E assim se passaram 10 anos

Walter Falceta

Walter Falceta Jr. é paulistano, jornalista, neto de Michelle Antonio Falcetta, pintor e músico do Bom Retiro que aderiu ao Time do Povo em 1910. É membro do Núcleo de Estudos do Corinthians (NECO).

ver detalhes

E assim se passaram 10 anos

Coluna do Walter Falceta

Opinião de Walter Falceta

1.3 mil visualizações 19 comentários Comunicar erro

E assim se passaram 10 anos

Uma década na história de um gigante

Foto: Arte

Cara leitora, caro leitor,

Eu me recordo muito bem daquele 2 de Dezembro de 2007. Havia o sufoco, o gosto amargo da derrota sofrida em casa para o Vasco. Lembra? Um temor, mas também a esperança. E assim o meu almoço desceu torto e ácido.

Eu e o Lucca, meu filho, grudamos na tela da TV. O Grêmio, afinal, não tinha motivos para nos opor ferrenha resistência. Mas veio o gol gaúcho, de Jonas, e o coração pulou estranho no peito.

Depois, Clodoaldo empatou. Em Goiânia, o teatro se via armado, com o clube do DVD garantindo o triunfo do Goiás.

O tempo correu doido e injusto, uma tentativa final, arremate para fora... Logo depois, o apito cortante do árbitro. Aqui, choramos de montão, e confesso que quebrei uma cadeira no quintal. Lá na arquibancada do Olímpico, entretanto, vimos a cartolina com uma inscrição em caneta azul: "eu nunca vou te abandonar".

Foi um dia de muitas tristezas, e me ficou na memória, sobretudo, a lágrima feminina. Lembro do pranto duro da Larissa Beppler Santiago, entre outras irmãs que lastimaram a queda.

E o destino nos aplicou outro duro golpe no ano seguinte, quando o árbitro maldito apitou vergonhosamente em favor do Sport, na final da Copa do Brasil.

Recordo como a torcida foi mais fiel naqueles tempos. Carregamos o time nos ombros na Série B. E nunca vi tanta gente chorando quanto ao fim daquele jogo contra o Ceará, no Pacaembu, em que subimos de volta à Série A.

Por um momento, deixei o Lucca e o afilhado Rafael Forcione para acudir um rapaz e a namorada que, de cócoras, choravam copiosamente ao pé da escada do setor laranja. Abraçaram-me, anônimos. Soltaram o grito de dor para dar lugar ao júbilo no coração.

De lá para cá, não parece, mas a torcida amadureceu. Aprendeu a ser paciente, a compreender a importância da defesa, a reviver o corinthianismo de raiz.

De 2007 para cá, parte da torcida recuperou o ethos de 1910 e a mística de 1982. A partir da algia do rebaixamento, revivemos o corinthianismo.

Surgiu o Núcleo de Estudos do Corinthians (NECO), fundado pelo Rafael Castilho; o batuta Movimento Toda Poderosa Corinthiana (MTPC), das companheiras torcedoras; e o Coletivo Democracia Corinthiana (CDC), que faz um trabalho bacana, educacional, especialmente na reinclusão de jovens em conflito com a lei.

Nestes dez anos, o Corinthians da bola desenvolveu uma nova filosofia de jogo, que privilegia a lógica. Primeiro não tomar gol; depois, fazê-los. Com Mano, Tite e Carille, triunfamos pensando assim, colocando em prática essa inteligência operativa.

Vejam só... Ganhamos três brasileirões, uma Libertadores invictos, mais um Mundial, uma Recopa, uma Copa do Brasil, além de três Paulistões. E quando a coisa ficou difícil, a torcida carregou o time nos braços, de novo, oferecendo a bronca e o carinho, como no treino que antecedeu o jogo contra o Palmeiras, neste Brasileiro de 2017.

Nestes tempos, muita coisa aconteceu, no Brasil e no mundo. Foram invenções, tragédias, avanços, calamidades, razões para a lágrima, motivos para o sorriso largo. O bem e o mal se sucederam, na minha vida, na sua vida. E a gente continuou na luta, sem desistir.

Há um balanço possível: aprendemos muito nestes anos, nos transformamos, porque, honrando o filósofo Heráclito, o mesmo ser nunca se banha duas vezes no mesmo rio.

Neste tempo vertiginoso, apurou-se o senso crítico. E sabemos quem está ao lado do pioneiro Battaglia, sempre na fé e na partilha, e quem está perdido pelo caminho.

Ainda falta muito, porque, como dizia o escritor uruguaio Eduardo Galeano, a utopia se distancia a cada passo que completamos em sua direção. Porém, foram dez anos de uma jornada maravilhosa, pedagógica, passos firmes, sempre em frente. E você sabe a glória de estar nesta massa.

O sonho inspirado pelo Cometa Halley, lá no querido Bom Retiro, se define pelo movimento. Então, se queremos processar o conceito, convém repetir: "vai, Corinthians!"

Abraço fraterno a você, corinthiana, corinthiano!

Veja mais em: Fatos marcantes.

Coluna do Walter Falceta

Por Walter Falceta

Walter Falceta Jr. é paulistano, jornalista, neto de Michelle Antonio Falcetta, pintor e músico do Bom Retiro que aderiu ao Time do Povo em 1910. É membro do Núcleo de Estudos do Corinthians (NECO).

O que você achou do post do Walter Falceta?