Advogado propõe mudanças no estatuto do Corinthians inspiradas no Flamengo de Bandeira de Mello

83 mil visualizações 371 comentários Comunicar erro

Eduardo Ferreira, diretor-adjunto; Duílio Monteiro Alves, diretor de futebol; Andrés Sanchez, presidente

Eduardo Ferreira, diretor-adjunto; Duílio Monteiro Alves, diretor de futebol; Andrés Sanchez, presidente

Daniel Augusto Jr/Ag. Corinthians

"Este projeto tem o objetivo de constranger os administradores do Corinthians a aderir a práticas sustentáveis do ponto de vista financeiro. Infelizmente, os dados mostram que o endividamento do clube tem crescido em um momento bastante sensível, em que despontam outros clubes que, no passado, criaram mecanismos para impor as práticas aqui defendidas. Espera-se que, com a contribuição dos interessados, a proposta possa ainda ser aprimorada e completada nas suas eventuais lacunas".

É assim que o advogado Roberto Piccelli, torcedor do Corinthians e colunista do Meu Timão, define formalmente seu projeto de mudança de estatuto para o clube do Parque São Jorge. Basicamente trata-se de uma proposta para aumentar a responsabilização sobre os gestores da agremiação: alguém tem de responder por deslizes financeiros e/ou orçamentários.

Em vídeo: entenda a mudança de estatuto à la Flamengo no Corinthians!

A inspiração é o Flamengo presidido por Eduardo Bandeira de Mello entre 2013 e 2018. Foi nessa gestão que o clube rubro-negro passou a controlar melhor os gastos e reduziu em mais de R$ 200 milhões seu endividamento, passando a faturar anualmente valores superiores ao da dívida total. Em resumo: o clube carioca se tornou saudável do ponto de vista financeiro. Não à toa, o atual presidente, Rodolfo Landim, teve como subir o sarrafo nas contratações e montar o "super elenco" campeão do Brasil e da Libertadores na atual temporada.

"O que essas gestões mais recentes do Flamengo fizeram foi passar a ter um controle da dívida, para não comprometer a liquidez. Conseguiram superar problemas que eram recorrentes no clube, como atrasos de salários", pontua Piccelli.

Atualmente, no artigo 36 do estatuto corinthiano, fala-se em privação do associado a "todos os direitos estatutários, sem prejuízo da aplicação de eventual penalidade pela Comissão de Ética e Disciplina" em caso de "falta de indenização dos prejuízos materiais causados ao Corinthians". Os dirigentes do Timão são também associados do clube, cabe ressaltar.

O texto é relativamente vago e fraco, o que ajuda a entender por que o Corinthians nos últimos anos tem aumentado descontroladamente seu envidamento. Conforme relatado em coluna de Danilo Augusto aqui no Meu Timão, aumentaram em 527% as dívidas do clube durante a atual gestão (ver gráfico abaixo) – o grupo Renovação & Transparência comanda o Parque São Jorge e o futebol corinthiano desde o fim de 2007.

Crescimento da dívida do Corinthians desde 2009

Meu Timão

A tendência, aliás, é esse número seguir subindo. Com previsão de fechar 2019 com dívida de R$ 144 milhões somente relativa a essa última temporada, o Corinthians tem sinalizado com investimento pesado para reforçar seu elenco em 2020. Além da multa que terá de ser paga a Fábio Carille pela demissão do mês passado e dos R$ 800 mil mensais prometidos à comissão técnica de Tiago Nunes, o Timão já confirmou a contratação de Luan por quase R$ 23 milhões e também formalizou proposta de R$ 22 milhões por Michael. Há ainda negociações em andamento pelo colombiano Victor Cantillo e pelo ex-corinthiano Sidcley.

"Por mais que o Corinthians esteja buscando bons nomes, a gente tem preocupação, sim, com a parte financeira. O clube deve fechar o ano com déficit recorde e, ainda assim, está gastando bastante", diz Roberto Piccelli, criador do projeto que promete tentar alterar o estatuto. "Difícil olhar pra isso sem pensar no fato de que daqui a um ano tem eleição."

A ideia, entre outras, é reforçar no artigo 36 quais comportamentos resultariam em punição: "Considerar-se-ão passíveis de responsabilização pessoal os atos da diretoria que importem prejuízo ao CORINTHIANS", constaria no estatuto o novo trecho. Na prática: se o Timão registrou prejuízo extraorçamentário de R$ 10 milhões, por exemplo, alguém tem de pagar – em tese, o presidente em exercício. A medida visa evitar o "efeito bola de neve" de aumentar ano após a ano o envidamento com o qual próximos mandatários terão de lidar.

Roberto Piccelli, advogado, corinthiano e colunista do Meu Timão

Roberto Piccelli, advogado, corinthiano e colunista do Meu Timão

Divulgação

Há, claro, diversos (e específicos) atos de gestão irregular ou temerária que Piccelli sugere em seu projeto, tais como: deixar de arrecadar receita a que o Corinthians tenha direito; celebrar empréstimos com empresários ou dirigentes que tenham relação com o Corinthians; aumentar ou criar despesa sem especificar em orçamento a fonte de recursos para tal e o impacto que causará nos próximos três exercícios; aumentar despesa com pessoal no último ano de mandato; antecipar receita que não possa ser amortizada até o fim do mandato; atrasar salários; exceder um limite a ser definido de jogadores com vínculo profissional; etc.

Clique aqui e confira o projeto de mudança estatutária do Corinthians na íntegra.

Fazer tal atualização no estatuto depende basicamente de Roberto Piccelli concluir o projeto e encaminhá-lo ao Conselho Deliberativo – o que só deve ser feito após o advogado receber sugestões de torcedores via e-mail ([email protected]) com outras possíveis mudanças que ajudem a aumentar a responsabilização dos gestores. Estão também sendo estudados por Piccelli, por exemplo, incrementar a participação do Fiel Torcedor no dia a dia do clube e até a possibilidade de remuneração de dirigentes.

"(Após a entrega do projeto) O Conselho tem que decidir pela necessidade de submeter uma proposta de mudança do estatuto aos associados. O regimento interno do Conselho não prevê um procedimento muito complicado para aprovar essa proposta de mudança. Na prática, o mais difícil é convencer a maioria do Conselho e, depois, a maioria dos associados", argumenta Piccelli, que segue em fase de estudo junto a seu projeto.

Roberto de Andrade passou bastão para Andrés em fevereiro de 2018

Roberto de Andrade passou bastão para Andrés em fevereiro de 2018

Rafaela de Oliveira/Meu Timão

Veja mais em: Diretoria do Corinthians, Fiel Torcedor, Parque São Jorge, Torcida do Corinthians e Andrés Sanchez.

Veja Mais:

  • Tiago Nunes se tornou o Poderoso Chefão do Corinthians em pouco tempo

    Reforços, saídas, treino fechado e até tour da Arena: Tiago Nunes mostra força no Corinthians

    ver detalhes
  • Everaldo treinou separado dos demais até a última segunda-feira

    Corinthians já trabalha com previsão para volta de Everaldo aos jogos; veja detalhes

    ver detalhes
  • Ralf deixa o Corinthians como um dos grandes ídolos da história do clube

    Duas passagens, momentos marcantes e oito troféus: Ralf se despede do Corinthians

    ver detalhes
  • Danilo Avelar começa temporada como desfalque para Tiago Nunes

    Dupla de defensores do Corinthians tem lesão constatada e vira desfalque por cerca de 30 dias

    ver detalhes
  • Cantillo destaque e desfalque: primeiras surpresas do Corinthians em 2020

    VÍDEO: Cantillo destaque e desfalque: primeiras surpresas do Corinthians em 2020

    ver detalhes
  • Volante encerra sua segunda passagem pelo Corinthians

    Ralf assina rescisão de contrato e oficializa saída do Corinthians; saiba detalhes do acordo

    ver detalhes

Últimas notícias do Corinthians

Comente a notícia: