No Halloween, escalamos o time do terror com os mais terríveis ex-jogadores do Timão

90 mil visualizações 266 comentários

Por Meu Timão

Escalação do Terror do Timão

Escalação do Terror do Timão

Montagem / Meu Timão

Neste sábado, dia 31 de outubro, é comemorado o Halloween, ou Dia das Bruxas. Aqui no Brasil, apesar de ser só motivo para festas, o dia também é lembrado. Por isso, o MEU TIMÃO resolveu homenagear essa data e fazer uma brincadeira envolvendo os jogadores do Corinthians.

Com a opinião de todos que trabalham aqui no site, criamos, então, o Corinthians do Terror. Um time completo, com 11 jogadores e técnicos, que aterrorizaram os torcedores do Timão.

Confira os 11 jogadores do Corinthians do Terror

Goleiro - Johnny Herrera

O chileno Johnny Herrera foi contratado pelo Timão em fevereiro de 2006. Em uma partida contra o rival São Paulo, acabou falhando e se tornou a terceira opção para a meta corinthiana. Sem espaço no clube, retornou à sua terra natal na temporada seguinte. Por aqui, disputou apenas nove partidas e sofreu incríveis 13 gols com o manto alvinegro.

Lateral-direito - Moacir

Recém-campeão da Copa do Brasil (2009), o Timão foi ao mercado em busca de reforços para a disputa da Libertadores. Destaque no Sport, o lateral-direito acabou contratado para compor o elenco alvinegro. Em um dos jogos como titular, cometeu pênalti em cima de Juan, do Flamengo, e foi um dos responsáveis pela eliminação do Corinthians na competição.

Zagueiro - Zelão

Torcedor corinthiano: você sabe quantas vezes o Timão foi vazado no Campeonato Brasileiro de 2007? Boa parte dos 50 gols sofridos se deve ao sistema defensivo da equipe alvinegra, no qual Zelão integrava. O beque disputou 35 partidas com o manto alvinegro, mas não deixou saudades no Parque São Jorge. No ano seguinte, se transferiu para a Rússia.

Zagueiro - Marinho

Marinho chegou ao Corinthians em 2005, após boa passagem pelo Atlético-PR. Apesar da titularidade, entrou para a história do clube ao ser um dos responsáveis pelo rebaixamento do clube à segunda divisão do Campeonato Brasileiro. Ao fim da temporada, o beque deixou o Timão e se transferiu para a Ponte Preta, se aposentando dos gramados dois anos depois.

Lateral-esquerdo - Escudero

Formado nas divisões de base do Racing, da Argentina, Escudero foi contratado pelo Corinthians em 2009. Pouco tempo depois, o argentino sofreu uma grave lesão no joelho e ficou afastado por quase toda a temporada. Apesar da raça, o lateral teve atuações assustadoras com o manto alvinegro, além de ser lembrado pelo excesso de cartões.

Volante - Perdigão

Perdigão foi um dos jogadores mais emblemáticos da história do futebol brasileiro. Apelidado por conta do pai, dono de uma marca de frios, o volante chegou ao Parque São Jorge em 2008. Ao todo, defendeu o manto alvinegro em 22 oportunidades na temporada, número suficiente para deixar o clube e acertar com o São Caetano no ano seguinte.

Volante - Ibson

A passagem de Ibson pelo Parque São Jorge foi apavorante. Revelado no Flamengo, o volante passou por alguns clubes expressivos do Velho Continente, como Porto (POR) e Spartak Moscou (RUS), antes de assinar com o Corinthians. Foram apenas 26 jogos disputados com o manto alvinegro, nenhum gol e atuações inesquecíveis para a Fiel.

Meia-atacante - Bóvio

Se há um jogador que mereça atenção especial nesta seleção, este é Ricardo Souza Bóvio. Formado no Vasco da Gama, o volante defendeu as cores do Málaga (ESP) antes retornar ao futebol brasileiro. Em 2008, reforçou o Corinthians no acesso à elite do Campeonato Brasileiro, mas se tornou o inimigo número um da bola. Deixou o clube após 14 partidas e nenhum gol.

Meia-atacante - Defederico

Chamado de “Novo Messi”, Defederico chegou ao Timão em 2009 após início promissor no Huracán, da Argentina. Com status de promessa, o argentino foi contratado por incríveis R$ 10 milhões, mas nunca fez jus às cifras. Em 38 jogos com a camisa alvinegra, marcou gols em apenas três ocasiões. No fim de 2010, foi emprestado ao Independiente até o fim de seu vínculo.

Atacante - Régis Pitbull

Régis Pitbull iniciou sua carreira como atacante no Comercial-SP em 1996. Após rodar por vários clubes do Brasil e da Europa, chegou ao Timão junto com Adrianinho, no grande “pacotão” de 2004. Corinthiano fanático, demonstrou sua total falta de categoria no Parque São Jorge por pouco tempo - após sete jogos pela equipe alvinegra acabou dispensado e, mais tarde, acertou com a Portuguesa.

Atacante - Clodoaldo

Clodoaldo fez parte de um dos momentos mais difíceis da história corinthiana. Em 2007, o centroavante foi titular na péssima campanha do Timão no Campeonato Brasileiro. Foram apenas cinco gols em 20 partidas disputadas, muita raça e técnica zero. Acabou emprestado a uma série de clubes até o fim do contrato com o time do Parque São Jorge.

Técnico - Adílson Batista

Adílson Batista chegou ao Corinthians em 2010, após a saída de Mano Menezes para a Seleção Brasileira. Apesar de rápida, sua passagem pelo Parque São Jorge foi aterrorizante: em 17 jogos, somou sete vitórias, quatro empates e seis derrotas, aproveitamento que tirou do Timão o pentacampeonato brasileiro na época. Após ficar cinco partidas sem vencer, pediu demissão à diretoria corinthiana.

Veja Mais:

  • VÍDEO: Mário Gobbi lança candidatura à presidência do Corinthians (2021/23); assista

    ver detalhes
  • Corinthians conquista Libertadores pela primeira vez em 4 de julho de 2012

    Corinthians batia Boca Juniors e conquistava Libertadores há exatos oito anos; relembre o feito

    ver detalhes
  • VÍDEO: Compare as imagens e entenda a polêmica da nova camisa do Corinthians (suposto modelo)

    ver detalhes
  • Fabinho, último da esquerda para a direita, fez a jogada que resultou no gol de Tupãzinho

    Campeão em 90 vibra com nova camisa do Corinthians e lembra: 'Foi na base de muita raça'

    ver detalhes
  • Bruno Bertucci e Lulinha atuaram juntos no profissional do Corinthians

    'Famosa geração Lulinha': ex-Corinthians lembra 'Timãozinho 90' e faz comparação com Dentinho

    ver detalhes
  • Modernizar o futebol não é questão de gosto, é de sobrevivência

    [Danilo Augusto] Modernizar o futebol não é questão de gosto, é de sobrevivência

    ver detalhes

Últimas notícias do Corinthians

Comente a notícia: