Como acabar de vez com a violência no futebol?

Walter Falceta

Walter Falceta Jr. é paulistano, jornalista, neto de Michelle Antonio Falcetta, pintor e músico do Bom Retiro que aderiu ao Time do Povo em 1910. É membro do Núcleo de Estudos do Corinthians (NECO).

ver detalhes

Como acabar de vez com a violência no futebol?

Coluna do Walter Falceta

Opinião de Walter Falceta

71 mil visualizações 95 comentários Comunicar erro

Como acabar de vez com a violência no futebol?

A médica Célia Medina, do Coletivo Democracia Corinthiana, atuando em atividade educativa

Foto: WFJr.

Dias atrás, iniciou-se nesta coluna uma polêmica em torno do tema. O motivo: o episódio envolvendo a torcida de La U na Arena Corinthians e minha análise sobre as razões estruturais do comportamento feroz e agressivo de parte dos torcedores.

Antes de trabalhar com os magníficos exemplos de torcedores do Atlético Nacional, da Colômbia, e dos próprios corinthianos, vale repassar o conceito.

Concordo com aqueles que consideram a força coercitiva da lei absolutamente despreparada para lidar com os amantes do esporte.

Não se alimenta aqui qualquer tipo de preconceito contra os trabalhadores públicos da área de segurança, muitas vezes mal remunerados, expostos a inúmeros perigos no exercício de suas funções.

Por mais bem-intencionados que sejam, no entanto, reproduzem nas praças esportivas as filosofias e práticas ultrapassadas que lhes são ensinadas nas corporações.

O resultado é conhecido. Frequentemente, a atividade de proteção, do indivíduo e do patrimônio, gera desconforto, tensão e acaba estimulando o que se pretende evitar: a própria violência.

Evidentemente, estão mais predispostos à reação aquelas porções da multidão que, no cotidiano, vivenciam o abandono do Estado, a negação de direitos e a exclusão social.

As medidas proibitivas e restritivas mostram-se absolutamente inócuas. Não há mastro de bandeira, mas o punho cerrado serve como arma. Não se encontram as torcidas no estádio, mas a contenda mortal ocorre nas estações de trem, nas avenidas e nas quebradas.

Mas o que se pode fazer para mudar esse panorama? Pois bem, muitos brasileiros se comoveram com as atitudes dos torcedores do Atlético Nacional quando do desastre com os atletas da Chapecoense.

No entanto, por descaso da mídia, poucos conhecem os pilares da “cultura de paz” cultivada pela torcida verde e branca de Medellín.

A barra (organizada) Los del Sur tem seus problemas, seus esquentados e mal comportados, como ocorre em todas as multidões. De vez em quando, seus líderes precisam passar um pito ou mesmo expulsar um integrante do grupo.

No entanto, trabalham duro para mudar consciências e estabelecer um padrão de atitude condizente com a civilidade.

Fundada em 1997, a torcida agregou operários, camponeses, funcionários públicos, estudantes e até... gente ligada ao tráfico e a outras modalidades de crime.

Por quê? Porque a ideia era utilizar o futebol para mudar o modo de pensar e agir das pessoas. Los del Sur conversam muito, discutem, até mesmo brigam, mas estão construindo, aos poucos, uma visão de concórdia no mundo do futebol.

Para isso, criaram um centro cultural (aberto a qualquer cidadão) e uma biblioteca, auxiliam estudantes pobres e atuam também em ações educativas nas prisões apinhadas de Medellín.

O coordenador do polo de cultura, Raul Martinez, costuma dizer que o estádio pode ser um lugar onde as pessoas aprendam a dizer não à barbárie.

Segundo ele, a violência em seu país começa por seis milhões de camponeses expulsos de suas terras, pelos milhares de assassinatos praticados por motivos políticos e pelos danos causados pela exclusão social.

“Por isso, não toleramos a ocorrência de uma morte por causa do futebol”, afirma. O projeto “Con La Pelota em La Cabeza” propõe um cultura de compreensão e entendimento, unindo torcedores de diferentes times em atividades conjuntas.

Você pode pensar que esse tipo de iniciativa funciona somente com os estrangeiros. Não é bem assim.

Dá para imaginar, por exemplo, um ex-presidente palmeirense palestrando no Parque São Jorge, tratando de sua paixão futebolística e de política esportiva?

Pois foi o que ocorreu no último dia 6 de Abril, quando o Núcleo de Estudos do Corinthians (NECO), realizou um evento para celebrar os 100 anos da rivalidade entre Corinthians e Palmeiras.

Diante da plateia, Luiz Gonzaga Belluzo, economista que já dirigiu o rival, debateu com cordialidade e elegância com os corinthianos, tratando do que une e do que separa alvinegros e alviverdes. Um belo exemplo de esforço bem-sucedido na construção de amizade e respeito entre diferentes.

No dia seguinte, o Coletivo Democracia Corinthiana (CDC) fez sua parte neste processo, atuando como co-promotor da "Primeira Copa MSEs de Futebol", no Centro Assistencial Cruz de Malta, na periferia sul de São Paulo.

Do que se tratou? De um torneio esportivo que visou a acolher, integrar e educar jovens que, depois de cometer atos infracionais, se submetem a medidas sócio-educativas.

Trabalhando com meninos corinthianos, mas também são-paulinos, palmeirenses e santistas, o CDC divulga a cultura de paz e semeia a boa consciência cidadã.

O certame deste dia 7 teve a presença de dezenas de garotos da região. Foi vencido pelo MSE Parque Bristol, nos pênaltis, depois de um empate em 2 a 2 com o valoroso MSE Vila Sônia.

Durante a partida, obviamente, ânimos exaltados. Em seguida, churrasco, confraternização, show de rap, grafitagem e palestras sobre civilidade e cidadania. Tudo na paz!

Os bons exemplos estão aí, na Colômbia e na comunidade corinthianista. Violência não se combate com mais violência, mas com empatia e educação.

Da conduta punitiva e repressora das forças coercitivas da lei, só geramos a quarta maior população carcerária do mundo, em rápido crescimento.

Chegou a hora de botar a ignorância de lado, de se semear o entendimento para se colher a bela flor da harmonia.

Que o futebol dê o pontapé inicial.

Veja mais em: Torcida do Corinthians.

Coluna do Walter Falceta

Por Walter Falceta

Walter Falceta Jr. é paulistano, jornalista, neto de Michelle Antonio Falcetta, pintor e músico do Bom Retiro que aderiu ao Time do Povo em 1910. É membro do Núcleo de Estudos do Corinthians (NECO).

O que você achou do post do Walter Falceta?

  • Comentários mais curtidos

    Foto do perfil de Glauberto

    Glauberto 3 comentários

    por @glauberto.gabriel

    Quando nós pararmos de agir como animais e sim como humanos.

  • Foto do perfil de Corintiano

    Ranking: 150º

    Corintiano 4328 comentários

    por @corintianosp

    Simples mudando as leis ou aplicando-as...

    O Brasil é o pais da bagunça.

  • Últimos comentários

    Foto do perfil de Pizza_Eh_Deiz

    Ranking: 1963º

    Pizza_eh_deiz 645 comentários

    94º. por @didimoco

    Simples, faz como a Inglaterra: ficha os caras que fizeram merda em estádio e proíbe de entrar. Acabaram assim com a violência lá. Agora, aqui, vira e mexe você vê os maluco de Oruro voltando a fazer merda e nada...

  • Foto do perfil de cleber

    Ranking: 2809º

    Cleber 446 comentários

    93º. por @cleber.z

    Eu sou a favor da torcida única!
    Pode não resolver 100% das confusões, mas se elas acontecerem todos estarão cientes que não era para um torcedor rival estar ali, ele foi porque quis!
    Se for entre torcedores do mesmo clube, então quer dizer que deveria existir um policial para cada torcedor? Acho que a polícia tem coisa mais importante pra fazer do que ficar de babá de marmanjo, sendo que nem é a função dela tomar conta de torcidas!
    Se não consegue conviver sem arranjar confusão fique em casa!

  • Foto do perfil de Gustavo

    Ranking: 1473º

    Gustavo 822 comentários

    92º. por @gustavo.vieira.amadi

    A violência jamais acabará por completo. Para com essa utopia. "Acabar de vez"? Não vai acabar nunca! Você pode reduzir drasticamente, acabar completamente não dá.
    Para com essa coisa esquerdista de ficar falando da polícia, que ela é o problema, ou chama o superman da próxima vez que precisar de socorro.
    Leis são convenções criadas (com o objetivo de) para proteger a sociedade daqueles que desejam lesar os outros, seja física, seja materialmente, seja da forma que for.
    Aposto que você é a favor da lei que convém, aquela que protege você, ou alguém que você gosta.
    Se um filho seu, ou qualquer pessoa de sua família, amigo, qualquer pessoa de quem você gosta... For assassinado por um membro de torcida, simplesmente porque estava uniformizado como torcedor de outro clube, você vai pedir para que a pessoa vá aprender a grafitar? Ou fazer origami? Plantar árvores?
    Cara, as leis e o estado deveriam servir para proteger cidadãos bons dos não bons. O problema são os demagogos, como você.

  • Foto do perfil de Sérgio

    Ranking: 67º

    Sérgio 7377 comentários

    91º. por @sergio.ohno

    Belo exemplo da organizada colombiana que enxerga o problema social do país e tenta propor soluções atreladas à paixão pelo futebol. Imaginem o que seria ver um dia a Fiel chegar neste mesmo nível, aproveitando a paixão de uma Nação em prol daqueles que mais precisam. Vemos o clube timidamente promover ações sociais em prol de famílias carentes mas totalmente desassociada do apoio dos nossos mais de 30 milhões de torcedores. Temos esta imensa torcida que representa nossa sociedade, consequentemente com muitos problemas, inclusive até preconceito entre aqueles que se acham melhores torcedores do que outros, aqueles que rotulam todos os torcedores organizados como bandidos e, vive-versa, todos os que não são como modinhas. Esquecem que a verdade nunca está num dos lados mas sempre no centro, e que é a união que faz a força. Juntos, poderíamos fazer muito mais diferença, inclusive, na questão da violência no futebol.

  • Foto do perfil de Diogo

    Ranking: 8794º

    Diogo 101 comentários

    90º. por @diogo.renan

    O lixo não sabe conviver em sociedade, não enfia na cabeça que em um jogo para haver vitória é preciso que alguém seja derrotado, não aceita opinião contrária, quer caçoar e não ser caçoado, enfim... Hipocrisia é mato..
    Aí os animais se estranham e a culpa é da polícia que não é tolerante com esses pseudo adultos? Nunca tomei paulada da policia não, porque sou civilizado, e não me meto no meio de marginal pra não ser tratado como tal.

  • Foto do perfil de Gerônimo

    Ranking: 6808º

    Gerônimo 149 comentários

    89º. por @gero87

    Acredito que n exista apenas uma coisa que vai magicamente acabar com a violência nos estádios. A impunidade, na minha visão é o maior 'incentivador' dessa prática. A conivência dos clubes perante as torcidas (bandidos) organizadas que vão ao estádio pra brigar, as vezes entre si, não sei porque fazem isso. E o principal, a ideia dos torcedores atuais de que aquele n torce para o seu time é inimigo e deve apanhar ou morrer.

  • Foto do perfil de ETERNO6X1

    Ranking: 575º

    Eterno6x1 1734 comentários

    88º. por @maiorino

    Não são torcedores e muito menos amantes do esporte. São bandidos e devem ser tratados como tal no rigor da lei, que infelizmente em nosso país, foi feita para dar guarida a marginais.

  • Foto do perfil de nilson

    Ranking: 247º

    Nilson 3196 comentários

    87º. por @nilsonjp

    Pura e simplesmente, cobrando prejuizos causados e punindo os desordeiros, e não os clubes!

  • Foto do perfil de paulo

    Ranking: 7698º

    Paulo 125 comentários

    86º. por @paulo.gomes9

    Com todo respeito ao jornalista, tudo isso é besteira, eu ouço ou leio esse tipo de "ideia" e nunca vi nada mudar! A violência no futebol, a violência contra a mulher, a violência no trânsito ou qualquer violência que ocorre neste país tem como principal motivo a não punição exemplar dos criminosos, afinal, se você é um criminoso e sabe que não ficará muito tempo na cadeia(se chegar a ser preso, claro), sabe que terá várias benesses(direito a advogado, alimentação garantida, obrigação nenhuma de trabalhar, visita íntima, saidinha, família indenizada, etc...). Resumindo, neste país, o principal motivo para a violência se chama IMPUNIDADE!

  • Foto do perfil de Luciano

    Ranking: 2327º

    Luciano 546 comentários

    85º. por @luciano.almeida.camp

    Se as leis fossem mais rígidas e a comoção pública mais incisiva no que tange a crucificar QQ tipo de violência ligado ao esporte, talvez diminuiria muito.
    Acabar acho difícil, pois estamos lidando com algo emocional e a irracionalidade caminha ao lado de atitudes sem sentido e sem razão.