Roberto de Andrade 'projeta' possível saída do Corinthians e vê impeachment como golpe

5.7 mil visualizações 116 comentários

Por Meu Timão

Roberto de Andrade descartou a possibilidade de renúncia

Roberto de Andrade descartou a possibilidade de renúncia

Daniel Augusto Jr/Ag. Corinthians

Sob risco de destituição do cargo, o presidente Roberto de Andrade lida com intensa pressão até a próxima segunda-feira, data definida para reunião do Conselho Deliberativo do clube. Não bastasse a imposição interna, o mandatário também convive com enorme reprovação por parte da torcida, em virtude da atual crise política do Timão e que reflete diretamente nos gramados.

Apontado por assinar documentos como presidente do Corinthians em datas onde o mandato ainda não estava em vigência, Roberto de Andrade possui acusação desde novembro. Agora na reta final do processo administrado pelos conselheiros do clube, o mandatário revelou sua atual situação diante do fato.

"Eu fico apreensivo, sem sombra de dúvida. Mas se acontecer de eu sofrer o impeachment, vou para casa e recomeçarei minha vida no dia seguinte. Já o Corinthians terá sua vida muito prejudicada com uma decisão como essa", declarou Roberto de Andrade em entrevista ao Yahoo Esportes.

Destacando a inocência, Roberto de Andrade atribuiu o pedido de impeachment à oposição dentro do clube. Para o presidente, a enorme ambição pelo cargo impulsionou o processo. "Tenho certeza de que é [golpe político]. A Comissão de Ética já mostrou que não cometi crime nenhum. O problema é que no Corinthians todo mundo quer o poder. O clube está há quatro meses parado por causa dessa agitação. É coisa de um bando de oportunistas", complementou.

Determinado em não praticar a renúncia do cargo, Roberto de Andrade resistirá na função, aguardando a definição por votos. Consciente de falhas desde o início da gestão - em fevereiro 2015 - o presidente reiterou o desgaste pelo atual quadro, negando qualquer ação proibida no estatuto do clube.

"É óbvio que cometi erros, como todo mundo que assume um clube como o Corinthians. Mas não foi nada de propósito ou pensado para prejudicar o clube. Se eu tivesse roubado, concordaria com o impeachment, mas não tem absolutamente nada ilegal. Não vou renunciar. Se fosse para fazer isso, já teria tomado a decisão há muito tempo e não sofreria com todo esse desgaste", finalizou.

Sendo assim, na possibilidade de desfecho negativo a Roberto de Andrade na próxima segunda-feira, André Luiz de Oliveira, o André Negão, vice-presidente corinthiano, assume o cargo. Na sequência, a assembleia definitiva para o impeachment ocorre de 30 a 60 dias, definindo então o futuro da diretoria alvinegra.

Veja mais em: Roberto de Andrade, Diretoria do Corinthians e Impeachment.

Veja Mais:

  • Araos voltando pro Chile? | Fábio Santos vai pro jogo | Caixão no Parque Sâo Jorge #RMT 20.10.20

    VÍDEO: Araos voltando pro Chile? | Fábio Santos vai pro jogo | Caixão no Parque Sâo Jorge #RMT 20.10.20

    ver detalhes
  • Bruno Méndez fica à disposição e deve voltar a ser titular do Corinthians

    Corinthians faz último treino antes de encarar decisão contra o Vasco; veja possível escalação

    ver detalhes
  • Fábio Santos pode reestrear pelo Corinthians na noite desta quarta-feira

    Fábio Santos é registrado no BID e pode reestrear pelo Corinthians na quarta-feira

    ver detalhes
  • Corinthians acerta contratação de zagueiro para o Sub-20

    Corinthians acerta contratação de zagueiro para o Sub-20

    ver detalhes
  • Ángelo Araos perdeu espaço no Corinthians desde a saída de Tiago Nunes

    Pouco aproveitado no Corinthians, Ángelo Araos recebe sondagem do Colo-Colo, diz rádio chilena

    ver detalhes
  • Janderson recebe sondagens de clubes europeus após boas atuações em seu empréstimo

    Portal italiano coloca Janderson na mira de clubes europeus após bom desempenho no Brasileirão

    ver detalhes

Últimas notícias do Corinthians

Comente a notícia: