Do início ao fim: a trajetória do elenco do Corinthians durante o ano e como cada um chega para 2019

Do início ao fim: a trajetória do elenco do Corinthians durante o ano e como cada um chega para 2019

16 mil visualizações 88 comentários Comunicar erro

Elenco do Corinthians oscilou muito e chega com "patamares alterados" para 2019

Elenco do Corinthians oscilou muito e chega com "patamares alterados" para 2019

Daniel Augusto Jr/Ag. Corinthians

Com o calendário de competições liquidado e o mercado em andamento, o Corinthians já pode fazer um balanço preciso de todos os jogadores que fizeram parte deste ano. De janeiro para cá, afinal, é normal que muitas peças do plantel mudem de patamar - para melhor e para pior.

Pensando nisso, o Meu Timão preparou uma espécie de relatório com a trajetória de cada um dos nomes que vinham sendo utilizados nesta reta final de Brasileirão.

Mais do que olhar para trás, analisando seus desempenhos, a lista também serve para entender como cada peça inicia a nova temporada, agora sob o comando de Fábio Carille - alguns atletas, por exemplo, subiram completamente de patamar desde que o treinador deixou o Timão no meio do ano.

Confira como cada jogador se desenvolveu (ou não) neste ano

Cássio

Cássio terminou o ano de 2018 como melhor jogador do Corinthians na opinião da Fiel

Cássio terminou o ano de 2018 como melhor jogador do Corinthians na opinião da Fiel

Daniel Augusto Jr/Ag. Corinthians

Como começou: Entre os principais nomes da campanha heptacampeã nacional, Cássio iniciou o ano cheio de prestígio - tinha sido eleito o melhor jogador alvinegro de 2017 pelas notas dadas pela Fiel no Meu Timão.

Como terminou: Seguindo bem, Cássio ganhou ainda mais moral, sendo decisivo no bicampeonato paulista. As boas atuações lhe renderam uma vaga no grupo que foi à Copa do Mundo. Na reta final, cresceu, impedindo o rebaixamento alvinegro. Pelo segundo ano consecutivo, ficou com a maior nota dos leitores do Meu Timão.

Fagner

Como começou: Unanimidade em sua posição, Fagner começou 2018 com a confiança da Fiel e a expectativa por chamado para a Copa do Mundo.

Como terminou: Correspondendo o esperado, o lateral foi para o Mundial da Rússia, mas voltou rendendo menos. Também pela fase do time, não teve grandes atuações no segundo semestre. Mesmo assim, tem prestígio e começa 2019 como titular absoluto - agora, porém, com uma sombra mais definida: Michel Macedo foi contratado.

Mantuan

Como começou: Reserva imediato de Fagner, teve uma série de oportunidades por lesões e convocações do lateral titular.

Como terminou: O posto no banco foi perdido, assim como qualquer espaço em sua posição de origem. Com Jair Ventura, o jovem jogador entrou em campo apenas uma vez e chega para 2019 bem menos prestigiado. Parte da torcida torce por um empréstimo.

Henrique

Como começou: Contratado para substituir Pablo, ganhou a posição imediatamente e foi elogiado por grande parte da Fiel ao fazer dupla com Balbuena.

Como terminou: Após bom início, Henrique passou a oscilar, sendo criticado pelos alvinegros, que já pedem um novo zagueiro para 2019 - nesta segunda-feira, até o nome de Pepe caiu nas graças da Fiel.

Léo Santos

Como começou: Reserva de Pedro Henrique no início do ano, chegou a tornar-se quarto reserva com a chegada de Henrique. Pelo que demonstrou na base, porém, tinha espaço cobrado pela torcida.

Como terminou: Com Jair Ventura, Léo Santos ganhou a titularidade, mas acabou tendo imagem manchada por falhas, sobretudo na final da Copa do Brasil contra o Cruzeiro. Pelos vacilos, há quem não concorde com sua manutenção no 11 inicial para 2019.

Pedro Henrique

Como começou: Titular com a saída de Pablo, Pedro Henrique começou o ano com a chance de se firmar no Corinthians ao lado de Balbuena.

Como terminou: Com a chegada de Henrique, perdeu a posição. Chegou a retomar o lugar do paraguaio, negociado, mas voltou ao banco com Jair Ventura, que bancou Léo Santos. Nesta janela, já foi relacionado com possível troca.

Marllon

Como começou: Assim que foi anunciado, o defensor ex-Ponte Preta imediatamente recebeu o rótulo de último da fila de sua posição no Timão.

Como terminou: Bem nas oportunidades que recebeu, o zagueiro ganhou a torcida, que cobrou mais chances na reta final do ano e já o vê como boa opção para a próxima temporada, colocando-o a frente do próprio Pedro Henrique, por exemplo.

Danilo Avelar

Como começou: Pelos anos de Europa, Danilo Avelar chegou cercado de expectativa para ocupar lacuna deixada por Sidcley. Imediatamente no time titular, o lateral começou bem e chegou a receber alguns elogios da Fiel.

Como terminou: O ânimo durou pouco e o lateral transformou-se no nome mais criticado do plantel corinthiano. Para 2019, a torcida nem cogita vê-lo como titular, apontando a posição como prioridade de mercado - o clube tenta a contratação de Uendel, do Internacional.

Carlos Augusto

Como começou: Promovido ao time principal, começou treinando na defesa pelo alto número de laterais esquerdos do plantel. A busca por espaço parecia improvável.

Como terminou: Com a saída de algumas peças e o desempenho ruim de Danilo Avelar, ganhou a posição e encerrou a temporada como titular. Pra 2019, porém, a torcida espera que outro jogador seja contratado para assumir a titularidade.

Ralf

Ralf deixou a desconfiança para trás e tornou-se titular do Timão

Ralf deixou a desconfiança para trás e tornou-se titular do Timão

Daniel Augusto Jr/Ag. Corinthians

Como começou: Por conta da idade, Ralf desembarcou no CT Joaquim Grava sob uma série de questionamentos da torcida. A princípio, o multicampeão seria reserva de luxo de Gabriel, essencial no hepta nacional.

Como terminou: Bem sempre que tinha a oportunidade, Ralf acabou ganhando a titularidade do concorrente, que não repetiu a boa temporada com o manto alvinegro. Para 2019, tem status de titular, mas agora tem ainda mais concorrência - Richard chegou após bom 2018 pelo Fluminense.

Gabriel

Como começou: Peça importante da equipe de Carille no ano anterior, Gabriel começou a atual temporada com status de inquestionável na equipe alvinegra.

Como terminou: Mal em grande parte do ano, o volante ficou grande parte do segundo semestre no banco, entrando em partidas e situações específicas. Para 2019, há quem peça a venda do jogador.

Douglas

Como começou: Contratado em julho para substituir Maycon, o jovem volante tinha grande moral quando desembarcou no CT Joaquim Grava. Passagens na Seleção de base e bons momentos no Fluminense o credenciavam como titular absoluto da função.

Como terminou: Extremamente questionado, Douglas passou longe de agradar a Fiel em seus primeiros meses de clube. Depois de muita insistência, ele seguiu sem corresponder e terminou o ano na reserva.

Thiaguinho

Como começou: Contratado por conta da filosofia do clube, que busca jogadores com capacidade de maturação para os próximos anos, Thiaguinho chegou sem grandes expectativas de ser utilizado.

Como terminou: Sem unanimidades na posição e com o bom rendimento nos treinamentos, o volante cresceu e ganhou espaço, terminando a temporada como titular. Além disso, tornou-se uma espécie de xodó dos torcedores.

Araos

Como começou: Tratado como grande promessa do Chile, Araos desembarcou no Timão cercado de expectativa, sobretudo pelo alto valor investido. Nas primeiras atuações, agradou e caiu nas graças de parte dos alvinegros, que já o pediam no time titular.

Como terminou: Prestigiado, teve uma série de oportunidades, mas acabou não engrenando. Para piorar, foi expulso duas vezes, prejudicando a equipe e manchando sua imagem para a torcida. Para 2019, porém, é tratado como uma das esperanças para o setor.

Renê Júnior

Como começou: Entre os principais reforços para o ano, chegou a ser titular no início da temporada, agradando muito pelo que vinha apresentando.

Como terminou: O bom desempenho durante o ano acabou, em todas as oportunidades, sendo interrompido por lesões. A última delas mais grave que o tirou da temporada já na metade do ano. É uma incógnita para 2019.

Pedrinho

Pedrinho teve alguns momentos de brilho, mas não manteve a constância esperada pela torcida

Pedrinho teve alguns momentos de brilho, mas não manteve a constância esperada pela torcida

Rodrigo Gazannel/Ag. Corinthians

Como começou: Talismã na conquista do Brasileirão 2017, Pedrinho começou o ano na iminência de estourar de vez e se consolidar como titular do clube.

Como terminou: Após temporada de muita oscilação, o jovem meia-atacante não atingiu o patamar de unanimidade esperado, tendo revezado com outros jogadores em grande parte do ano. Há, porém, momentos de destaque, que mantiveram as esperanças da Fiel em alta. Para o ano que vem, há o risco do jovem ser negociado.

Mateus Vital

Como começou: Contratado com status de promessa, Vital chegou chegando ao Timão. Sempre que entrava em campo, o meio campista dava boa resposta e passou a ser tratado como peça importante para a temporada - sobretudo após boa final no Paulistão.

Como terminou: Mesmo com o bom rendimento, o jovem oscilou e, no segundo semestre, passou um bom tempo entrando poucos minutos por partida. A expectativa da Fiel é de mais constância no ano que vem, podendo ser peça chave para Carille.

Jadson

Como começou: Pelo tamanho do jogador e sua história no Corinthians, Jadson iniciou 2018 com a responsabilidade de ser a referência técnica do Timão.

Como terminou: Mesmo com a idade, Jadson foi o principal jogador de linha da equipe alvinegra no ano, destacando-se nos gols e em assistências. Com o fim de ano em alta, chega para 2019 novamente cercado de esperanças da Fiel.

Danilo

Danilo foi o responsável por um dos grandes momentos do Timão nesse Campeonato Brasileiro

Danilo foi o responsável por um dos grandes momentos do Timão nesse Campeonato Brasileiro

Daniel Augusto Jr/Ag. Corinthians

Como começou: Com uma série de lesões graves, o ídolo alvinegro começou o ano mais como uma peça importante para o extra-campo do que qualquer outra coisa. Logo no Paulistão, porém, bateu pênaltis importantes, dando esperanças para o restante da temporada.

Como terminou: Pelo mau momento alvinegro, ganhou chances no comando de ataque e correspondeu: guardou dois gols essenciais na luta contra a queda e se despediu em alta do clube - não renovou o contrato e defenderá outra camisa no ano que vem.

Clayson

Como começou: Peça importante na reta final do Brasileirão 2017, Clayson iniciou o ano com a titularidade e muito prestígio.

Como terminou: Com uma série de problemas pessoais, o jogador teve desempenho ruim durante toda a temporada, ficando mais de 20 jogos sem marcar e sendo pouquíssimo efetivo nos dribles, sua principal qualidade. Ao que tudo indica, deve deixar o Timão em 2019.

Romero

Como começou: Outro nome importante na conquista do hepta, Romero iniciou a temporada com titularidade e certa confiança da Fiel.

Como terminou: Apesar de alguns grandes momentos, sobretudo em sequência de vitórias de Osmar Loss, o paraguaio não fez bom ano e terminou sendo muito criticado pela torcida. No segundo semestre, passou em branco por mais de 20 jogos e leva longo jejum para o ano que vem. Segundo os primeiros rumores, o atacante deve se despedir do clube na metade do ano, quando encerra seu contrato.

Emerson

Como começou: Contratado por apenas seis meses, para despedir-se do clube após o Paulistão, Sheik agradou a comissão técnica e renovou contrato até o fim da temporada - sua última como jogador profissional.

Como terminou: Sem grandes exibições, chegou a ser titular da equipe na final da Copa do Brasil e encerrou o ano com grande festa de despedida na Arena.

Roger

Como começou: Desejo antigo do Corinthians, desembarcou no CT Joaquim Grava para suprir a ausência de Jô, principal nome do heptacampeonato nacional.

Como terminou: Mesmo com alguns gols, Roger passou longe de agradar a Fiel e ainda foi prejudicado por não poder atuar na Copa do Brasil. Para os torcedores, não pode ser o camisa 9 da equipe na próxima temporada.

Jonathas

Jonathas não conseguiu agradar, ficando atrás de Roger na preferência da torcida

Jonathas não conseguiu agradar, ficando atrás de Roger na preferência da torcida

Daniel Augusto Jr/Agência Corinthians

Como começou: Outro alvo antigo do Timão, Jonathas chegou badalado pelos bons momentos na Europa. O centroavante veio como esperança de gols para o time, que sofria muito ofensivamente.

Como terminou: Com atuações ruins e uma série de lesões, foi "esquecido" na reta final da temporada e parece não fazer parte dos planos alvinegros para a sequência do trabalho.

Sergio Díaz

Como começou: Tratado como grande promessa, Díaz chegou ao Brasil com um misto de sensações: de um lado, a esperança de contar com um jogador talentoso, que chegou ao Real Madrid justamente por isso. De outro, a preocupação com suas lesões.

Como terminou: Após longo período de recuperação, o paraguaio teve poucas chances e mostrou muita falta de ritmo. Além disso, voltou a sentir dores e não deu mais as caras. É grande esperança da diretoria para o ano que vem.

Veja mais em: Elenco do Corinthians e Especiais do Meu Timão.

Veja Mais:

  • Maior campeão, com dez títulos, Timão tenta ser um dos semifinalistas da Copa São Paulo

    Corinthians pega Grêmio por vaga na semifinal da Copinha; saiba tudo

    ver detalhes
  • Timão divulga primeira relação de atletas inscritos no Estadual; lista ganhará novos jogadores

    Paulistão: Corinthians inscreve 19 nomes e reserva vagas a reforços; veja relação

    ver detalhes
  • Manoel posa com manto na sala de imprensa do CT; defensor é a oitava contratação para 2019

    Manoel recebe conselho de Mano e diz quando deve estar pronto para estrear no Corinthians

    ver detalhes
  • Agora em definitivo: Boselli é esperado no Brasil nesta sexta-feira

    Boselli inicia viagem para se reapresentar ao Corinthians

    ver detalhes

Comente a notícia:

  • 1000 caracteres restantes