Corinthians, Odebrecht e mais dois são condenados a devolver R$ 400 milhões por construção da Arena

42 mil visualizações 397 comentários Comunicar erro

Por Meu Timão

Arena Corinthians segue rendendo problemas financeiros ao clube

Arena Corinthians segue rendendo problemas financeiros ao clube

Daniel Augusto Jr/Ag. Corinthians

Nesta quarta-feira, os problemas relacionados à Arena Corinthians ganharam um novo capítulo. Após ação popular, a Justiça Federal do Rio Grande do Sul condenou o clube, a Odeberecht, a Arena Itaquera e Jorge Fontes, ex-presidente da Caixa Econômica Federal, a devolverem R$ 400 milhões para o banco estatal. As informações são do UOL Esporte.

A ação foi ajuizada em 2013, pelo advogado Antônio Pani Beiriz - o mesmo que, em 2012, tentou impedir que a Caixa patrocinasse o Corinthians. O argumento do autor passa pela linha de crédito criada pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), em 2009. Os repasses desse crédito, que gira em torno de R$ 4,8 bilhões para construções e reformas, seriam feitos pelo Banco do Brasil.

Na oportunidade, a Arena Corinthians não foi aprovada, por não apresentar as garantias necessárias. Mesmo diante disso, a Caixa aceitou financiar o estádio, assumindo todos os riscos. Esse acordo seria, para o advogado, prejudicial ao patrimônio público.

Leia também:
Há seis anos, Ralf marcava gol histórico na estreia do Corinthians na Libertadores de 2012
Após ação de Paulo Garcia, Justiça decide apreender computadores usados em eleição do Corinthians
Anemia faz Pedrinho 'sumir' no Corinthians; Carille fala em reintegração 'daqui a pouco'

Além de questionar a decisão do banco, apontando motivações políticas para o acerto, o autor da ação acredita que o Corinthians não é dono do terreno em que o estádio foi construído. O documento ainda cita o empréstimo de R$ 400 milhões a uma empresa que só detinha 1 mil de patrimônio total - a Arena Itaquera S.A.

"Um repasse milionário de dinheiro público, captado por uma empresa privada especialmente criada para este fim e com capital social no valor de R$ 1 mil, embasado em garantias incertas e que beneficiou, além de um time de futebol, uma construtora contratada sem licitação", resume a juíza federal Maria Isabel Pezzi Klein, da 3ª Vara Federal de Porto Alegre.

Do lado dos acusados, o discurso é de que a transação foi completamente regular, tendo todas as garantias previstas. A juíza, no entanto, deixou claro que enxerga as garantias como incertas, visto que dependiam da eficiência ou não da exploração comercial da Arena.

"Ao fim de quatro anos, apenas, pequena parcela do principal foi paga, restando uma imensa dívida impontual, em evidentes prejuízos a CEF. E, é claro, porque estamos falando de recursos públicos federais, a maior prejudicada é, sem dúvida, a União Federal", diz parte do documento.

Veja mais em: Arena Corinthians.

Veja Mais:

  • Corinthians enfrenta o Goiás na noite desta quarta-feira

    Corinthians visita o Goiás para voltar a vencer e se manter no G4 do Brasileiro

    ver detalhes
  • Ralf volta ao plantel do Timão para o jogo desta quarta-feira

    Com três retornos, Corinthians confirma lista de relacionados contra o Goiás; veja provável time

    ver detalhes
  • Corinthians não tomou conhecimento do adversário e garantiu mais um título estadual

    Corinthians goleia Magnus fora de casa e garante título do Campeonato Paulista de Futsal

    ver detalhes
  • Treinador português corre risco de demissão no Monaco

    Possível interesse do Corinthians em técnico do Monaco repercute na Europa

    ver detalhes
  • Arena compete com outros sete estádios pela honraria de sediar a final continental

    Conmebol confirma Arena Corinthians como candidata para sediar final da Libertadores de 2020

    ver detalhes
  • Timão perdeu a primeira pelo NBB

    Corinthians perde para São Paulo em noite de atuação apática na estreia do NBB

    ver detalhes

Últimas notícias do Corinthians

Comente a notícia: