Time morno é sinônimo de derrota

Roberto Gomes Zanin

Jornalista, diretor da RZ Assessoria, Bicampeão do mundo. Não sou ligado a nenhuma corrente política do clube. Quero apenas o melhor para o Timão. Discorde à vontade, mas com o respeito aos irmãos

ver detalhes

Time morno é sinônimo de derrota

Time morno é sinônimo de derrota

Pedrinho foi a exceção em meio aos mornos do time

Foto: Danilo Augusto Jr. Agência Corinthians.

Amigos e amigas fiéis:

Ao longo dos meus anos de corinthianismo, desenvolvi duas percepções extrasensoriais sobre o time.

Duas sensações infalíveis; irresistíveis.

A primeira se manifesta antes dos clássicos e jogos importantes.

Se eu estou confiante, acho que vamos ganhar, que vai ser fácil, é sinal de que vamos perder.

Se, ao contrário, eu estiver preocupado, pode contar que a vitória virá.

A segunda sensação ocorre nos primeiros minutos de qualquer jogo do Timão.

Consigo medir a temperatura do time. Se a equipe estiver morna, sem o DNA do Corinthians, é quase certeza que vai dar zebra.

Foi essa a sensação que tive contra o Bragantino.

Acontece algo misterioso: a apatia de um jogador é transmitida para o outro, numa reação em cadeia, como se um vampiro invisível sugasse a energia vital do Corinthians.

Veja o que aconteceu com Rodriguinho. Sabendo que ele era o único criador do time, o treinador do Braga colocou marcação dupla, às vezes tripla, em cima do meia.

Era hora de correr, se desmarcar, mostrar inconformismo por ficar preso naquele caixote de volantes. Mas a preguiça falou mais alto. O mesmo ocorreu com o resto do time.

Muitas vezes esse fantasma é parido na mídia. O auê com a "venda" do mando, como se o Bragantino já estivesse derrotado no Pacaembu, parece ter ajudado o time a baixar a guarda.

Só mesmo um menino que alia humildade, habilidade e vontade de vencer na vida, como Pedrinho, para quebrar esse círculo. Com 3 a 1 nas costas, ele empurra a bola com a sola do pé, como um garoto descalço no asfalto, para, em seguida, fatiar a bola com a chuteira e mandar a esfera, insinuante, planar na atmosfera e estufar as redes do adversário.

Não por acaso, senti a mesma sensação ruim no início do returno do Brasileirão do ano passado, quando todos já diziam que o campeonato já tinha acabado, que o Corinthians já era campeão.

Só tivemos a certeza do título após a vitória contra o Palmeiras, partida em que o Corinthians me deu a confiança no triunfo nos primeiros minutos de jogo.

Sim, da mesma forma que prevejo a derrota, tenho a certeza da vitória quando vejo, logo de início, meu time jogar com a determinação que honra suas tradições.

Porque contra o Timão, todos jogam o jogo de suas vidas. E para suplantar o adversário, precisamos jogar com muita garra, passar por cima, mesmo.

Por isso acredito na classificação.

Em Itaquera, com os jogadores pressionados, sem folga no placar, antevejo que seremos CORINTHIANS.

A vitória será consequência.

Veja mais em: Campeonato Paulista.

Coluna do Roberto Gomes Zanin

Por Roberto Gomes Zanin

Jornalista, diretor da RZ Assessoria, Bicampeão do mundo. Não sou ligado a nenhuma corrente política do clube. Quero apenas o melhor para o Timão. Discorde à vontade, mas com o respeito aos irmãos

O que você achou do post do Roberto Zanin?

  • 1000 caracteres restantes