; nos preparamos com estádios lotados, que nós julgamos "clima de guerra". Eles, num chiste, nos vencem no campo e respondem com piadinha em telão. É o Curioso Caso Da Rivalidade Unilateral. Só nós levamos a sério este ódio, esta rixa. Colocar o Corinthians no mesmo nível do Grêmio no que diz respeito às nossas inimizades é um delírio futebolístico.

Promover o alvinegro de São Paulo a este posto só nos trouxe problemas. Nesses doze anos, nas vinte e cinco vezes em que jogamos contra eles, vencemos apenas seis. Seis em vinte e cinco. Fora de casa, foram só duas vitórias vermelhas. Eles nos venceram quatro vezes aqui. Eles deram volta olímpica aqui. Nós, nada. Quando foi que nos proibiram de vencer esses caras?

Nós levantamos a guarda, tentamos atirar socos, destilamos ódio. Eles recuam. Eles dão risada. Perdemos na provocação e no campo. Chega disso. Na quarta-feira que vem, repete comigo: vamos enfrentar um adversário normal. Não precisamos socá-los. Não há rivalidade exagerada. Vamos lá como quem vai a Gravataí eliminar o Cruzeirinho.

Quando pararmos de supervalorizar este adversário, quem sabe conseguiremos rasgar o infame contrato que nos impede de vencê-los.

Veja mais em: Copa do Brasil.

Veja Mais:

  • Torcida do Corinthians ganhou boa opção de matar saudade da Arena depois da Copa do Mundo

    Corinthians inicia venda de pacotes de jogos na Arena com direito a Libertadores de brinde

    ver detalhes
  • Luigi Gaspar dá seus primeiros passos na carreira de jogador

    Filho de Edu Gaspar assina primeiro contrato com o Corinthians; ex-jogador comemora

    ver detalhes
  • Hector Tapia, treinador do Colo-Colo, durante entrevista ao Meu Timão na cidade de Atibaia

    Estágio no Corinthians com Tite e busca por gols: técnico do Colo-Colo fala ao Meu Timão

    ver detalhes
  • Matheus Pereira, aos 20 anos de idade, teve passagem apagada pelo Paraná

    Ex-joia entra em lista de dispensa do Paraná; parte dos direitos segue com Corinthians

    ver detalhes

Comente a notícia:

  • 1000 caracteres restantes