Flávio Adauto esclarece confusão com Clayson no duelo contra Botafogo

Flávio Adauto esclarece confusão com Clayson no duelo contra Botafogo

Por Meu Timão

Flávio Adauto explicou a confusão de Clayson com policiais no Rio de Janeiro

Flávio Adauto explicou a confusão de Clayson com policiais no Rio de Janeiro

Foto: Daniel Augusto Jr./Agência Corinthians

Gerente de futebol do Corinthians, Flávio Adauto esclareceu a confusão envolvendo o atacante Clayson, após a derrota de 2 a 1 para o Botafogo desta segunda-feira. O jogador foi detido no JECRIM (Juizado Especial Criminal), na unidade localizada no estádio Nilson Santos, acusado de empurrar policiais do GEPE (Grupamento Especial de Policiamento em Estádios). Porém, de acordo com o dirigente do Timão, a situação não teve "nada demais".

Não foi nada demais, foi alguém querendo chamar um pouquinho de atenção. O Clayson mesmo explicou que empurrou, segurou o braço da pessoa. Um negócio bobo, que não tem a menor importância. E isso desvia a atenção de um jogo onde o Corinthians foi prejudicado”, disse Adauto à Fox Sports, citando um pênalti não marcado pela arbitragem nos minutos finais do confronto diante do Botafogo.

Leia também:
Abatido, Cássio comenta pênalti não marcado e diz: 'Estamos perdendo por detalhes'
Classificação atualizada: Corinthians tropeça de novo e vê ameaça real ao título do Brasileirão
Diferença do Corinthians para o vice cai para seis pontos; é a menor em 15 rodadas

Temos oito jogos para fazer e não vai ser nenhum resultado negativo, nem um incidente envolvendo o Clayson que vai fazer a gente perder o equilíbrio. O Carille está assim, os jogadores estão assim, eles sabem que tem que reagir, e eu tenho quase certeza que vão reagir”, completou o gerente de futebol.

A confusão entre Clayson e policiamento carioca aconteceu logo após o apito final, quando jogadores do Corinthians cercaram a equipe de arbitragem para reclamar de um pênalti não marcado em Jô no último lance da partida. Policiais foram até o local proteger o árbitro Rodrigo Batista. O atacante foi liberado pouco tempo após o incidente.

Foi bobagem, um negócio do cara dizer que pegou o braço, que segurou. A gente viu o policial e ele não conseguia nem explicar o que aconteceu. O Carille ficou lá 'eu vi, não aconteceu nada, nada, nada'. Acho que é um excesso de velo de um futebol sem graça”, finalizou Adauto.

Veja mais em: Flávio Adauto, Clayson e Campeonato Brasileiro.

Veja Mais:

  • Com a 9 corinthiana, Luizão foi artilheiro da Libertadores de 2000, com 15 gols

    Ao Meu Timão, Luizão fala da busca do Corinthians por centroavante: 'Se cavar, acha na Argentina'

    ver detalhes
  • Camacho (à dir.) ganhou oportunidade entre os titulares no treino desta sexta

    Carille esboça time titular com uma troca; chance de mudança no esquema existe

    ver detalhes
  • Emerson Sheik com a camisa do Corinthians em coletiva no CT

    Emerson Sheik é apresentado, diz entender desconfiança e promete dar resposta em campo

    ver detalhes
  • Sheik assinou contrato até o fim de junho

    Emerson Sheik fala sobre contrato de seis meses, aposentadoria e possível renovação com Corinthians

    ver detalhes

Comente a notícia:

  • 1000 caracteres restantes