¿Que pasa, Ángelo?

Andrew Sousa

23 anos, acadêmico de Jornalismo na Univali e fiel desde o primeiro de seus dias.

ver detalhes

¿Que pasa, Ángelo?

Coluna do Andrew Sousa

Opinião de Andrew Sousa

6.0 mil visualizações 59 comentários Comunicar erro

¿Que pasa, Ángelo?

Meia vinha desempenhando bem seu papel até ser expulso no Majestoso

Foto: Rodrigo Gazzanel/Ag. Corinthians

Como jornalista, ainda não entrevistei nenhum jogador do Corinthians pessoalmente. Se pudesse o fazer, sempre pensei em nomes como Cássio, Danilo ou Romero. Nos últimos dias, no entanto, o atleta alvinegro com quem mais gostaria de bater um papo é Ángelo Araos.

Não que o chileno seja fruto de inúmeras pautas. Muito pelo contrário. Acanhado desde que chegou, poucas vezes nos rendeu aspas. O ponto é um só: depois de sua segunda expulsão, queria, como grande parte dos torcedores, entender o que tem passado na sua cabeça.

Aos 21 anos, Araos desembarcou no Brasil como uma das grandes promessas do futebol sul-americano e com a grande responsabilidade de corresponder o alto investimento de cerca de R$ 17 milhões. Com todo esse peso, logo começou a ganhar oportunidades e despertou boas impressões na Fiel.

Meio campista com características de box-to-box, que cobre de uma área a outra, se destacou principalmente contra a Chapecoense, na Arena Condá. Como segundo volante, teve atuação de jogador que o Timão não tem no elenco - capaz de organizar vindo de trás e criar jogadas com mais qualidade. Mesmo atuando bem na maioria das vezes em que entrou, o chileno chama atenção pelo nervosismo.

Extremamente faltoso, parece chegar atrasado ou com força excessiva em todos os lances. Isso se intensifica nos jogos grandes - foi expulso na final da Copa do Brasil e no primeiro clássico disputado com a camisa alvinegra. Mesmo com os vermelhos, os comentários da torcida do Meu Timão são de paciência - o que me surpreendeu muito.

Como em raros casos, a Fiel deixa o imediatismo de lado e se atenta à capacidade técnica já mostrada pelo jogador. Ainda garoto, Araos precisa de tempo para se adaptar e, agora, precisa de apoio para não abreviar suas oportunidades no Corinthians. Estrangeiro, o camisa 16 parece ter levado ao pé da letra os comentários de brasileiros sobre o que é defender o clube do Parque São Jorge.

Querendo mostrar serviço, Araos entrou demais na pilha do recorrente "tem que dar carrinho e lutar por todas as bolas", pregado dia após dia por quem acompanha o Timão. Por mais complicado que pareça, isso se resolve com muita conversa. E com tempo. Por isso, o papel de Jair Ventura nos próximos dias é essencial.

Como parte de sua função, o comandante alvinegro precisa fazer o possível para não perder o jogador. Com poucas rodadas restantes no Brasileirão, algumas chances têm de ser dadas para manter o atleta confiante. Como a Fiel já notou, o gringo pode ser peça importante para o futuro alvinegro - e o retorno pode ser tanto técnico quanto financeiro.

Sem a resposta para o título da coluna, fica o alento de saber o que pensa a maioria da Fiel: não podemos desistir de um talento bruto como Ángelo. Queremos raça, garoto, mas nem tanto.

Veja mais em: Ángelo Araos.

Coluna do Andrew Sousa

Por Andrew Sousa

23 anos, formado em Jornalismo na Univali e fiel desde o primeiro de seus dias.

O que você achou do post do Andrew Sousa?