As mudanças na parceria entre Corinthians e BMG explicitam que esse nunca foi um patrocínio máster

Julia Raya

Estagiária do Meu Timão e estudante de Jornalismo na Faculdade Cásper Líbero, em São Paulo-SP. Tem 17 anos e é corinthiana há 18. Sempre viveu com o Corinthians e agora trabalha com ele também.

ver detalhes

As mudanças na parceria entre Corinthians e BMG explicitam que esse nunca foi um patrocínio máster

Coluna da Julia Raya

Opinião de Julia Raya

30 mil visualizações 69 comentários Comunicar erro

As mudanças na parceria entre Corinthians e BMG explicitam que esse nunca foi um patrocínio máster

Banco BMG não é mais o patrocinador máster do Corinthians

Foto: Divulgação/ Corinthians

Para começar, quero deixar claro que meu objetivo aqui não é criticar o patrocínio máster do BMG, que rendeu bons frutos ao clube, mas sim os moldes desse acordo. Minhas críticas, então, vão para o clube, não para o banco. Dito isso, podemos começar.

O Corinthians anunciou mudanças na parceria com o Banco BMG, que agora não ocupa mais o espaço nobre da camisa alvinegra e tem duração até 2026. As partes fecharam negócio no início de 2019 em uma parceria que duraria cinco anos e desde as primeiras movimentações o clube já deixou margem para críticas à parceria.

Quando anunciado o Banco BMG como patrocínio máster do Corinthians, ficou entendido pela torcida e grande parte da imprensa que o acordo era de R$ 30 milhões, um valor expressivo e que seguia a linha dos números com a Caixa, até então último patrocinador máster do clube. Mas a realidade não era essa e o acordo, na verdade, frisava R$ 12 milhões anuais, acrescidos por outros valores frutos de ações com a torcida. Logo de cara, um "porém" na parceria, que não agradou.

Apesar do valor questionável e na minha opinião baixo (o menor entre todos os másters do Corinthians no século), os moldes da parceria são interessantes e contam com a participação da torcida. Por exemplo: a cada nova conta aberta no Meu Corinthians BMG o clube recebe R$ 20 e metade do faturamento dessas contas é do clube. A verdade é que o patrocínio do BMG sempre foi bom para o clube, mas nunca como um patrocínio máster, e as mudanças realizadas na parceria explicitam exatamente isso - e aqui, quero frisar mais uma vez: esse "porém" não tem a ver com o BMG, mas sim com a diretoria do clube.

Ao que parece, os moldes do acordo não devem ser alterados, ou seja, o banco deve seguir rendendo ao Corinthians como um patrocinador de camisa o mesmo que rendia como o patrocinador máster. Isso fortalece as críticas ao negócio fechado inicialmente em termo de valores, mas por outro lado dá início a um "novo patrocínio promissor".

Se, em termos de valores gerados ao clube, o acordo realmente se mantiver sem alterações e o Corinthians seguir recebendo R$ 12 milhões anuais, o cenário passa a ser positivo. Na verdade, mesmo que esse valor baixe o cenário é positivo, uma vez que o clube "ganha" um patrocinador a mais e ainda conta com as "rendas extras" geradas pela torcida. O espaço deixado pelo Banco BMG já deve ser ocupado na próxima segunda pela Neo Química.

Eram valores questionáveis por um patrocínio que ocupava o espaço nobre da camisa corinthiana. Agora, realocado na omoplata, os valores da parceria ganham outro status, o cenário é bem mais positivo. O acordo, enfim, parece não merecer nenhum tipo de crítica - ao menos até o momento.

E mais: a nova (e pesada) camisa do Corinthians

Veja mais em: Patrocinador do Corinthians.

Este texto é de responsabilidade do autor e não reflete, necessariamente, a opinião do Meu Timão.

Coluna da Julia Raya

Por Julia Raya

Estagiária do Meu Timão e estudante de Jornalismo na Faculdade Cásper Líbero, em São Paulo-SP. Tem 17 anos e é corinthiana há 18. Sempre viveu com o Corinthians e agora trabalha com ele também.

O que você achou do post da Julia Raya?

x