Balbuena agradece Romero por ajuda em adaptação no Brasil

Balbuena agradece Romero por ajuda em adaptação no Brasil

Por Lucas Mariano

Balbuena disse que adaptação ficou mais fácil graças a ajuda do compatriota

Balbuena disse que adaptação ficou mais fácil graças a ajuda do compatriota

Foto: Daniel Augusto Jr/Ag. Corinthians

Último reforço do Corinthians para a temporada, Fabián Balbuena chegou ao time no meio de fevereiro e em pouco tempo mostrou um bom futebol. Sentido-se cada vez mais adaptado ao Brasil, o paraguaio fez questão de agradecer a ajuda do compatriota Romero, que o ajudou a se sentir em casa mais rápido.

“Desde que eu cheguei , ele está me ajudando, me passando dicas de como é o CT, como são os treinos, como é a cidade. A gente sai do treino, fica fazendo passeios com a família também. Ele sempre está me aconselhando. Ele está me ajudando muito e sempre vou estar agradecido com ele porque são pequenos detalhes que estão me ajudando muito. Muito mais fácil do que chegar sozinho, sem conhecer nada”, explicou o zagueiro, que garantiu a vitória do Corinthians sobre a Ponte nesta quarta-feira marcando o segundo gol do jogo e o seu segundo gol com a camisa alvinegra.

Balbuena falou em espanhol com os jornalistas no CT Joaquim Grava em sua apresentação oficial, no dia 19 de fevereiro, porém nas entrevistas seguintes revelou conhecer o português. Mesmo sem nunca ter morado no Brasil, ele voltou a comentar sobre a familiaridade com a língua.

“Eu morava na fronteira do brasil. A gente ouvia muito o português. Estava perto de Foz do Iguaçu. Morei lá quase 20 anos, assistindo desenhos animados, filmes, jogos. São palavras similares, só algumas variações quanto à pronúncia, mas é a primeira vez que estou pondo em prática, mas sempre entendi. Ele (Romero) está ajudando, então graças a ele também estou me saindo bem”, acrescentou.

Já para Romero a situação não foi tão fácil. Vivendo boa base, o artilheiro do Corinthians na temporada não era familiarizado com o português, teve mais dificuldades ao chegar ao clube e, inclusive, foi alvo de brincadeiras dos companheiros.

“O começo foi difícil para mim, não entendia nada. Nunca falei nem escutei português, mas vai fazer dois anos que estou aqui e preciso aprender, mas ainda não aprendi. Não vou falar o que eles (outros jogadores) falam pra mim porque vocês imaginam o que eles me ensinam (risos)”, comentou o atacante, em tom descontraído na entrevista coletiva desta quinta-feira.

Veja Mais:

  • Oswaldo defendeu utilização da cor verde em homenagem à Chapecoense

    Oswaldo comenta tragédia da Chapecoense e é mais um a defender cor verde no Corinthians

    ver detalhes
  • Sala de cabines de TV da Arena passa a ser chamada Lilácio Pereira Jr.

    Corinthians batiza sala de transmissões da Arena em tributo a vítima de acidente

    ver detalhes
  • Golaço de Marlone sobre Cobresal rendeu a ele indicação ao Puskás

    Marlone supera Messi e Neymar e vai à final do Prêmio Puskás da Fifa

    ver detalhes
  • Luidy (boné) conheceu o CT Joaquim Grava na última quinta-feira

    Contratação do Corinthians vai ao CT pela primeira vez

    ver detalhes

Comente a notícia:

  • 1000 caracteres restantes