Para começar com o pé direito (ou o esquerdo, ou de cabeça, tanto faz!)

Yule Bisetto

Não dou notícia, não sei de bastidores, não faço análise tática. Sou CORINTHIANS de coração e adoro escrever sobre isso. Qualquer coisa além disso, não vai encontrar aqui.

ver detalhes

Para começar com o pé direito (ou o esquerdo, ou de cabeça, tanto faz!)

Coluna da Yule Bisetto

Opinião de Yule Bisetto

2.4 mil visualizações 77 comentários Comunicar erro

Para começar com o pé direito (ou o esquerdo, ou de cabeça, tanto faz!)

Foto: Agência Corinthians

Fala, Fiel!

Para começar bem a Libertadores, o Corinthians não precisa fazer muita coisa. É só demonstrar em campo todo o trabalho que vem sendo feito, os sacrifícios, os sofrimentos, as lições aprendidas, as dificuldades contornadas.

Eu me lembro de dois momentos importantes relacionados a este tema.

O primeiro deles, é a Libertadores de 2006. Recém-tetra-campeões, nós tínhamos Tevez e Nilmar, e eu achava que nós iríamos conquistar o mundo.

Só que não.

Daquela vez, eu aprendi muita coisa, dentre elas: não existe cortar caminho para um time que quer ser vencedor; toda contratação grandiosa vem acompanhada de uma cobrança maior ainda; ninguém chega para ser campeão, mas TRABALHA para ser campeão.

Isso me leva ao segundo momento: o dia em que alguém falou em algum lugar (sinceramente, não lembro quem nem onde) que para sermos campeões da Libertadores, precisávamos JOGAR A LIBERTADORES. Sempre. Todo ano. Iríamos perder, eventualmente. Mas só assim iríamos ganhar.

Sim, é verdade. Para podermos vencer, sempre deve existir a possibilidade de perder. A questão é como vamos enfrentar essa queda e como vamos dar a volta por cima.

MAS, YULE, JÁ ESTÁ ACHANDO QUE VAMOS PERDER ESSE JOGO????

Não, meu povo, muito pelo contrário. Quero dizer que a derrota do ano passado não me abalou, porque apenas me preparou para essa estreia em 2016.

Eu tenho convicção de que o Corinthians vai voltar sempre maior e sempre mais forte após cada revés. Vai ter mais vontade, vai se dedicar um pouquinho mais. É disso que a gente vive.

Em 2011, perdemos para o Tolima. Fomos campeões Brasileiros e destruímos na Libertadores em 2012. Ano passado, foi o Guarani. E fomos hexa.

Longe de mim prever um título por conta desse retrospecto. Apenas observo que o histórico nos é favorável e o título é completamente possível. Precisamos, apenas, de algumas vitórias.

E essas vitórias virão de onde? De um caminhão de dinheiro da máfia birmanesa? Da armadura de bronze dos cavaleiros do zodíaco? Da decisão de algum ministro do STF???

NÃO!!!

As vitórias serão reflexos do esforço diário e do trabalho duro da nossa equipe, das escolhas do nosso excelente treinador. Da força da gente na arquibancada. Do apoio incondicional durante toda a partida, todas as partidas.

A maior parte do trabalho, já foi feita.

Agora, chegou a hora de ser e de mostrar o que sempre fomos e queremos sempre ser: CORINTHIANS.

VAAAAAAAAAAI, CORIIIIIIIINTHIAAAAAAAAAAANSSSSS!!!!!!!

Coluna da Yule Bisetto

Por Yule Bisetto

Não dou notícia, não sei de bastidores, não faço análise tática. Sou CORINTHIANS de coração e adoro escrever sobre isso. Qualquer coisa além disso, não vai encontrar aqui.

O que você achou do post da Yule Bisetto?