Loss explica substituição de Pedrinho e fala de pressão no Corinthians

Loss explica substituição de Pedrinho e fala de pressão no Corinthians

Por Mayara Munhoz e Rodrigo Vessoni, na Arena Corinthians

22 mil visualizações 283 comentários Comunicar erro

Loss foi bastante vaiado ao tirar Pedrinho de campo no segundo tempo

Loss foi bastante vaiado ao tirar Pedrinho de campo no segundo tempo

Foto: Daniel Augusto Jr. / Agência Corinthians

Osmar Loss completou o seu quinto jogo no comando do Corinthians nesta quarta-feira e já recebeu vaias. O momento de crítica mais forte foi durante a substituição de Pedrinho para a entrada de Vital, no segundo tempo do empate com o Santos.

Além das vaias, o treinador ouviu os famosos gritos de burro. A alteração deixou a torcida bem irritada também nas redes sociais. Loss explicou a substituição.

"Ele vai ter o tempo de jogar os 90 minutos. Ele saiu com 38 do segundo tempo, foi uma opção técnica. Até porque o Santos também vinha fazendo substituições, e precisávamos manter o nível de competitividade", explicou o treinador.

Leia também:
Empate no clássico e saída de Pedrinho geram irritação da Fiel com Loss; veja tuítes
Roger marca, mas Corinthians fica no empate com o Santos na Arena

"Não é que sobra para o Pedrinho. São vários fatores na hora da substituição. Não posso tirar um jogador de bola aérea e colocar outro que não tem essa capacidade. Imagina se o Santos faz um gol dessa forma, e tinha o Jean (Mota), que bate muito bem na bola. São cuidados que às vezes passam desapercebidos pelos torcedores, mas é minha função não deixar passar", completou.

Não foi só sobre Pedrinho que o técnico foi criticado. Com apenas uma vitória em cinco jogos, o treinador já começa a sentir a pressão pelo cargo recém-ocupado. Para Loss, no entanto, isso é uma reação natural da Fiel.

"Em relação à torcida, é natural. É uma torcida que gosta de vencer, assim como eu e os jogadores. Mas não conseguimos nos últimos jogos. É natural esse tipo de reação", disse.

"A questão do ambiente é natural, eu sei da pressão que é comandar o Corinthians. Foi uma coisa que me preparei na minha carreira. Mesmo trabalhando na base, também tinha pressão. Trabalhei em times grandes e tinha pressão para revelar e por títulos. A pressão não me incomoda. Jogar bem e ter a torcida do nosso lado é muito importante. Se a reação for como hoje, no fim do jogo, ótimo, porque apoiaram durante o jogo", finalizou o técnico.

Veja mais em: Osmar Loss, Pedrinho e Corinthians x Santos.

Veja Mais:

  • Marcelo Aparecido de Souza foi pressionado por jogadores e torcedores no Allianz Parque

    STJD aceita pedido para julgar mérito que pode melar título paulista do Corinthians

    ver detalhes
  • Dupla voltou de Chapecó com problemas físicos e pode se tornar baixa

    Dupla será reavaliada e pode se juntar a Cássio como desfalque para Corinthians no sábado

    ver detalhes
  • Guilherme Castellani assinou com o Timão até o fim de 2020

    Goleiro da equipe Sub-20 assina primeiro contrato profissional com o Corinthians

    ver detalhes
  • Henrique quer Corinthians bem no Brasileirão até o embate pela Libertadores

    Em desembarque, Henrique fala em 'virar a chave' para se aproximar dos líderes no Brasileirão

    ver detalhes

Comente a notícia:

  • 1000 caracteres restantes