Nunca foi fácil mesmo... Mas sempre levantamos a taça no final!

Memória Fiel

Nostalgia alvinegra que vai além dos jogos, gols e súmulas. Aqui reviramos os arquivos para reencontrar as várias pequenas histórias e detalhes que formam a gigantesca história do Corinthians.

ver detalhes

Nunca foi fácil mesmo... Mas sempre levantamos a taça no final!

Coluna do Juliano Barreto

Opinião de Memória Fiel

14 mil visualizações 38 comentários Comunicar erro

Nunca foi fácil mesmo... Mas sempre levantamos a taça no final!

Nunca foi fácil mesmo... Mas sempre levantamos a taça no final!

Foto: Arquivo Pessoal/Juliano Barreto

A revista oficial do Sport Clube Corinthians Paulista estampava em sua capa de Setembro de 1955 a ilustração abaixo, com a seguinte explicação nas internas:

“Uma curiosa alegoria de Messias ao Campeonato Paulista. Na realidade precisa sempre o Corinthians desdobrar-se em esforços. Contra o conjunto mosqueteiro não há clubes "pequenos", todos se agigantam. E isto porque vencer um Corinthians significa motivo de orgulho e glória para qualquer clube do mundo.”

Como se vê, o #NuncaFoiFácil vem de muito longe. Há 62 anos o Corinthians já era gigante e despertava a inveja dos adversários. Campeão do histórico Paulista de 54, o Timão entrava para defender o título contra o Elefante da Linense, o periquito do Palmeiras, os santos Paulo e Bento, o índio Guarani, a burrinha da Portuguesa e contra quem mais viesse.

Apesar da bela ilustração, o Corinthians acabou deixando o bi-campeonato escapar em 1955. Na verdade, o Paulista de 55 terminou só em Janeiro de 1956, tendo o Santos como campeão. O Corinthians ficou em segundo, com apenas 1 ponto a menos.

Porém o desenho não está de todo errado. O famoso Campeonato Paulista do Quarto Centenário, disputado em 1954, acabou só em 1955. Além disso, o Corinthians foi campeão do Torneio Início de 1955. E o pessoal reclama do calendário hoje...

Veja mais em: Heptacampeonato brasileiro e História do Corinthians.

Coluna do Juliano Barreto

Por Juliano Barreto

Jornalista, biógrafo, maloqueiro e sofredor. Desde 1993 recorta jornais, revistas e guarda tudo relacionado ao Coringão. Neste blog, vamos tirar a poeira desses arquivos e matar as saudades.

O que você achou do post do Juliano Barreto?