PM explica confronto nas imediações do Couto Pereira e confirma total de feridos

PM explica confronto nas imediações do Couto Pereira e confirma total de feridos

Por Meu Timão

O 12º Batalhão de Polícia Militar divulgou uma nota à imprensa, na tarde deste domingo, sobre a confusão causada por torcedores do Coritiba antes do duelo da equipe contra o Corinthians. De acordo com o texto, a ação violenta resultou em seis pessoas feridas, uma delas em estado grave.

Ainda segundo a nota, o confronto teve início quando "(...) três ônibus (de torcedores do Corinthians) não acataram a orientação da Polícia Militar, deslocaram por conta própria, sem informar o itinerário à corporação, e acabaram sendo alvo do confronto entre rivais".

Leia também:
Após confronto no Couto Pereira, Carille lamenta impunidade, faz cobrança e cita Inglaterra
Com gol mal anulado, Corinthians fica no empate com o Coritiba

Imagens que circulam nas redes sociais desde a manhã mostram as ações protagonizadas por parte da torcida mandante. Um homem chegou a ser pisoteado por um grupo coxa-branca, mas resistiu e, inclusive, já foi liberado. Apenas uma pessoa foi presa.

Leia a nota oficial da Polícia Militar na íntegra

O 12º Batalhão de Polícia Militar, responsável pelo policiamento do jogo entre Coritiba e Corinthians, informa que por volta de 8h30 deste domingo a PM atendeu a ocorrência de confronto entre torcidas na Rua Amâncio Moro, nas imediações do estádio Major Antônio Couto Pereira. Com apoio do Batalhão de Operações Especiais (BOPE), várias equipes da Polícia Militar rapidamente chegaram ao local e os envolvidos foram dispersados, o que evitou uma tragédia ainda maior.

No confronto entre torcedores, seis pessoas ficaram feridas as quais foram socorridas pelo Siate do Corpo de Bombeiros (uma em estado grave encaminhada ao Hospital Evangélico e as outras cinco levadas para os hospitais Cajuru e Trabalhador).

Ao todo, o BOPE escoltou 38 ônibus coletivos com torcedores do Corinthians desde a chegada à Capital até o estádio, sem nenhum incidente. Outros três ônibus não acataram a orientação da Polícia Militar, deslocaram por conta própria, sem informar o itinerário à corporação, e acabaram sendo alvo do confronto entre rivais. A ROTAM do 13º Batalhão também escoltou outros 8 ônibus com torcedores corinthianos oriundos da região norte da capital paranaense.

Ao longo da manhã e após o jogo, não houve registros de outros tumultos envolvendo torcedores nas proximidades do estádio. O 12º Batalhão reforçou o policiamento em toda a região do estádio com apoio de outras unidades da Polícia Militar, incluindo reforço para a escolta dos ônibus que vieram de São Paulo com torcedores. Participaram do policiamento viaturas, policiais a pé, motos, cavalos e um helicóptero.

A PM informa ainda que antes de algumas partidas é feita uma reunião com dirigentes e representantes de torcidas ou, quando não há reunião, como foi no caso desta partida, é feito contato com as torcidas organizadas para fechar acordos e trocar informações de como será o policiamento, bem como sobre o público esperado a pé ou de ônibus e como serão as escoltas.

A PM lembra que há anos têm feito este trabalho e quando as partes cumprem as regras o número de incidentes é menor.

Veja mais em: Torcida do Corinthians, Violência no futebol e Campeonato Brasileiro.

Veja Mais:

  • Paulo Garcia lança chapa com Flávio Adauto (direita) e Emerson Piovesan (esquerda)

    Clube-empresa, veto ao irmão Fernando e 'anti-Crefisa': Paulo Garcia lança chapa no Corinthians

    ver detalhes
  • Fifa atualiza ranking de campeões mundiais; Corinthians é o melhor brasileiro

    Fifa atualiza ranking, e Corinthians é melhor brasileiro e único bicampeão mundial reconhecido

    ver detalhes
  • Tréllez foi autor do gol da Vitória sobre o Corinthians na Arena no Brasileirão-2017

    Diretoria do Vitória tem reunião para discutir transferência de Tréllez ao Corinthians

    ver detalhes
  • Adauto (ao centro) classificou Corinthians como 'melhor vitrine do futebol brasileiro'

    Ex-Corinthians, Adauto defende Alessandro e minimiza falta de poder financeiro: 'Melhor vitrine'

    ver detalhes

Comente a notícia:

  • 1000 caracteres restantes