Não se muda doze anos em um mês

Mateus Pinheiro

Jornalista na ESPN, Mateus Pinheiro tem apenas 21 anos e já passou alguns deles escrevendo sobre o Coringão. Contaminado pela Epidemia Corinthiana.

ver detalhes

Não se muda doze anos em um mês

Coluna do Mateus Pinheiro

Análise de Mateus Pinheiro

3.6 mil visualizações 50 comentários Comunicar erro

Não se muda doze anos em um mês

Tiago Nunes completou um mês de trabalho a frente do Corinthians nesta quarta-feira

Foto: Daniel Augusto Jr. / Agência Corinthians

O Corinthians viveu o momento de maiores conquistas de títulos desde que chegou Mano Menezes, em 2008. Foram treze taças levantadas em 12 anos.

O corintiano se acostumou a comemorar anualmente. Tudo isso baseado em um sistema de jogo que pensava primeiro em se defender, depois em atacar - salvo, claro, exceções pontuais. A filosofia foi essa.

Pensamento de jogo esse que foi importantíssimo, mas de 2017 para cá, começou a irritar a torcida. No Brasil, nada se cria, tudo se copia. Então a partir do momento que a Fiel viu que outras equipes estavam ganhando mais priorizando o ataque, todo o apoio ao “ferrolho” caiu por terra e a massa ansiava por um time que “jogasse para frente”.

Dessa maneira, num ato corajoso, Tiago Nunes resolveu assumir o Corinthians. O treinador que levou a Copa Sul-Americana e Copa do Brasil nos últimos anos, comandando um Athletico ofensivo e organizado, embarcou no maior desafio da carreira.

Agora, esperar que o profissional consiga impor toda sua filosofia de jogo, levando em conta os desfalques, o elenco limitado, os vícios que os jogadores que aqui estavam carregam de outros treinadores em exatos TRINTA dias de trabalho é exigir o impossível.

Um calendário como o brasileiro é pífio ao ponto de exigir resultado de um grupo de atletas e comissão técnica em um mês. Não é desmerecer o adversário, mas sim exaltar o fato de que o time não está nem próximo de pronto numa data tão precoce.

Jogou o semestre em um jogo e perdeu. Acontece. Não deveria ter que acontecer, mas a união inexistente dos clubes e uma federação que pouco zela pelo bem-estar de seus maiores produtos – os atletas – fazem com que isso não seja novidade e o pior: seja considerado normal.

Passado o que passou, o medo é que a colossal máquina de triturar treinadores que é o futebol brasileiro acabe por minar um trabalho, acima de tudo, promissor. Afinal, como já disse aqui nessa coluna, o torcedor torce o nariz e reclama como nosso esporte está tão distante do europeu, mas é o primeiro a pedir a cabeça do treinador quando o resultado esperado não vem.

Longe de comparar capacidade ou carreira, mas Jürgen Klopp chega ao Liverpool, o time inglês mais pressionado há anos, afinal, não conseguiu vencer ainda uma Premier League e tinha como último título grande a Champions League de 2005, e falha. Falha em 2015, falha em 2016, em 2017, 2018, até que finalmente em 2019 consegue a glória máxima de um treinador, a Champions League. Criou um monstro que não sabe o que é perder e caminha para vencer um campeonato nacional sem perder sequer um jogo. Tudo poderia ter ido por água a baixo se seguisse a cartilha do futebol brasileiro e tivesse caído em 2016 ou 17.

Os erros da arbitragem, pouca experiência e afobação do Camisa 10, desfavorecimentos sistemáticos de Pitana e Conmebol já foram levantados aqui mesmo no Meu Timão por outros colunistas. Aqui faço o apelo e desabafo por um futebol brasileiro mais coeso e, quem sabe um dia, mais justo: deixem Tiago Nunes trabalhar. Lembrem de Jürgen Klopp.

Veja mais em: Tiago Nunes e Elenco do Corinthians.

Coluna do Mateus Pinheiro

Por Mateus Pinheiro

Jornalista na ESPN, Mateus Pinheiro tem apenas 21 anos e já passou alguns deles escrevendo sobre o Coringão. Contaminado pela Epidemia Corinthiana.

O que você achou do post do Mateus Pinheiro?