Gobbi fala em "resguardar direitos" dos presos em papo com ministros

Gobbi fala em "resguardar direitos" dos presos em papo com ministros

Gobbi fala em "resguardar direitos" dos presos em papo com ministros

Gobbi fala em "resguardar direitos" dos presos em papo com ministros

O site oficial do Corinthians confirmou que o presidente do clube, Mário Gobbi, vai a Brasília encontrar-se com os ministros da Justiça e das Relações Exteriores. Nas conversas com José Eduardo Cardozo e Antônio Patriota, respectivamente, o cartola promete pedir respeito ao direito de defesa dos 12 corintianos que seguem presos na Bolívia.

'O objetivo dos encontros é resguardar o direito a ampla defesa do cidadão brasileiro, que consta no artigo 5 da nossa Constituição e na Declaração Universal de Direitos Humanos?, disse o presidente ao site do clube.

As reuniões já estavam marcadas desde o início da semana passada, mas foram adiadas para esta quarta. Segundo o Corinthians, Gobbi vai se encontrar com José Eduardo Cardozo às 16h30 e, na sequência, às 18h, falará com Antônio Patriota.

A ideia do cartola é discutir a situação dos cidadãos detidos em Oruro, na Bolívia. Os 12 torcedores organizados estão presos desde o fim de fevereiro, quando o jovem Kevin Espada, de apenas 14 anos, morreu atingido por um sinalizador de navio atirado por corintianos que assistiam à partida entre San Jose e o clube do Parque São Jorge, pela rodada inicial da Copa Libertadores.

O grupo foi detido pela polícia boliviana e responde pelo incidente. O Corinthians, em seu site oficial, diz que eles vivem em 'situação precária e perigosa'. Há duas semanas, a revista IstoÉ fez uma matéria sobre a situação dos torcedores e relatou que eles teriam sido expostos a um frio intenso como forma de tortura.

'Como cidadãos, independentemente de serem brasileiros e corinthianos, os presos têm os seus direitos violados, além de serem mantidos em situação precária e perigosa. Como presidente do Corinthians e cidadão brasileiro, vou trabalhar para defendê-los', disse Mário Gobbi.

No último fim de semana, o presidente já havia desabafado sobre a situação. 'Quero saber dos 12 presos. Quem é o culpado pela morte de Kevin? Como é que você vai manter alguém preso sem prova, isso é uma coisa de louco. A nojeira é muito grande. Eu não durmo de saber dessa brutalidade, que é maior que a morte do Kevin. Querem pagar a morte dele com essa brutalidade, torturando, sequestrando, mantendo presos', disse Gobbi após a vitória por 2 a 1 sobre o São Paulo.

A postura indignada destoa da cautela adotada inicialmente pelo clube. A mudança se deve ao fim do julgamento esportivo ao qual o Corinthians foi submetido à morte de Kevin. Antes de cogitar intervir em nome dos 12 presos de Oruro, a diretoria temia sofrer algum tipo de consequência pela postura. Com essa chance descartada, decidiu agir neste sentido.

Fonte: Terceiro Tempo

Veja Mais:

  • Guilherme Siqueira foi contratado pelo Atlético de Madrid em 2014

    Ex-Atlético de Madrid, lateral ítalo-brasileiro é sondado pelo Corinthians

    ver detalhes
  • Artilheiro do Brasileirão, Jô pode levar novo gancho do STJD

    Jô e Clayson, do Corinthians, voltam a ser julgados no STJD

    ver detalhes
  • O diário da invasão -  Cinco anos de um feito histórico

    [Rafael Castilho] O diário da invasão - Cinco anos de um feito histórico

    ver detalhes
  • Antonio Roque Citadini é candidato da oposição à presidência do Timão

    Em defesa à Arena, Citadini lembra crime fiscal de Andrés: 'Arrebentou com as finanças'

    ver detalhes

Comente a notícia:

Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a comentar!

  • 1000 caracteres restantes