Coelho teve personalidade

Ulisses Lopresti

Vinte e três anos de vida e de corinthianismo. Jornalista, trabalho no Meu Timão. Escrevo aqui e apareço no Contra-Ataque, mídia alternativa de futebol.

ver detalhes

Coelho teve personalidade

Coluna do Ulisses Lopresti Figueiredo

Opinião de Ulisses Lopresti

4.0 mil visualizações 32 comentários Comunicar erro

Coelho teve personalidade

Treinador do Timão fez boas mudanças na equipe

Foto: Danilo Fernandes/ Meu Timão

Na última quarta-feira, o Timão venceu o Bahia por 3 a 2, na Neo Química Arena. A partida ficou marcada pela entrada de dois garotos da base na equipe titular. Xavier e Roni foram escalados por Coelho e receberam muitos elogios da Fiel. O que mais me impressionou nesse jogo foi a ousadia do treinador corinthiano de dar essa oportunidade.

Desde a saída de Tiago Nunes, só se especula quem deveria ser o treinador do Timão. Se fala muito da necessidade de o Corinthians ser treinado por um técnico experiente, todo esse cenário foi essencial para Coelho surpreender. Ele sabia que o jogo de quarta era quase um vestibular, e tirou 10.

A entrada de Xavier deu muita segurança a zaga, pois o jovem muitas vezes na partida atuou quase como um zagueiro. Temos que ter paciência, foi apenas o primeiro jogo, mas o jovem se mostra uma ótima opção para o meio de campo. Vale lembrar que há algumas semanas se especulava a contratação do ex- são paulino, Wellignton. Coelho soube usar bem o jovem e mostrou que não precisamos de tantas contratações, as vezes a solução está na base.

Roni também merece destaque. O meia demonstrou ser um bom marcador e não deixou Rodriguinho respirar na partida, fora isso, no ataque teve a efetividade que faltava ao nosso meio-campo. Quando ele recebeu o passe de Piton já foi para cima da zaga e acertou um belo chute. Roni disputa vaga com Cantillo e Luan, então não garanto que o jovem será titular, mas é uma grande opção.

É impossível não relacionar com o Corinthians de Tiago Nunes. Creio que faltou ao ex- treinador corinthiano usar essa base, dar uma cara ao time. Goste ou não, Coelho já foi mais ousado e soube usar as peças que conhece. Precisamos ter paciência, mas se o treinador interino souber explorar a base, ele pode ser a solução em uma época que o Timão não está contratando tanto.

Veja mais em: Dyego Coelho, Base do Corinthians e Campeonato Brasileiro.

Este texto é de responsabilidade do autor e não reflete, necessariamente, a opinião do Meu Timão.

Coluna do Ulisses Lopresti Figueiredo

Por Ulisses Lopresti Figueiredo

Vinte e três anos de vida e de corinthianismo. Jornalista, trabalho no Meu Timão. Escrevo aqui e apareço no Contra-Ataque, mídia alternativa de futebol

O que você achou do post do Ulisses Lopresti?