Cauê e Mantuan sofrem de males opostos

Luis Fabiani

Estudante de Jornalismo no Mackenzie. Desde janeiro de 2020, estagiário do Meu Timão. Estou também diariamente na Rádio Mackenzie.

ver detalhes

Cauê e Mantuan sofrem de males opostos

Coluna do Luis Fabiani

Opinião de Luis Fabiani

39 mil visualizações 107 comentários Comunicar erro

Cauê e Mantuan sofrem de males opostos

Cauê e Mantuan, duas joias que sofrem de males opostos

Foto: Montagem/Meu Timão

A base do Corinthians é boa, o que não necessariamente significa que forma craque atrás de craque. É importante sempre ressaltar que ela, majoritariamente, serve para formar coadjuvantes ao elenco profissional. Nem um gênio, como Neymar, quando subiu em 2009, conseguiu o rótulo de protagonista tão cedo, já que viria a estourar de fato um ano depois, em 2010. Dentro do papel de suprir algumas lacunas do elenco, seja com titulares ou reservas, e se bem utilizado, vejo que o Terrão seguirá sendo útil ao Corinthians por bastante tempo.

E essa perspectiva que citei acima influi bastante na avaliação dos jogadores que sobem da base. Desde o início da trajetória profissional, cobra-se que desequilibrem partidas, como os mesmos faziam nas categorias inferiores, o que raramente irá acontecer. E a frustração ao ver a oscilação técnica dos jovens se transforma em uma cobrança descabida por atuações espetaculares.

No Corinthians, especificamente, vejo dois jogadores sendo mal avaliados pela torcida nas redes sociais. Cauê, pelas atuações espetaculares na base, subiu ao time de cima com a obrigação de se tornar absoluto em uma posição carente do maior clube do Brasil. E como já era esperado, oscilou tecnicamente e teve alguns maus momentos em campo. Bastaram três jogos como titular para que alguns tirassem todas as conclusões possíveis sobre o potencial do garoto. E isso que estamos falando de, talvez, o melhor atacante de times sub-20 do Brasil em 2020.

Por outro lado, um caso oposto, também de avaliação precoce, é o de Mantuan. Esse sim, que surpreendentemente, subiu para o time profissional e "vestiu a camisa" logo de cara. As boas atuações que teve, sobretudo contra Vasco e Flamengo, foram suficientes para que até hoje, no sétimo mês afastado do atacante, alguns torcedores cravem sua titularidade imediata no retorno. Despreza-se a possibilidade de uma oscilação, que com certeza virá a acontecer, já que o Mantuan ainda vive um período de adaptação ao futebol profissional. E uma sequência natural de dois ou três jogos ruins podem servir como munição para um novo julgamento precoce de alguns, que o colocariam como mau jogador.

E por mais que pareça clichê, principalmente para quem lê outros textos meus (desculpa, rs), o sucesso da base requer paciência e margem para errar. Nem tão ao céu como Mantuan, nem tão ao inferno como Cauê

Veja mais em: Cauê e Gustavo Mantuan.

Este texto é de responsabilidade do autor e não reflete, necessariamente, a opinião do Meu Timão.

Coluna do Luis Fabiani

Por Luis Fabiani

Estudante de Jornalismo no Mackenzie e entusiasta das categorias de base do Corinthians. Desde 2020, estagiário do Meu Timão.

O que você achou do post do Luis Fabiani?

  • Comentários mais curtidos

    Foto do perfil de pedro henrique

    Pedro 9 comentários

    @pedro.henrique697 em

    João Victor fez um pênalti infantil e já tá sendo crucificado, detalhe que não culminou em derrota do Corinthians, muito menos foi em um jogo de sonora relevância. Eu sei que torcedor é paixão, mas essas análises me assustam, semana passada já tinha gente falando pra ele colocar o Fagner no banco, hoje tratam como se tivesse cometido um erro imperdoável.

  • Foto do perfil de Tomaz

    Ranking: 3003º

    Tomaz 562 comentários

    @tomaz.masrtins em

    A base do Corinthians sempre foi muito produtiva. Talvez o único jogador craque absoluto produzido na base foi o Rivellino que era de família palmeirense e veio para o clube graças ao Mário Travaglini que o rejeitou no outro parque. Desde então sempre produziu bons jogadores, mas nenhum super craque. Adaozinho, Tião, Luiz Carlos, Vladimir, Zé Eduardo, Ronaldo, Viola, Silvinho, Marques, Zé Elias, Cleber, Gil, Jô, Fagner, Marquinhos, Maikon, Malcon, Arana e tantos outros sempre foram bons jogadores que por terem DNA com terrão vestiram e vestem com raça nossa camisa. Tem jogadores que chegam vestem a camisa e jogam (Riva, Vladimir, etc) tem outros que precisam tempo (Fagner, Piton, Arana, Pedrinho, etc). Futebol é assim. Agora quem está nos dando algum alento é o João Vitor, o Raul que são exemplos desses que chegam vestem a camisa e jogam e tem os que demoram um pouco, parece ser o caso do Piton, Xavier e Roni. E sempre tem os que não vão vingar no clube. E esse fenômeno acontecia no terrão e vai continuar acontecendo na nova estrutura, o problema é que se houvesse mais gestão, organização e profissionalismo, esses moleques seriam do clube e não de dirigentes do clube (caso Garcia) ou dos empresários que rapina o clube. Acho que vamos precisar de um Paulo Nobre no Corinthians. Um que venha organize, pague as dividas, organiza a base (sustentabilidade do clube)e não quer ser dono.

  • Últimos comentários

    Foto do perfil de Sergio

    Ranking: 1468º

    Sergio 1083 comentários

    107º. @asrdecampos em

    Quem criticou o João Vitor. Não vi nenhuma critica. Você esta exagerando.

  • Publicidade

  • Foto do perfil de Rafael

    Rafael 30 comentários

    106º. @rafael.ramos06 em

    Discordo, acho que eles sofrem do mesmo mal, o imediatismo. Enquanto um foi muito bem de imediato e as expectativas não eram tão altas (Mantuan), o outro ainda está se adaptando, apesar das expectativa sobre ele serem bem maiores (Cauê). Mas é isso, paciência com a base.

  • Foto do perfil de Antonio Salvio

    Ranking: 5928º

    Antonio 257 comentários

    105º. @antonio.salvio.rezen em

    Discutir acertos e erros no aproveitamento de jovens vindos da base, é relativo. Vimos grandes exemplos de sucesso no futebol brasileiro de jovens recém promovidos e logo aproveitados, provando que não é a idade e inexperiência profissional que pesam nas suas atuações. O que é bom já nasce feito! Basta que ele seja bem recebido pelos veteranos da equipe, que os prestigiem e reconheçam seu valor.

  • Foto do perfil de Tatiane

    Ranking: 2472º

    Tatiane 678 comentários

    104º. @tatiane.prado1 em

    É uma verdade...mas com um contra ponto...quando se faz desmanches como de 2016 e 2018...depois dos títulos, quando era justamente o momento de dar a tal mesclada...vc tem um time desequilibrado e não consegue ver um Pedrinho deslanchar porque não foi entregue desde 2017 um time competente e coeso para o garoto jogar bem!
    Porque surgir da base, pra ser direto pra protagonista no Corinthians realmente vai ser praticamente impossível! E a garotada fica a mercê destas pedradas da mídia e torcida!

  • Foto do perfil de Leo

    Ranking: 11438º

    Leo 100 comentários

    103º. @leo.altava em

    Torcedor é modinha demais, criticar o Cauê que tem 10 jogos como profissional? Vão arrumar um terreno pra capinar, seus babacas

  • Foto do perfil de Eduardo

    Ranking: 569º

    Eduardo 2206 comentários

    102º. @eduardo.nascimento2 em

    Concordo plenamente!

  • Foto do perfil de Petterson

    Ranking: 694º

    Petterson 1904 comentários

    101º. @pettersonboeno em
    Pra mim o único que já demonstrou realemnte potencial, foi o João Victor. Não fez nenhuma partida ruim, nem como zagueiro nem como lateral.
  • Foto do perfil de Marcio

    Ranking: 319º

    Marcio 3369 comentários

    100º. @marcio.jr em

    Quando o jogador da base tem a obrigação de resolver o problema do clube já é evidência que as coisas estão erradas. Exemplo: O mal desempenho do Jô está obrigando o Cauê jogar partidas difíceis e atrasando o processo de maturidade. O correto deveria ser colocá-lo aos poucos e ir corrigindo seus erros.

x