12 detalhes de um esquenta em Itaquera

Walter Falceta

Walter Falceta Jr. é paulistano, jornalista, neto de Michelle Antonio Falcetta, pintor e músico do Bom Retiro que aderiu ao Time do Povo em 1910. É membro do Núcleo de Estudos do Corinthians (NECO).

ver detalhes

12 detalhes de um esquenta em Itaquera

Coluna do Walter Falceta

Opinião de Walter Falceta

3.1 mil visualizações 51 comentários Comunicar erro

12 detalhes de um esquenta em Itaquera

Faixa da Estopim pede esclarecimentos sobre o escândalo da merenda

Foto: Walter F. Jr.

1) Jogos na noite de sábado são, sim, agradáveis e práticos. São o esquenta para a balada. Liberam o domingão para a família.

2) Voltaram com tudo os quiosques de pernil. Na saída da arena em Itaquera, eram inúmeros, em fila, cobertura plástica e boa iluminação. O melhor, no entanto, é o aroma de futebol antigo.

3) A empresa que administra a venda de ingressos deve ser liderada por um profissional que faltou às aulas de gestão em vendas e logística.

4) Em um jogo em que a venda de momento é necessária, não havia qualquer bilheteria no lado Leste-Norte, justamente aquele que recebe o enorme fluxo dos torcedores que descem na estação Itaquera do Metrô.

5) Para a aquisição do ingresso, exigia-se um longo deslocamento até as bilheterias nas costas do Setor Oeste. Dali, o retorno para a entrada da Norte é irritante, posto que o corredor de gado tem início na ponta Norte-Leste. Um absurdo especialmente com crianças, idosos e portadores de necessidades especiais.

6) No campo, olhando-se com atenção, o Corinthians parece ainda à procura de um desenho tático. Testa-se tudo. Tite grita, aconselha, mas valoriza a livre iniciativa.

7) Sim, alguma coisa se vê. Romero entrou no lugar de Lucca, atuando avançado pela esquerda do ataque. Depois, migrou para o setor direito. Sim, os laterais, zagueiros e o goleiro estão em seus lugares? Perfeito! Mas no meio é um bolão de jogadores, cruzando-se de forma confusa, trombando-se às vezes. Parece que Tite pretende mais é ver quem tem condições de compor seu ideal time futuro. Trata-se de um peneirão em jogo de campeonato, de um esquenta para a Libertadores e para o Brasileirão.

8) Dos contratados, Guilherme parece aquele mais longe da sintonia. Giovanni Augusto, hoje, na bagunça de meio, reteve mais a bola, criou mais, evoluiu um tantinho. Lucca seguiu voluntarioso, mas pensando demais em si mesmo. Romero, em sua limitação, parece mais jogador de grupo. E tem uma disposição admirável. André? Mais uma vez emparedado pelos volantes e zagueiros adversários.

9) Rodriguinho foi o ator da tradição recente, anotar o gol decisivo nos momentos derradeiros. O elogio, no entanto, cabe se moderado. Precisa ler melhor o jogo, resolver mais rapidamente a equação tempo/espaço e distribuir com mais qualidade a bola de meio. Precisa aprender a verticalizar o passe.

10) Agora, toda torcida organizada leva a sua faixa. Beleza! É a livre expressão e uma lição aos indignados seletivos. Esta da foto é da Estopim, na ponta oriental do Setor Norte.

11) Caiu uma chuva refrescante. Os pingos são lentos e sinuosos em Itaquera, no verão ou no inverno, e a gente pode segui-los no manto de luz criado pelos refletores. É bonito.

12) Ali no topo da Norte, vi uma família de bolivianos deslumbrados com a arena. Era a primeira vez que a visitavam: a mulher, o marido e dois meninos de olhos oblíquos e brilhantes. Fizeram fotos no fim, que (se ouvi bem) seriam enviadas aos parentes no país de origem. Ação positiva e afirmativa, hoje, é acolher dignamente estes irmãos imigrantes, sejam bolivianos, peruanos, haitianos ou nigerianos. Afinal, somos uma mistura lindíssima de diversidades, daqueles que encontram no Corinthians a oportunidade da vez e da voz. Honremos esta missão.

Coluna do Walter Falceta

Por Walter Falceta

Walter Falceta Jr. é paulistano, jornalista, neto de Michelle Antonio Falcetta, pintor e músico do Bom Retiro que aderiu ao Time do Povo em 1910. É membro do Núcleo de Estudos do Corinthians (NECO).

O que você achou do post do Walter Falceta?