Conheça Tuffy, nosso primeiro super goleiro

Walter Falceta

Walter Falceta Jr. é paulistano, jornalista, neto de Michelle Antonio Falcetta, pintor e músico do Bom Retiro que aderiu ao Time do Povo em 1910. É membro do Núcleo de Estudos do Corinthians (NECO).

ver detalhes

Conheça Tuffy, nosso primeiro super goleiro

Coluna do Walter Falceta

Opinião de Walter Falceta

3.2 mil visualizações 55 comentários Comunicar erro

Conheça Tuffy, nosso primeiro super goleiro

Tuffy: defensor de pênaltis, defensor da dignidade dos atletas

Elegante, de uniforme sempre bem ajustado e costeletas de dândi, Tuffy Neujm foi um dos primeiros galãs do futebol brasileiro, uma cortejada celebridade.

Arqueiro voluntarioso e destemido, costumava cortar os cruzamentos adversários com poderosos munhecaços. De reflexos rápidos, destacava-se ao defender pênaltis, mesmo dos mais calibrados oponentes.

Formando um trio com os beques Grané e Del Debbio, contribuiu decisivamente para dar ao nosso Timão o segundo tricampeonato de sua história, em 1928/29/30.

Pode ainda ser considerado nosso primeiro goleiro campeão nacional. Era quem defendia nossa meta em fevereiro de 1930, no famoso tira-teima entre os dois mais qualificados esquadrões da época: Vasco e Corinthians.

Vencemos por 4 a 2 no Parque São Jorge e confirmamos a conquista em São Januário, com um placar de 2 a 3. Detalhe: perdíamos de 2 a 0 até os 27 minutos do segundo tempo. Esse triunfo nos deu o título eterno de “campeão dos campeões”.

Mas Tuffy não era somente um bom atleta. Era considerado um cidadão intelectualmente à frente do seu tempo, um homem de bons princípios e inimigo das injustiças.

Em novembro de 1927, quando ainda defendia o Santos, foi um dos líderes da rebelião que paralisou a partida decisiva do torneio brasileiro de seleções, entre paulistas e cariocas.

Com o placar de 1 a 1, já no segundo tempo, assinalara-se um pênalti injusto contra sua meta e Tuffy iniciou uma altercação com o árbitro.

Da tribuna de honra, o então presidente da República, Washington Luís, enviou um recado aos atletas, exigindo que reiniciassem prontamente o prélio.

Com apoio de Tuffy, o artilheiro Feitiço mandou um recado ao governante: “pois fale para o Doutor Washington Luís, que lá em cima, na tribuna de honra, manda ele, mas aqui embaixo, no campo, mandamos nós, os jogadores”.

Os cariocas bateram o pênalti com o gol vazio. Escândalo nacional. E vários jogadores paulistas, inclusive Tuffy, foram suspensos da prática esportiva.

Em razão do clamor popular, o perdão veio no ano seguinte, quando o arqueiro já tinha se transferido para o Corinthians. E a torcida alvinegra promoveu uma festa para celebrar o seu retorno aos gramados.

Tuffy é lembrado como o primeiro goleiro a defender a meta do Corinthians no Parque São Jorge como território corinthiano, na partida contra o América RJ (2 a 2), em julho de 1928.

No entanto, durante bom tempo foi também conhecido como o sujeito camarada, rebelde, que botava as crianças pobres para dentro do clube, para desespero do segurança da época.

Em 1931, pagou do próprio bolso a publicação de um anúncio no jornal “A Gazeta”, conclamando cartolas e esportistas a auxiliar o jogador Tatu, que se encontrava empobrecido e enfermo.

Tratava-se de uma educada solicitação, mas também de uma crítica velada aos dirigentes e colegas que, no crepúsculo do amadorismo no futebol brasileiro, largavam à mingua atletas desfavorecidos, antes venerados como heróis em seus clubes.

Cabe lembrar que Tatu (Altino Marcondes) foi o primeiro negro a envergar, com sucesso e constância, a camisa do Corinthians, no início dos anos 1920. Foi o autor do golaço contra o Paulistano, no festejado 1 a 0 que nos deu o título de 1924.

Amante das artes, Tuffy aventurou-se naquela época também pelo mundo do cinema. Como ator, desempenhou-se com garbo no filme "Campeão de Futebol".

Gostou tanto da experiência artística que, em seguida, comprou o Penha Teatro. Ali, fazia questão de escolher o que seria exibido ao público.

Há registros, segundo o historiador Maurício Sabará, de que também assumiu um cargo de gerente no Edifício Martinelli, o mais chique e mais alto arranha-céu do Brasil na época.

Nas fotos, Tuffy expõe uma personalidade confiante, mas generosa e solidária. Na imagem histórica dos tricampeões, em 1930, abraça o companheiro Nerino Gallanti e recebe o carinho de outro ítalo-brasileiro, o famoso Filó (Amphilóquio Guarisi), que seria o primeiro futebolista brasileiro campeão do mundo, ao tomar parte na Seleção Italiana na Copa de 1934.

Tuffy, de tantas aventuras e histórias, morreu em 1935, aos 37 anos, vítima de pneumonia. Dizem que adoeceu de tanto andar pelas noites da São Paulo da garoa, em busca bons espetáculos e boas companhias.

Outros dizem que se preocupava tanto com os outros que deixava de lado os cuidados com a própria saúde.

Está sepultado no Cemitério São Paulo, em túmulo projetado pelo escultor Eugênio Prati. Reza a lenda que, em seu refúgio derradeiro, descansa com a camisa de seu amado Corinthians.

Coluna do Walter Falceta

Por Walter Falceta

Walter Falceta Jr. é paulistano, jornalista, neto de Michelle Antonio Falcetta, pintor e músico do Bom Retiro que aderiu ao Time do Povo em 1910. É membro do Núcleo de Estudos do Corinthians (NECO).

O que você achou do post do Walter Falceta?