Ítalo-corintianos: a metade alvinegra da colônia

Roberto Piccelli

Roberto Piccelli é advogado atuante em direito público e escreve sobre temas jurídicos e institucionais relacionados ao Corinthians.

ver detalhes

Ítalo-corintianos: a metade alvinegra da colônia

Coluna do Roberto Piccelli

Opinião de Roberto Piccelli

10 mil visualizações 108 comentários Comunicar erro

Ítalo-corintianos: a metade alvinegra da colônia

Rivelino disputa a bola com Ademir da Guia

Foto: Reprodução

Muita gente em São Paulo tem o hábito de associar a colônia italiana a um só time, que por acaso vem a ser o nosso maior rival. Essa ideia já foi longe: há a lenda de que dois dos nossos maiores ídolos teriam tido que alterar a grafia do nome para disfarçar a origem familiar por conta da rivalidade: Luizinho* e Rivelino (originalmente Rivellino, com dois Ls). E até hoje a história segue. Eu mesmo, desde pequeno, ouço falar sobre uma possível incompatibilidade entre o meu sobrenome e a minha paixão pelo Corinthians.

Essa história não tem nada de verdadeira. É preciso fazer justiça aos italianos que desde o início ajudaram o Corinthians a ser o que é hoje.

Voltemos às nossas origens. O Corinthians foi fundado por operários no Bom Retiro, em 1910. Só daí já se pode deduzir qual era o sotaque dominante entre os primeiros corintianos. Afinal, no início do século XX, boa parte da gente humilde de São Paulo vinha exatamente da Itália, em particular ali na vizinhança onde o Corinthians nasceu. E a intuição não mente: o fato é que já do ato da fundação participaram Joaquim Ambrosio e o napolitano Raphael Perrone. Aliás, entre os 13 sócios-fundadores do Corinthians, além dos dois, estavam Salvador Lapomo, Antonio Vizzone, Emilio Lotito, Miguel Battaglia e Alexandre Magnani. Esses dois últimos, inclusive, foram também os dois primeiros presidentes do Corinthians. No futuro, a eles se somariam outros nove presidentes de origem italiana, inclusive o ex-presidente Mario Gobbi.

Dentro das quatro linhas, a relação também começou cedo. O time, logo depois da fundação, já contava com, além de Perrone e Ambrosio, Lepre, Police e, claro, com o parmesão Luigi Fabbi, autor do primeiro gol da história do clube, contra o Estrela Polar, 13 dias depois da fundação. E apesar da leva de jogadores que acompanhou Fabbi mais tarde, quando ele resolveu se transferir para o recém-fundado Palestra Itália, o Corinthians não deixou de contar com grandes craques de origem italiana. Nomes como os de Amilcar Barbuy (cujo irmão, Hemógenes, desenhou nosso primeiro escudo oficial), Guarisi (sobrenome de Filó), Armando del Debbio e Castelli (nome do Rato), foram uma constante nos primeiros anos da história do clube.

Ao longo do tempo, o Corinthians, sempre movido pela idéia de generalidade, teve outros grandes jogadores de descendência italiana, como Roberto Belangero (que inspirou o nome do meu pai, e, indiretamente, também o meu), Carbone, Dino Sani, Rivelino (que pode ter tido mau gosto na infância, mas logo se redimiu), e mais recentemente, Casagrande, Edson Boaro e Ronaldo Giovanelli, o grande goleiro dos anos 90.

Nas arquibancadas, o Corinthians sempre fez sucesso entre os ítalo-brasileiros. Para ilustrar a abrangência desse fenomeno, basta lembrar dos nomes mais famosos. Nunca faltaram, na galeria dos ilustres torcedores do clube, descendentes de italianos. Dos grandes automobilistas brasileiros, temos três corintianos declarados: Emerson Fittipaldi, Ayrton Senna e Rubens Barrichello. Ainda nos esportes, não há como ignorar a torcida de Hortencia Marcari, ex-jogadora de basquete. Nas artes cênicas, encontramos figuras como Gianfrancesco Guarnieri, Mazzaropi, Francisco Milani, Paulo Betti e Alessandra Negrini. Na música, Adoniran Barbosa, ícone-mor da cultura macarrônica de Sâo Paulo, cujo nome verdadeiro era João Rubinato, e Toquinho, como é conhecido o cantor e compositor Antonio Pecci Filho. E há incontáveis outras personalidades notórias, a exemplo do publicitário Washington Olivetto, do ex-presidente do TCE-SP, Roque Citadini, e do Padre Marcelo Rossi, para provar uma relação que nunca precisou ser exaltada para se fazer sentir.

Acontece que o Corinthians, ao contrário do Palmeiras, nasceu com uma vocação universal. A ideia dos nossos fundadores sempre foi criar um time aberto a todo tipo de gente, especialmente para a gente pobre de São Paulo, que naquele momento da história da cidade era sub-representada na parte mais organizada do futebol. Enraizado no Bom Retiro, o Corinthians foi gradativamente fazendo fãs de todas as etnias ao redor da cidade, e posteriormente, do estado, à medida que as noticias de suas conquistas iam se propagando por São Paulo. Enxergando a paixão que o clube despertava por onde passava, o modernista Menotti del Picchia cravou logo nos primeiros anos: “o Corinthians é um fenômeno sociológico a ser estudado em profundidade”.

Éramos, nesse ponto, diferentes de outros clubes da mesma época (das elites ou das colônias): encampávamos uma ideia de inclusão, de abrangência, de universalidade. Nunca precisamos ficar limitados a um determinado grupo de pessoas. Nas palavras de Miguel Battaglia, éramos destinados a ser o “time do povo”, simplesmente. Estávamos, portanto, abertos a todos: italianos, pretos, espanhóis, judeus, árabes, gente de todo tipo estaria conosco independentemente da ancestralidade.

Nessa semana de Dia dos Pais, inspirado por dois dos maiores corintianos que conheci, meu avô, que nos deixava há exatos dez anos, e meu pai, ambos ítalo-brasileiros do Bom Retiro, esse texto é uma homenagem singela à metade da colônia que foi encontrar orgulho na integração e na diversidade, em vez de se deixar levar pelo culto à nacionalidade e à diferença.

*: o jornalista Celso Unzelte, por exemplo, em seu excelente livro "Os Dez Mais da História do Corinthians", sustenta que o Pequeno Polegar tenha tentado disfarçar seu sobrenome "Trochillo", que seria italiano, trocando-o por "Trujillo". Na verdade, mais fontes indicam que "Trochillo" sempre foi espanhol. Certamente, ao menos com essa grafia, o nome não é italiano. Seja qual for a real origem de Luizinho, o simples fato de existir esse mito já diz muito.

Coluna do Roberto Piccelli

Por Roberto Piccelli

Roberto Piccelli é advogado atuante em direito público e escreve sobre temas jurídicos e institucionais relacionados ao Corinthians.

O que você achou do post do Roberto Piccelli?

  • Comentários mais curtidos

    Foto do perfil de Sandro

    Sandro 33 comentários

    por @sandro.roberto.de.ca

    Ótimo texto, como é linda a história do meu time!
    Já dizia um velho ditado Paulistano: "Todo bom Italiano, tem que ser Corinthiano".

  • Foto do perfil de Jorge

    Ranking: 1636º

    Jorge 733 comentários

    por @jorge.almeida1

    O Perrone foi ensinado desde criancinha que tinha de detestar o Corinthians por não ser um clube italiano e não sabe nem as próprias raízes da família. Coitado rs

  • Últimos comentários

    Foto do perfil de Mayck

    Mayck 15 comentários

    108º. por @mayck.baronni

    Grande história amigo obrigado por enriquecer esse site estou feliz por você ser corintiano Grazie mille ragazzo.

    Foto do perfil de Fabio Roberto Saez Sola

    Fabio 1 comentário

    16/08/2019 às 14h02 por @fabio.roberto.saez.s

    A família da minha mãe é espanhola, eu cresci com a ideia de que o Corinthians é time de espanhóis, pretos, árabes, judeus e nordestinos em SP. Mas sempre teve muitos ítalo-corintianos, a família paterna inteira da minha namorada é italiana e corintiana. Nos bairros paulistanos de colônia italiana, como Mooca e Barra Funda, a torcida corintiana ainda supera a da porcada. Como bem disse o texto, o Corinthians é tão italiano quanto a porcada, mas sempre exaltou o povo, não a nacionalidade.

    E o meu pai é um raro corintiano nascido em Portugal hehehe

  • Foto do perfil de Fabio Roberto Saez Sola

    Fabio 1 comentário

    107º. por @fabio.roberto.saez.s

    A família da minha mãe é espanhola, eu cresci com a ideia de que o Corinthians é time de espanhóis, pretos, árabes, judeus e nordestinos em SP. Mas sempre teve muitos ítalo-corintianos, a família paterna inteira da minha namorada é italiana e corintiana. Nos bairros paulistanos de colônia italiana, como Mooca e Barra Funda, a torcida corintiana ainda supera a da porcada. Como bem disse o texto, o Corinthians é tão italiano quanto a porcada, mas sempre exaltou o povo, não a nacionalidade.

    E o meu pai é um raro corintiano nascido em Portugal hehehe

  • Foto do perfil de Dawilson

    Dawilson 1 comentário

    106º. por @dawilson.cistena

    Meu antenato trouxe a família Italiana para São Paulo em 1909 e residiu em Itaquera- SP.

    Dentre as histórias de família dizem que ele, ao entrar no buteco era recebido com ar de repugnância pelos preconceitos da época...assim, brincava dizendo:

    'Não sou Alemão e disso não me engano, sou Italiano e muito mais CORINTHIANO' e logo fazia amizades.

  • Foto do perfil de Felipe

    Felipe 1 comentário

    105º. por @felipe.vazquez

    Luiz Trochillo era filho de mãe espanhola e pai descendente de espanhol. Trochillo tem o som de "trotchilho" pois é assim a pronúncia em espanhol.

  • Foto do perfil de Mayck

    Mayck 15 comentários

    104º. por @mayck.baronni

    Os Baronni também são Corintianos linda história do Timão não pode se esquecer das suas origens nem o palestra nem ninguém somos o maior do estado desde Miguel Bataghlia é etc...

  • Foto do perfil de Pedro

    Ranking: 283º

    Pedro 2855 comentários

    103º. por @pedro.kayky.teodoro1

    Não estou discordando disso, apenas disse um fato.

    Foto do perfil de Antoninus

    Antoninus 1 comentário

    20/03/2018 às 08h35 por @antoninus.lagreca

    O Corinthians é brasileiro justamente por isso, pois ele íntegra os imigrantes que compõe e formou a sociedade brasileira como italianos, espanhóis, árabes, japoneses portugueses, negros etc. Nós somos um país de imigrantes tirando os nativos brasileiros "indios" todos os outros povos que compõe a sociedade brasileira e suas descendências sua mistura de povos, vieram de outro lugar em algum período da história do país seja forçado ou não por motivos sócio- económicos etc. Por isso o artigo só ilustra uma das origens do time. Como já fala no hino "o clube mais brasileiro "justamente por isso pois e o time do povo e o clube que integra as diversas descendências que formaram a população de São Paulo e do Brasil : Italianos, espanhóis, árabes, japoneses, portugueses, negros, alemães, alienígenas o que for e toda a mistura de cultura e de povos que se formou no Brasil. O clube representa isso e a origem italiana do clube é valida como mais um povo que constituí o amor pelo clube que formou o clube com a intenção de integração de representar os mais humildes que não tinha espaço no futebol elitizado paulista da época.

  • Foto do perfil de Antoninus

    Antoninus 1 comentário

    102º. por @antoninus.lagreca

    O Corinthians é brasileiro justamente por isso, pois ele íntegra os imigrantes que compõe e formou a sociedade brasileira como italianos, espanhóis, árabes, japoneses portugueses, negros etc. Nós somos um país de imigrantes tirando os nativos brasileiros "indios" todos os outros povos que compõe a sociedade brasileira e suas descendências sua mistura de povos, vieram de outro lugar em algum período da história do país seja forçado ou não por motivos sócio- económicos etc. Por isso o artigo só ilustra uma das origens do time. Como já fala no hino "o clube mais brasileiro "justamente por isso pois e o time do povo e o clube que integra as diversas descendências que formaram a população de São Paulo e do Brasil : Italianos, espanhóis, árabes, japoneses, portugueses, negros, alemães, alienígenas o que for e toda a mistura de cultura e de povos que se formou no Brasil. O clube representa isso e a origem italiana do clube é valida como mais um povo que constituí o amor pelo clube que formou o clube com a intenção de integração de representar os mais humildes que não tinha espaço no futebol elitizado paulista da época.

    Foto do perfil de Pedro

    Pedro 2855 comentários

    15/08/2015 às 12h42 por @pedro.kayky.teodoro1

    O Corinthians e brasileiro, não italiano

  • Foto do perfil de alan

    Ranking: 1708º

    Alan 706 comentários

    101º. por @ler12

    O que muitos não sabem... É que antes do acidente aéreo..

    A Torino dá italia... Era a maior equipe dá italia... Que após o incidente.. Perdeu esse posto... Para a Juventus... Depois para Milan e Internazionale..

    Torino era a base dá seleção da Itália..

    Foto do perfil de Anônimo

    Anônimo 264 comentários

    16/10/2015 às 14h41 por @pedro.gabriel.donett

    Isso sem falar da relação que o Corinthians tinha com o Torino-ITA

  • Foto do perfil de Luis

    Ranking: 46º

    Luis 9613 comentários

    100º. por @betofiel

    Aqui, família Martini, todos corinthianos fanáticos!

  • Foto do perfil de Celso

    Celso 4 comentários

    99º. por @celso.piantino

    ...aunque Anarquista...