Era para ter sido diferente

Walter Falceta

Walter Falceta Jr. é paulistano, jornalista, neto de Michelle Antonio Falcetta, pintor e músico do Bom Retiro que aderiu ao Time do Povo em 1910. É membro do Núcleo de Estudos do Corinthians (NECO).

ver detalhes

Era para ter sido diferente

Coluna do Walter Falceta

Opinião de Walter Falceta

5.6 mil visualizações 103 comentários Comunicar erro

Era para ter sido diferente

Arena da Baixada: preciosos pontos perdidos

Foto: Agência Corinthians

Um) Se houve justa crítica à postura tática do Corinthians nos jogos contra São Paulo e Figueirense, o argumento hoje vale menos, muito menos. O time ocupou relativamente bem os espaços, compactou suas linhas e criou várias chances de gol.

Dois) Não é fácil jogar na Arena da Baixada. O povo funga no cangote dos jogadores adversários. O teto, fechado nesta quarta-feira, amplificava a gritaria dos donos da casa. Lá, os atleticanos ainda não foram derrotados no torneio nacional.

Três) A torcida do Atlético, vale destacar, é das mais antipáticas com os visitantes. Hoje, cuspiram no pessoal reserva do Timão. Já tinham cometido tal gafe no jogo contra o Santos, pelo que pagaram apenas uma multa.

Quatro) Enfim, retornou Lucca, mas decepcionou a torcida alvinegra, que lotou um dos fundos do campo, ocupando até mesmo o anel superior. Confuso, cabeça baixa, o atacante trombou demais e produziu pouco.

Cinco) Se tratamos de compactação, elogiada no parágrafo primeiro, tratamos daquela vertical, entre as linhas. Na horizontalidade, não fomos tão bem, especialmente na frente, com os jogadores espalhados e desconectados. Piorou com a saída prematura de Marquinhos Gabriel.

Seis) Guilherme é jogador de algum talento, mas parece que não se entusiasma com a camisa do Corinthians. Entrou, acertou aqui e ali, mas sem brilho. Bateu ponto, burocraticamente.

Sete) Nesse vácuo de frente do time alvinegro, facilitava-se a saída de bola por Otávio, um volante de recursos, que joga de cabeça erguida.

Oito) Mesmo assim, o Corinthians criou várias chances para abrir o placar. Podia ter sido com Elias, por exemplo, que arrematou de longe e quase acertou a forquilha do Furacão. Poderia ter sido com Romero, que finalizou de joelho para intervenção milagrosa de Santos.

Nove) Vale o velho jargão: quem não faz, toma. E foi o que ocorreu, justamente no momento em que o Corinthians tinha maior volume de jogo. Desta vez, convém apontar para os gestores do clube. Não temos até agora um homem de referência no ataque, e essa carência já nos tirou pontos importantes nesta busca pelo hepta.

Dez) O segundo tento de Walter faz parte da crônica do desespero. Preocupado em buscar o empate, o time se adianta, sofre com um "pé mole" e toma o gol de misericórdia. Mas por que as faltas, no Timão e no Brasil, são tão mal batidas? Por que tanta imprecisão neste fundamento?

Onze) A liderança, no entanto, seria mantida se o árbitro de Santos e Flamengo tivesse anotado um pênalti claro para os rubro-negros no último lance da partida. Campeonato difícil, complexo, mas planejamento adequado e gestão profissional poderiam garantir ao Corinthians melhor posição na tabela. Nesta quarta-feira de luta no topo, era para ter sido diferente.

Coluna do Walter Falceta

Por Walter Falceta

Walter Falceta Jr. é paulistano, jornalista, neto de Michelle Antonio Falcetta, pintor e músico do Bom Retiro que aderiu ao Time do Povo em 1910. É membro do Núcleo de Estudos do Corinthians (NECO).

O que você achou do post do Walter Falceta?