Eu queria ter sua calma, Zida

Andrew Sousa

22 anos, acadêmico de Jornalismo na Univali e fiel desde o primeiro de seus dias.

ver detalhes

Eu queria ter sua calma, Zida

Coluna do Andrew Sousa

Opinião de Andrew Sousa

27 mil visualizações 171 comentários Comunicar erro

Eu queria ter sua calma, Zida

A 10 não serviria para definir teu tamanho, Zida

Foto: Daniel Augusto Jr/Ag. Corinthians

No futebol, o adeus é inevitável. Não há jogador, técnico ou dirigente eterno. O que fica é o clube e nada mais. Nesse processo, então, sempre soube que a hora de Danilo deixar o Corinthians chegaria. Era um processo natural até antes da atual temporada. Ele foi longe, se provou, nos deu pontos importantes. Mas chegou a hora do adeus. E tem sido mais difícil do que eu imaginava.

Semifinal de Libertadores. Recebe a bola, domina e tira do goleiro. O Corinthians empata e elimina o Santos da Libertadores. Era essa calma que eu queria para lidar com o fim do ciclo do camisa 20. Mas não a tenho.

Desde o anúncio de que seu contrato não seria renovado, estou desesperado. Entre os tantos vídeos de seus lances que assisto, toda hora um "não acredito que acabou" me martela a cabeça. Já nem lembro como é olhar as fotos 3x4 do nosso elenco e não te ver.

Final da Libertadores. Bola pipocando na área. Recebe de costas e acha Emerson Sheik de calcanhar. Gol do Corinthians e título da Libertadores encaminhado. Essa calma eu também queria ter, porém, passo longe disso.

Assim que li que só temos mais duas mostras de seu talento com a camisa alvinegra, perdi o chão. Cássio é mais regular e tão vitorioso quanto. Emerson é mais decisivo. Mas não sei, Danilo é Danilo, pô. O mundo podia parecer acabar para o Timão. Mas ele entra, põe a bola embaixo do braço e esbanja classe.

Final do Mundial. Eram quatro homens na sua frente. A bola cai na perna boa. Corte seco, finalização de direita e participação essencial no gol de Guerrero. 1 a 0 no Chelsea e Corinthians campeão do mundo. Que garoto nunca sonhou em ter essa classe?

Posso falar por mim. Sempre quis ser esse dez clássico que você exemplificou muito bem nos últimos anos. E a frase clichê que já ouvi pelos campos de várzea cabe aqui. Você é tão camisa 10, que a camisa 10 não seria suficiente. Por isso é o dobro.

Jogo decisivo contra o Bahia pelo Brasileirão. O empate persiste até os minutos finais. A bola sobra pelo alto. Como se não houvessem defensores, você dá uma puxeta e concretiza o triunfo alvinegro. Três pontos na conta e rebaixamento afastado. Um gran finale digno do teu tamanho.

Há pouco mais de 24 horas, assisto e reassisto seus lances. Não me canso. De tudo que você demonstra ali, só quero a calma. Admiro a elegância, reverencio o talento e me apaixono pelo trato com a bola. Mas, nesse momento, só queria me acalmar e pôr um fim nessa angústia pelo teu adeus. Vai ser difícil.

Talvez demore uns dez anos para acostumar com essa saudade. Ou melhor. 20.

Veja mais em: Danilo.

Coluna do Andrew Sousa

Por Andrew Sousa

21 anos, acadêmico de Jornalismo na Univali e fiel desde o primeiro de seus dias.

O que você achou do post do Andrew Sousa?