Conheça o quarterback Matheus Torres, arma do Corinthians no clássico contra o Santos

Conheça o quarterback Matheus Torres, arma do Corinthians no clássico contra o Santos

8.5 mil visualizações 36 comentários Comunicar erro

Matheus Torres será titular diante do Santos Tsunami, na estreia do Steamrollers no Paulista

Matheus Torres será titular diante do Santos Tsunami, na estreia do Steamrollers no Paulista

Foto: Larissa Lima/Meu Timão

O Dérbi na Arena Corinthians não será o único clássico disputado pelo Corinthians neste sábado. O Timão enfrentará também o rival Santos, só que por um esporte cuja principal semelhança com o futebol está no nome: o futebol americano. O Corinthians Steamrollers encara o Santos Tsunami no estádio do Canindé, às 14h, em São Paulo, pela estreia na São Paulo Football League (SPFL). E o “camisa 10” (na verdade, #17) do Rolo Compressor aguarda com ansiedade pelo embate.

Em entrevista ao Meu Timão, Matheus Torres, quarterback titular do Steamrollers, projetou a partida contra uma das equipes mais fortes do país no momento. A importância do QB de apenas 22 anos para o time cresceu em 2018. O Steam sofreu com a saída de peças relevantes do fim de 2017 para cá e inicia o Campeonato Paulista em clima de reformulação do elenco.

“Como você falou, como é começo de temporada, provavelmente a gente vai ver muitas coisas que vão se acertar mais pra frente, que ainda estão meio enferrujadas, algumas coisas que estão meio duras, não tão fáceis. Mas acho que tem tudo para ser um bom jogo, temos grandes chances de vitória contra o Santos, que é um time bem tradicional do estado também. A gente tem grandes chances de ganhar, pode acabar jogando bem, mas ainda espero uma ferrugem para soltar o time”, diz o lançador, apelidado de Troy.

Leia também: Conheça os planos do Corinthians para ser expoente do futebol americano no Brasil

A preparação do Steamrollers para o Campeonato Paulista ocorreu no Parque São Jorge, em uma das quadras habitualmente utilizadas pelas categorias de futebol de base do Corinthians – a equipe não possui permissão do clube para jogar ou sequer treinar na Fazendinha. A reportagem do Meu Timão acompanhou o treino da última quarta-feira à noite, comandado pelo coordenador defensivo Daniel Clouston. A entrevista com o treinador será publicada neste sábado pela manhã.

Os ingressos para o jogo no Canindé podem ser adquiridos de forma antecipada pela internet. Os valores vão de R$ 20 a R$ 80 (combo com cinco entradas). Haverá também comercialização de bilhetes no sábado, na bilheteria do estádio. Para comprar com desconto, clique aqui.

Futebol americano vem ganhando espaço no Corinthians

Futebol americano vem ganhando espaço no Corinthians

Larissa Lima/Meu Timão

Conheça Matheus Torres, quarterback titular do Corinthians Steamrollers

Há quanto tempo está no Corinthians?

Há seis anos eu fui resgatado lá do Jabaquara por um dos fundadores do Corinthians, o Paulo Santos, e ele falou: ‘Cara, vamos lá jogar com a gente!’. Eu cheguei aí no começo do ano, o time tinha acabado de ser bicampeão nacional invicto. Eu comecei como recebedor, tinha uns doze na minha frente ainda e falei: ‘Vou ter de batalhar pra conseguir um espaço pra pelo menos conseguir jogar’. Trabalhei pra caramba e meu técnico conseguiu uma vaga de titular para mim. Foi assim que começou minha história aqui no Corinthians.

E no futebol americano, como você começou a jogar?

O meu irmão me ensinou as regras básicas pelo videogame mesmo e aí apareceu na escola, no fundamental ainda, apareceu uma bola de futebol americano na quadra lá. Tinha um cara lançando, falei: ‘Pô, me ensina a lançar também’. Fui aprendendo, começamos a jogar, foi se formando um grupinho na escola para jogar nos intervalos. No final arranjei um time mesmo, de flag, que tinha acabado de começar (São Paulo Black Devil). Perguntei como é que funcionava, me disseram que era só aparecer. Apareci e desde então comecei a treinar, lá no Parque do Ibirapuera ainda.

Como está a preparação de vocês para a estreia?

A rivalidade dos dois times é grande embora não seja das maiores de São Paulo. Tem um histórico grande já, já teve até jogo na Vila Belmiro, do aniversário do Corinthians Steamrollers. Essa preparação que estamos fazendo é um pouco mais complicada porque a gente está passando por uma reestruturação de time, está começando a montar uma identidade, então ainda é muito difícil, tem muito ajuste. O time ainda está pegando no embalo. Pelo que vi nos últimos treinos, o time já está começando a pegar o próprio ritmo e isso vai acabar dificultando bastante pros adversários.

Qual a principal dificuldade de quem decide jogar futebol americano?

Tem um pessoal ainda chegando muito cru aqui, então, embora a gente tenha uma categoria de base, como o esporte não está inserido na cultura do brasileiro, é muito difícil você já ver alguém que tenha um entendimento maior. Muitas das pessoas que começam na base ou, eventualmente, que acabam subindo para o time principal, ainda têm muito a aprender. Precisa pegar muita experiência de jogo ainda. Mas é cultural. Acho que essa é a maior dificuldade hoje ainda.

O que você tem a dizer àqueles que veem futebol americano de longe mas que não sabem como se tornar atleta de futebol americano?

Meu recado é: façam como eu e se possível já comecem desde cedo, procurem conhecer o esporte, foi uma das melhores coisas que fiz na minha vida, conhecer o futebol americano. Tirando meu irmão, que sabia só um pouco ainda, não tinha ninguém pra me auxiliar. Hoje já tem uma base muito melhor para ensino, já tem transmissões na televisão de jogos da liga principal americana, que é a NFL, já tem vários jogos mesmo aqui, nacionais, que são transmitidos pela internet. Então hoje tem muito mais meios para você conhecer o esporte e muitos mais praticantes do que na época em que eu comecei até. Quem gosta, quem se identifica com o esporte, hoje não está mais tão difícil você encontrar, você ir atrás. Se você tem vontade de praticar, existem inúmeros times que têm base pra aprender o esporte, independente da idade, do seu porte físico – o futebol americano é um dos esportes americanos mais democráticos que existem em relação a isso. Esse é meu conselho: vem treinar que você vai acabar se apaixonando que nem eu.

Matheus Troy atendeu à reportagem às vésperas do clássico diante do Santos

Matheus 'Troy' atendeu à reportagem às vésperas do clássico diante do Santos

Larissa Lima/Meu Timão

Veja mais em: Corinthians Steamrollers, Corinthians x Santos e Especiais do Meu Timão.

Veja Mais:

  • Em baixa na Alemanha, Jonathas volta à pauta do Corinthians, que busca empréstimo

    Corinthians volta a ter interesse no centroavante Jonathas

    ver detalhes
  • Gabriel e Guilherme conversaram com o Meu Timão no Parque São Jorge

    Mãe vira-casaca, sonho inglês e até 10 a 0 na Croácia: conheça os gêmeos do Sub-17 do Corinthians

    ver detalhes
  • Rio, Maceió e até Califórnia: jogadores do Corinthians curtem 'férias forçadas'; veja destinos

    Rio, Maceió e até Califórnia: jogadores do Corinthians curtem 'férias forçadas'; veja destinos

    ver detalhes
  • Lateral do Corinthians, Fagner será titular contra a Costa Rica

    Fagner ganha chance e será titular da Seleção Brasileira contra a Costa Rica

    ver detalhes

Comente a notícia:

  • 1000 caracteres restantes