Análise: Corinthians faz grande primeiro tempo, mas sente cansaço na etapa final contra o América-MG

Análise: Corinthians faz grande primeiro tempo, mas sente cansaço na etapa final contra o América-MG

Por João Pedro Izzo

7.4 mil visualizações 41 comentários Comunicar erro

Jair Ventura vem implementando sua ideia de jogo no Corinthians

Jair Ventura vem implementando sua ideia de jogo no Corinthians

Foto: Rodrigo Gazzanel/Ag. Corinthians

Após grande classificação para a final da Copa do Brasil, Jair Ventura e Corinthians tiveram embate neste sábado diante do América-MG, pelo Brasileirão. Com o desgaste de alguns atletas, o treinador poupou jogadores e, apesar de bom primeiro tempo, o time teve queda na etapa final e amargou empate sem gols. O Meu Timão explica os motivos do resultado.

Leia também:
Roger reclama de pênalti não marcado para o Corinthians; atacante ressalta trabalho de Jair
Corinthians tem pênalti não marcado e 'pistola' no Twitter; veja lance
Vital lamenta falta de eficiência do Corinthians e explica queda de rendimento do segundo tempo

Sem Jadson, Danilo Avelar, Douglas e Fagner (lesionado), Jair Ventura promoveu a entrada de vários jogadores, dando oportunidade de rodar o elenco. O Timão entrou em campo com: Cássio; Gabriel, Léo Santos, Henrique e Carlos Augusto; Ralf e Araos; Romero, Pedrinho, Mateus Vital e Clayson. Apesar do desenho tático de 4-2-4 em boa parte da partida, a equipe possuiu variações, o que confundiu o adversário, sobretudo nos 45 minutos iniciais.

Primeiro tempo

Desenho tático do Corinthians diante do América-MG

Reprodução / Premiere

A formação do Timão trouxe jogadores muito leves. Com uma média de menos de 25 anos de idade entre os titulares alvinegros, a equipe possuiu muita mobilidade, troca de posições e o mais importante: finalizações. Foram nove apenas no primeiro tempo - seis corretas e três erradas. Em caso de melhor pontaria, o Corinthians teria, facilmente, aberto uma vantagem no placar.

Para isso tudo ocorrer, a saída de bola foi muito bem executada. Carlos foi ótima válvula de escape pela esquerda, ativando Clayson ao seu lado. Gabriel também teve tranquilidade para subir e Romero se movimentou no ataque. Mateus Vital e Pedrinho, amigos fora de campo, se entenderam muito bem no gramado do Independência. Ambos recuaram bastante para construir e pisaram na área adversária com frequência, concluindo a gol em diversas oportunidades.

Araos, outro corinthiano fortemente pedido pela Fiel, não teve o mesmo sucesso. Apagado e pouco voluntarioso, o meia não foi capaz de iniciar muitas transições e tampouco iniciar jogadas. Além disso, mostrou certa afobação em alguns "botes". O chileno ainda não engrenou com a camisa alvinegra.

Apesar de grandes chances criadas, nenhum dos quatro principais homens de ataque que estiveram em campo é conhecido por marcar gols. Sem um centroavante nos últimos duelos na formação usada por Jair e, além disso, sem um jogador desta posição que transmita confiança, muitas vezes o Corinthians não conseguiu concluir bem ao gol adversário.

Mesmo em fase defensiva, equipe se comportou em 4-2-4

Corinthians em fase defensiva: equipe mostrou solidez

Reprodução / Premiere

Outro fator a ser ressaltado (e comemorado) é a melhora nítida da defesa corinthiana. Contra o América-MG, outra mostra disso: mesmo com a rodagem de peças no time titular, a compactação e organização do sistema defensivo foram muito bem executadas. Cássio foi um espectador de luxo na partida deste sábado.

Segundo tempo

Na etapa final, sem alterações, o Corinthians manteve um controle ainda maior, mas sem a mesma intensidade e volume apresentados nos primeiros 45 minutos. Como dito por Mateus Vital após a partida, a equipe sentiu o desgaste do último embate. O próprio meia, inclusive, foi substituído diante do Flamengo por conta de cãibras e, contra o América-MG, terminou o jogo demonstrando nítido cansaço.

Com o sistema ofensivo desgastado e sem apresentar a mesma variação e movimentos de ruptura do primeiro tempo, a produção corinthiana secou. Nem com a estreia do paraguaio Sergio Díaz, muito incisivo, diga-se, no lugar de Clayson, o Corinthians foi capaz de levar mais perigo para a meta de João Ricardo, herói do primeiro tempo.

Thiaguinho entrou no lugar de Araos e até infiltrou mais, porém, o jogador ainda é tímido em campo, se limitando ao básico em boa parte das ações. Com o Corinthians não conseguindo concluir a gol, Jair Ventura abriu mão de Romero para a entrada do centroavante Roger. A válida tentativa até colocou o Corinthians mais próximo da área, incomodando mais o América-MG.

Foi aí que, aos 43 minutos do segundo tempo, o próprio Roger serviu Gabriel, que foi calçado por Gérson Magrão. O árbitro da partida não anotou o pênalti claro a favor do Timão. O volante explicou o derradeiro lance no término do jogo.

Lance do pênalti não marcado em Gabriel

Lance do pênalti não marcado em Gabriel

Reprodução / Premiere

Sem assinalar o lance, o juiz deu dois minutos de acréscimos e não havia mais tempo. Com uma postura reativa adotada pelo oponente deste sábado, o Timão foi bem em furar o bloqueio em grande parte do primeiro tempo, mas o desgaste foi visivelmente sentido no segundo tempo.

Apesar do empate fora de casa - agora são duas vitórias, duas igualdades e nove derrotas no Brasileiro como visitante -, o Corinthians fez uma das melhores atuações (senão a melhor) sob o comando de Jair Ventura. O próprio treinador elogiou a postura dos jovens e se mostrou satisfeito com o desempenho.

Jair não está errado: o Corinthians vai, mais rápido do que o prognóstico, ganhando um modelo de jogo com o seu novo treinador. O modelo 4-2-4, com algumas variações e movimentações, sem o uso de centroavante, parece ser o sistema que o técnico adotará, ao menos neste ano.

A produção ofensiva ainda precisa de aprimoramentos e dificilmente alcançará o nível que a Fiel e Jair Ventura esperam. Entretanto, o famoso DNA defensivo, tão forte e ressaltado nos últimos dez anos do Timão, vem sendo resgatado por Jair. E um grande time começa pela defesa.

Com o jogo diante do Flamengo pelo Brasileiro antecedendo a partida de ida da Copa do Brasil, o treinador tem mais alguns dias de treino para aperfeiçoar as mudanças que pensa em fazer, mas os sinais de melhora vêm sendo percebidos, sem dúvidas.

Veja mais em: Jair Ventura e Campeonato Brasileiro.

Veja Mais:

  • Caetano (à dir.) está relacionado para a partida ante o Vasco

    Sem Carlos, Jair recorre a titular do Sub-20 para 'final' contra o Vasco

    ver detalhes
  • Andrés Sanchez sabe dos números ruins de Jair Ventura, mas evita falar em troca de treinador

    Diretoria do Corinthians quer fim da tensão no BR-18 para confirmar Jair; cobrança aumentará

    ver detalhes
  • Fiel volta à Arena Corinthians neste sábado, às 19h

    Botafogo vence Chapecoense, e Corinthians mantém distância do Z4; veja tabela

    ver detalhes
  • Timão avança à decisão com duas vitórias sobre o São José

    Corinthians repete placar e vai à quarta final consecutiva da Liga Paulista de Futsal

    ver detalhes

Comente a notícia:

  • 1000 caracteres restantes