Corinthians estuda corte de funcionários para diminuir déficit; clube não quer vender jogadores

Corinthians estuda corte de funcionários para diminuir déficit; clube não quer vender jogadores

Por Meu Timão

4.2 mil visualizações 112 comentários Comunicar erro

Departamento Financeiro do Corinthians busca soluções para números negativos do último b

Departamento Financeiro do Corinthians busca soluções para números negativos do último b

Foto: Agência Corinthians

Há pouco mais de duas semanas, o Corinthians divulgou o balanço financeiro de 2017. O resultado não é positivo: o déficit foi de R$ 35 milhões. À frente do departamento financeiro desde fevereiro, quando Andrés Sanchez assumiu a presidência, Wesley Melo traça estratégias para diminuir esse prejuízo. Apesar de importante, a venda de jogadores não é tratada como 'plano A'.

"A gente espera conseguir manter esses jogadores e que haja novas receitas. Eu seria hipócrita se dissesse que venda de jogador não é importante para fechar conta. Historicamente, é. Tem sido. Mais de 20% das receitas do ano passado foram de vendas. De qualquer forma, isso vai acabar acontecendo. O Jô já foi vendido neste ano. Mas o Corinthians também está muito atrativo, é campeão, tem estrutura, jogadores querem vir para o clube, e não sair. O próprio Balbuena é um caso. Ele queria ficar, e a gente conseguiu fazer uma proposta para ele ficar", afirmou, em entrevista ao GloboEsporte.com.

"Não existe obrigação de vender, não seria justo com o Carille tratar o jogador como mercadoria, uma hora o técnico tem, na outra, não", completou.

Leia também:
1 em 30 milhões: corinthiano invadiu Pacaembu e arrancou grama campeã da Liberta com faca de marmita
Tour da Arena Corinthians anuncia promoções para este mês de Maio

Enquanto o plantel alvinegro não deve ser motivo de baixas para oxigenar os caixas do clube, outras áreas não estão livres de futuros cortes. Segundo o diretor, um levantamento inicial revelou mais de mil funcionários ligados ao Corinthians.

"Acredito mais numa ação efetiva de corte de custos e busca por receitas. O clube é muito grande, são mais de 700 funcionários. Se somarmos pessoas jurídicas, dá mais de mil. Pretendemos ter uma análise de cargos e salários para buscar redução. Vivemos momento delicado, se não dá para contar com ações de fora, o que está na nossa mão é preciso fazer. De maneira inteligente, obviamente", disse.

Além da extensa folha salarial, também pesou para o déficit de 2017 o fato do clube não ter um patrocinador máster e ter de arcar com parte do pagamento da Arena, como explica Wesley Melo: "Aumento de custo e queda de receitas. Não tivemos um patrocinador máster, as luvas pela assinatura do contrato de TV não se repetiram, e também tem a questão da arena. Tivemos que assumir custos de aproximadamente R$ 25 milhões com a arena em 2016 e 2017. A junção desses fatores explica 95% desse déficit".

Veja mais em: Diretoria do Corinthians.

Veja Mais:

  • Corinthians e Chapecoense voltam a se enfrentar, desta vez pela Copa do Brasil

    TV Globo transmite para dois estados jogo decisivo entre Corinthians e Chapecoense

    ver detalhes
  • Placas publicitárias da Arena Corinthians renderão ao menos R$ 12 milhões por ano

    Corinthians fecha acordo independente de R$ 12 milhões pelas placas publicitárias da Arena

    ver detalhes
  • João Celeri assinou contrato com o Corinthians

    Após desistir de Juninho, Corinthians contrata atacante do Botafogo para Sub-20

    ver detalhes
  • Romero marcou o único gol da partida de ida; Timão tem vantagem mínima por vaga nas semifinais

    Corinthians tenta afastar crise e se classificar às semifinais da Copa do Brasil; saiba tudo

    ver detalhes

Comente a notícia:

  • 1000 caracteres restantes