Diretoria elogia, mas não garante Oswaldo no Corinthians em 2017

Diretoria elogia, mas não garante Oswaldo no Corinthians em 2017

Por Meu Timão

67 mil visualizações 362 comentários Comunicar erro

Alessandro (à esq.) não cravou continuidade do trabalho de Oswaldo de Oliveira

Alessandro (à esq.) não cravou continuidade do trabalho de Oswaldo de Oliveira

Foto: Daniel Augusto Jr/Ag. Corinthians

Apontado como um dos culpados pela má fase do Corinthians, Oswaldo de Oliveira pode não permanecer no cargo para a próxima temporada. Em entrevista à Rádio Transamérica, Alessandro Nunes, gerente de futebol do clube, elogiou o trabalho conduzido pelo sucessor de Fábio Carille, mas evitou cravar a continuação do mesmo.

“Não é uma resposta que precisa ser dada nesse momento. Eu, Alessandro, gerente de futebol do Corinthians, acredito no potencial não só do Oswaldo, mas de todo o corpo técnico que está no clube. Eu preciso avaliar o que está sendo feito aqui. Se isso não está sendo transformado em resultados, tenho que ter convicção do trabalho do dia a dia. Eu respondo pelo que tenho visto, pelo que tenho acompanhado. Eu confio demais no trabalho do Oswaldo, espero que ele possa evoluir junto com os atletas aqui, que os atletas entendam que cada treinador tem uma ideia de trabalho, e nós precisamos nos adaptar a ela”, declarou Alessandro.

Anunciado em 14 de outubro, Oswaldo comandou o Timão em seis partidas, umas delas pela Copa do Brasil: venceu uma, empatou três e perdeu duas. As criticadas ao ex-treinador do Sport se acentuaram na noite dessa quarta-feira, quando a equipe paulista cedeu o empate por 1 a 1 para o Figueirense já nos acréscimos.

Questionado a respeito do desempenho do time alvinegro em Florianópolis, Alessandro elogiou o sistema defensivo, formado apenas por jogadores oriundos das categorias de base do clube, mas reconheceu que falta criatividade do meio de campo para frente.

“Tivemos dois terços do jogo, um defensivamente muito bom e outro ofensivamente não tão bom assim. Não é defesa. Mas na parte terminal do jogo, você precisa ter esse entrosamento, e ainda não alcançamos isso. Ontem o Lucca teve que jogar numa função que não é a dele, teve que jogar como 9, tivemos Romero na seleção (paraguaia) e Guilherme, que vinha fazendo bem essa função, fora. Ontem tivemos um posicionamento defensivamente muito importante, vale lembrar sim”.

“Defensivamente, ele (Corinthians) esteve bem em todos os aspectos. O Corinthians pode dar mais, ele precisa dar mais, nós todos sabemos que temos condições de sermos melhores. Esse é o nosso desafio. Não podemos cravar que fizemos uma excelente partida, gostaríamos de dizer o contrário”, finalizou.

Veja mais em: Oswaldo de Oliveira.

Veja Mais:

  • Antonio Roque Citadini quase não concorreu na eleição de fevereiro

    Citadini lamenta sobre eleição no Corinthians: 'Essa campanha sangrenta me tirou as chances'

    ver detalhes
  • Jean (ao centro) deve sair; lateral Romão também não convenceu comissão técnica

    Entenda por que diretoria do Corinthians ainda não se desfez de jogadores 'encostados' do elenco

    ver detalhes
  • Matheus Matias (à esq.) foi assunto na entrevista coletiva do diretor adjunto Duílio Monteiro

    Corinthians confirma porcentagem adquirida de Matheus e alerta: 'Tendência é ir devagar'

    ver detalhes
  • Mauro da Silva (auxiliar), Duílio Monteiro Alves (diretor-adjunto de futebol) e Alessandro (gerente) durante um dos treinos no CT

    Diretoria assume dificuldade por um 9: 'Futebol na América do Sul pagando salários de Europa'

    ver detalhes

Comente a notícia:

  • 1000 caracteres restantes