Com sede em casa de vascaíno, ‘partido’ do Corinthians pode ser processado pelo clube

Com sede em casa de vascaíno, ‘partido’ do Corinthians pode ser processado pelo clube

Por Meu Timão

4.2 mil visualizações 48 comentários Comunicar erro

O deputado federal e superintende de futebol do Timão, Andrés Sanchez, criticou a criação do Partido Nacional Corinthiano

O deputado federal e superintende de futebol do Timão, Andrés Sanchez, criticou a criação do Partido Nacional Corinthiano

Rodrigo Coca / Agência Corinthians

O clube do Parque São Jorge se manifestou pela primeira vez após a criação do Partido Nacional Corinthiano. Protocolada pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral) na última quarta-feira (19), a legenda ganhou a resistência de Andrés Sanchez, ex-presidente e atual superintendente de futebol da equipe.

“Sou totalmente contra (a criação do PNC). Já tem partido demais nesse país. Isso não existe, deve ser brincadeira de mau gosto. A parte jurídica do Corinthians vai pensar se entra ou não com uma ação. O Corinthians é uma marca patenteada. Não pode isso”, explicou Sanchez, que também mantém cargo de deputado federal (PT), ao portal Superesportes.com.br.

Como manda a lei, os partidos políticos devem ter suas sedes em Brasília, no Distrito Federal. Diante do impasse, o presidente Juan Antonio Grangeiro, morador de Ubatuba, decidiu utilizar a residência de Wiris Arantes, localizada no Setor P Sul de Ceilândia. Segundo a publicação, o endereço é ocupado por William Arantes Filho, sobrinho de Wiris e torcedor do Vasco.

Questionado sobre a “manobra” para driblar a lei, Grangeiro explicou a situação. “Também temos sede em Ceilândia, DF, mas nossa sede administrativa fica aqui em Ubatuba”, revelou. Ele ainda confirmou que a residência de Wiris Arantes está registrada na documentação entregue ao TSE. “É de um conhecido nosso. Mas eu prefiro não te falar o nome por uma gentileza com ele”, acrescentou.

De acordo com o tribunal, uma equipe técnica fará uma análise completa da documentação entregue pelos integrantes do PNC e a repassará ao ministro Henrique Neves, que será responsável por verificar as exigências legais. O objetivo do grupo “corinthiano” é regularizar a situação eleitoral até 2017, obtendo assim a permissão para disputar as eleições de 2018.

Veja Mais:

  • Resta apenas o acerto dos jogadores com seus novos clubes para selar o negócio

    Corinthians e Atlético-MG se acertam por troca de atacantes; jogadores aceitam conversar

    ver detalhes
  • Uendel pode acertar retorno para o Corinthians em breve

    Empresário confirma que Corinthians deve acertar retorno de Uendel em janeiro

    ver detalhes
  • Ramiro assinou com o Corinthians nesta quinta-feira e é o quinto reforço para 2019

    Novo reforço do Corinthians, Ramiro se aproxima de Jadson e Luan em estatísticas do Brasileirão

    ver detalhes
  • Corinthians jogou boa parte da temporada sem estampa no espaço principal do uniforme

    Otimismo do Corinthians com patrocínio contrasta com fracasso inédito desde era Kalunga

    ver detalhes

Comente a notícia:

  • 1000 caracteres restantes