Atacante do Corinthians fala do impacto do coronavírus no dia a dia do CT e analisa portões fechados

14 mil visualizações 63 comentários Comunicar erro

Por Andrew Sousa e Rodrigo Vessoni, no CT Joaquim Grava

O Corinthians vive dias tensos na busca por uma vaga na próxima fase do Campeonato Paulista, mas outro assunto tem dominado o noticiário geral e esportivo: a pandemia do coronavírus. Escolhido para conceder entrevista coletiva após o treino desta sexta-feira, Yony González contou como os riscos de contaminação impactaram a rotina no CT Joaquim Grava.

"Para mim é um tema de preocupação, são várias pessoas infectadas com o vírus. Aqui no Brasil não sei o que vai acontecer, mas todos os países estão sendo afetados pelo vírus. Para mim é preocupante, estou falando com meus companheiros e meus familiares sobre o tema. Esperamos que não aumentem os casos", pontuou.

"Falamos do tema entre os companheiros, tratamos de lavar as mãos, usar álcool gel e não ter muito contato, é um tema preocupante. Somos um grupo e, se aparecer um caso, podem aparecer outros. Esperamos que se resolva rápido e que possamos ter os torcedores que gostam de futebol (nos estádios)", completou.

Leia também:
Arena Corinthians terá portões fechados por conta do coronavírus, diz Federação Paulista
Corinthians terá portões fechados nos dois próximos jogos do NBB por conta do coronavírus

Por conta do problema, cabe ressaltar, a Federação Paulista resolveu fechar os portões da Arena Corinthians para o embate deste domingo, diante do Ituano. Embora triste pela falta que a Fiel faz nas arquibancadas, Yony aprovou a decisão.

"Para mim e para os meus companheiros sempre é bom ter o apoio da torcida, comemorar um gol com eles, ter o apoio, mas o mais importante é a vida, que está antes do futebol. Se tomaram essa decisão para o bem de todos, temos que jogar com portões fechados. É importante estar sempre concentrado, necessitamos do apoio, mas isso não pode ser fundamental para ter concentração ou não nas partidas", explicou.

"Minha família está preocupada porque em São Paulo teve casos, na Colômbia também, sempre estou em contato e preocupado porque estou longe deles. Aqui, quando acaba o treino, eu vou para casa e fico por lá, não sei o que vai acontecer", concluiu.

Até o momento, cabe ressaltar, o Ministério da Saúde confirmou 77 portadores da doença no país, mas a tendência é que esse número aumente e, por conta disso, é importante evitar eventos com grandes aglomerações.

Confira a entrevista do atacante colombiano

Veja mais em: Yony González e Pandemia do coronavírus.

Veja Mais:

  • Atacante Millene teve rápida passagem pelo futebol chinês pelo surto do novo coronavírus

    Atacante do Corinthians 'encara' coronavírus pela segunda vez em 2020: 'Situação muito diferente'

    ver detalhes
  • Integrantes da Camisa 12 se espalham por diferentes regiões do Brasil para apoiar "heróis" durante quarentena

    Organizada do Corinthians promove ato em apoio aos profissionais de saúde durante pandemia

    ver detalhes
  • Vagner Love teve uma passagem discreta pelo futebol francês

    Quarteto ligado ao Corinthians aparece em lista de piores brasileiros que atuaram na França; confira

    ver detalhes
  • Marta no Corinthians ou no Flamengo? Craque lança a braba na internet

    VÍDEO: Marta no Corinthians ou no Flamengo? Craque lança a braba na internet

    ver detalhes
  • Ex-candidato à presidência fala em possibilidade de rebaixamento do Corinthians

    [Marco Bello] Ex-candidato à presidência fala em possibilidade de rebaixamento do Corinthians

    ver detalhes
  • Apito amigo? Arbitragem de Amarilla não sai da cabeça da Fiel até hoje

    1º de abril! Meu Timão esclarece oito grandes mentiras que rivais contam sobre o Corinthians

    ver detalhes

Últimas notícias do Corinthians

Comente a notícia: