Corinthians-BMG: se der errado, a culpa será minha. E sua

Roberto Gomes Zanin

Jornalista, diretor da RZ Assessoria, Bicampeão do mundo. Não sou ligado a nenhuma corrente política do clube. Quero apenas o melhor para o Timão. Discorde à vontade, mas com o respeito aos irmãos

ver detalhes

Corinthians-BMG. Se der errado, a culpa será minha. E sua.

7.2 mil visualizações 213 comentários Comunicar erro

Corinthians-BMG. Se der errado, a culpa será minha. E sua.

Deveriam ter explicado direito.

Foto: Daniel Augusto Jr. - Agência Corinthians

Há algum tempo, escrevi neste espaço o artigo“Esqueçam o naming rights da Arena".

Nele eu explicava a dificuldade para o clube conseguir parceiros capazes de auferir contratos de peso. Afinal, grandes empresas têm políticas de compliance, cultura em que credibilidade e transparência são inegociáveis.

O atual grupo que comanda o clube padece de credibilidade e carece de comunicação corporativa (outro tema sobre o qual insisto. Não basta ter assessor de imprensa para agendar coletivas, mas é preciso uma política de comunicação institucional, corporativa e estratégica).

Em meio a isso tudo, o clube anunciou uma parceria que prometia ser revolucionária. Em linhas gerais, passou-se a ideia de que o Corinthians, de clube “quebrado”, passaria a ser sócio de banco.

Só que Andres e Rosenberg se esqueceram que a onipresença das redes sociais torna cada vez mais atual aquela frase bíblica: “não há nada de oculto que não venha a ser revelado”.

Os tais 30 milhões de reais, valor subentendido que seria o do patrocínio máster da camisa por ano (preço razoável), seria na verdade um adiantamento.

O valor mínimo, a partir do ano que vem, não será de 30, mas de apenas 12 milhões.

Para que o clube ganhe valores maiores (ou bem maiores) a torcida terá que se engajar, comprando os produtos financeiros do Corinthians-BMG.

O pulo do gato da diretoria é este. Se der certo, a ideia será genial, inovadora. Se der errado, a culpa será sua, torcedor, que não comprou os produtos, não colaborou com o clube. “Fizemos nossa parte, mas a torcida não comprou a ideia”,

Mas a Fiel é a Fiel. Acredito que é bem provável batermos as metas. Mas que nos contaram uma meia verdade, contaram.

Veja mais em: Patrocinador do Corinthians.

Coluna do Roberto Gomes Zanin

Por Roberto Gomes Zanin

Jornalista, diretor da RZ Assessoria de imprensa, bicampeão do mundo. Não sou ligado a nenhuma corrente política do clube. Quero apenas o melhor para o Timão. Discorde à vontade, mas com o respeito.

O que você achou do post do Roberto Zanin?