Uma mudança de postura essencial

Julia Raya

Estagiária do Meu Timão e estudante de Jornalismo na Faculdade Cásper Líbero, em São Paulo-SP. Tem 17 anos e é corinthiana há 18. Sempre viveu com o Corinthians e agora trabalha com ele também.

ver detalhes

Uma mudança de postura essencial

Coluna da Julia Raya

Opinião de Julia Raya

3.1 mil visualizações 23 comentários Comunicar erro

Uma mudança de postura essencial

A melhora corinthiana é fruto de uma nova postura dentro de campo

Foto: Danilo Fernandes/ Meu Timão

Há quase um mês, falei em uma de minhas colunas sobre o período decisivo que enfrentaria a equipe do Corinthians nesse início de semestre. Com o saldo positivo no período avaliado, gostaria de pontuar algumas colocações anteriores.

Dos sete jogos que falei, o time venceu quatro (Fortaleza, Goiás e Montevideo Wanderers, duas vezes) e empatou três (Flamengo, Palmeiras e Internacional). Nenhuma derrota desde a volta dos jogos oficiais, classificação na Sul-Americana, 60% de aproveitamento no Brasileirão pós-Copa América e sexto lugar no torneio nacional.

Ao meus ver, os três pontos contra a equipe do Goiás eram essenciais de serem conquistados, já que o jogo era válido pela sétima rodada (adiado) e uma vitória faria a equipe subir na tabela. O time venceu em casa por 2 a 0 e conquistou os três pontos.

Outra conquista da equipe que eu julguei como importante, tanto financeiramente como para o desempenho geral do time, foi a classificação na Sul-Americana. O Corinthians venceu duas vezes o Montevideo Wanderers e chegou nas quartas de final da competição.

Como eu disse em outra coluna recente, é visível que a evolução prometida por Carille aconteceu. Diferente do que parecia mostrar o discurso do técnico, no entanto, a evolução não se deu pela presença de outros nomes no time, mas sim pela mudança de postura dos jogadores.

Carille pedia muito que a parada acontecesse para que ele pudesse treinar novos nomes no time, e ele realmente fez isso, mas se formos analisar a base do time titular que entrou em campo nos jogos pós-Copa América, ela é a mesma – os nomes testados por Carille na intertemporada têm ganhado espaço ao longo do jogo.

Com exceção de Ralf, que deu lugar para Gabriel por lesão, o time titular foi pouco alterado ao longo dos últimos sete jogos. Os duelos contra Fortaleza e Goiás foram os que mais tiveram mudanças no time, já que alguns jogadores foram poupados por cartões amarelos e por cansaço físico. Ao que me parece, a grande mudança pós-Copa, em termos de nome, diz respeito ao Pedrinho, que pelo bom momento assumiu a titularidade no lugar de Jadson - que também enfrenta problemas pessoais.

O time, quase sempre com a mesma base, mudou sua postura. Deu mais chutes ao gol, melhorou passes e finalizações.

O que me parece mesmo é que os jogadores precisavam mudar as atuações dentro de campo, assim como fizeram, e não que o elenco não era capaz.

Veja mais em: Elenco do Corinthians.

Coluna da Julia Raya

Por Julia Raya

Estagiária do Meu Timão e estudante de Jornalismo na Faculdade Cásper Líbero, em São Paulo-SP. Tem 17 anos e é corinthiana há 18. Sempre viveu com o Corinthians e agora trabalha com ele também.

O que você achou do post da Julia Raya?