Roberto de Andrade 'projeta' possível saída do Corinthians e vê impeachment como golpe

5.7 mil visualizações 116 comentários

Por Meu Timão

Roberto de Andrade descartou a possibilidade de renúncia

Roberto de Andrade descartou a possibilidade de renúncia

Daniel Augusto Jr/Ag. Corinthians

Sob risco de destituição do cargo, o presidente Roberto de Andrade lida com intensa pressão até a próxima segunda-feira, data definida para reunião do Conselho Deliberativo do clube. Não bastasse a imposição interna, o mandatário também convive com enorme reprovação por parte da torcida, em virtude da atual crise política do Timão e que reflete diretamente nos gramados.

Apontado por assinar documentos como presidente do Corinthians em datas onde o mandato ainda não estava em vigência, Roberto de Andrade possui acusação desde novembro. Agora na reta final do processo administrado pelos conselheiros do clube, o mandatário revelou sua atual situação diante do fato.

"Eu fico apreensivo, sem sombra de dúvida. Mas se acontecer de eu sofrer o impeachment, vou para casa e recomeçarei minha vida no dia seguinte. Já o Corinthians terá sua vida muito prejudicada com uma decisão como essa", declarou Roberto de Andrade em entrevista ao Yahoo Esportes.

Destacando a inocência, Roberto de Andrade atribuiu o pedido de impeachment à oposição dentro do clube. Para o presidente, a enorme ambição pelo cargo impulsionou o processo. "Tenho certeza de que é [golpe político]. A Comissão de Ética já mostrou que não cometi crime nenhum. O problema é que no Corinthians todo mundo quer o poder. O clube está há quatro meses parado por causa dessa agitação. É coisa de um bando de oportunistas", complementou.

Determinado em não praticar a renúncia do cargo, Roberto de Andrade resistirá na função, aguardando a definição por votos. Consciente de falhas desde o início da gestão - em fevereiro 2015 - o presidente reiterou o desgaste pelo atual quadro, negando qualquer ação proibida no estatuto do clube.

"É óbvio que cometi erros, como todo mundo que assume um clube como o Corinthians. Mas não foi nada de propósito ou pensado para prejudicar o clube. Se eu tivesse roubado, concordaria com o impeachment, mas não tem absolutamente nada ilegal. Não vou renunciar. Se fosse para fazer isso, já teria tomado a decisão há muito tempo e não sofreria com todo esse desgaste", finalizou.

Sendo assim, na possibilidade de desfecho negativo a Roberto de Andrade na próxima segunda-feira, André Luiz de Oliveira, o André Negão, vice-presidente corinthiano, assume o cargo. Na sequência, a assembleia definitiva para o impeachment ocorre de 30 a 60 dias, definindo então o futuro da diretoria alvinegra.

Veja mais em: Roberto de Andrade, Diretoria do Corinthians e Impeachment.

Veja Mais:

  • Vitinho pode ser uma das novidades do Corinthians para este domingo

    Corinthians pode ter até quatro mudanças na equipe titular em relação ao Majestoso; veja detalhes

    ver detalhes
  • Corinthians enfrenta o Internacional neste domingo

    Confira as três opções para assistir ao duelo entre Corinthians e Internacional neste domingo

    ver detalhes
  • Corinthians visita o Internacional em jogo importante do Brasileirão neste domingo

    Corinthians visita o Internacional para ganhar posição na tabela do Brasileirão; saiba tudo

    ver detalhes
  • Sornoza durante o aquecimento da partida deste sábado

    Sornoza sofre entrada dura em jogo do Del Valle e tem até perda de memória recente; veja o lance

    ver detalhes
  • Gustavo Mosquito é o favorito da torcida para ser titular em Internacional e Corinthians

    Mosquito é o preferido da torcida do Corinthians para assumir vaga de Willian; veja enquete

    ver detalhes
  • Clássico entre Corinthians e Flamengo apareceu na lista do jornal "As" dos maiores do mundo

    Jornal espanhol lista clássico entre Corinthians e Flamengo como um dos maiores do mundo

    ver detalhes

Últimas notícias do Corinthians

Comente a notícia:

x