Ato III - Ponte Grande 100 anos 

Fernando Wanner

Artista plástico, pesquisador, roteirista e professor de história em quadrinhos, designer e Corinthiano.

ver detalhes

Ato III - Ponte Grande 100 anos 

Coluna do Fernando Wanner

Opinião de Fernando Wanner

1.3 mil visualizações 26 comentários Comunicar erro

Ato III - Ponte Grande 100 anos 

Inauguração do estádio contou cerca de 10 mil pessoas

Foto: Reprodução

Para celebrar o centenário da primeira casa corinthiana, contarei, no terceiro ato, um texto sobre 1918.

Depois dos inúmeros esforços dos associados do clube para levantar o sonhado estádio alvinegro, o estádio da Ponte Grande ficou pronto no início de 1918. Para inaugurar a nova casa corinthiana, um amistoso contra o Palestra Itália, eterno rival do Timão. No dia 17 de março daquele ano, o empate em 3 a 3 ficou em segundo plano. O clube dos operários dava um passo decisivo em seu destino, uma vez que até então não dispunha de nada que lembrasse uma praça de esportes.

Dias antes da partida inaugural, o jornais saudavam o evento com entusiasmo. O Correio Paulistano, ao visitar estádio com as obras acabadas, não poupou elogios.

“O Corinthians inaugurará nesse dia mais um campo digno de São Paulo. E, como tivemos ocasião de, na visita que fizemos ao novo ground, presenciar o capricho da construção das dependências todas, onde se vê a perseverança do ânimo e a vontade do desenvolvimento esportivo em nossa terra, não podemos deixar sem algumas considerações o nobre gesto dos diretores Corinthianos. O retângulo destinado aos encontros assemelha-se a um tapete de grama, plano e sujeito às regras do football; as arquibancadas são espaçosas e cômodas, o mesmo se dando com os vestiários e outras dependências", descreveu o periódico da época.

A inauguração do estádio da Ponte grande foi, de fato, um sucesso. Cerca de 10 mil pessoas ocuparam as dependências, dando ao local um aspecto encantador.

Veja mais em: História do Corinthians.

Coluna do Fernando Wanner

Por Fernando Wanner

Artista plástico, pesquisador, roteirista e professor de história em quadrinhos, designer e Corinthiano.

O que você achou do post do Fernando Wanner?