Ídolo nos anos 50, Cabeção recebe homenagem de torcedores

Um dos maiores goleiros da história do Corinthians, Cabeção recebeu uma homenagem dos torcedores neste sábado
50 anos depois de defender o Corinthians pela última vez, Cabeção recebe homenagem

50 anos depois de defender o Corinthians pela última vez, Cabeção recebe homenagem

Foto: Meu Timão

Último sobrevivente entre os grandes nomes do esquadrão corinthiano dos anos 50, Luiz Moraes, o Cabeção, recebeu uma homenagem de um grupo de torcedores na tarde deste sábado, em cerimônia acompanhada pelo Meu Timão. Em sua casa, localizada no bairro do Tatuapé, zona leste de São Paulo, o ex-goleiro recebeu uma placa comemorativa “pelos nobres serviços prestados à nação corinthiana”.

Aos 85 anos, Cabeção não escondeu sua felicidade e agradeceu muito por receber a homenagem tanto tempo após defender o Corinthians.

“Quem tem de agradecer sou eu. Fiz tudo que foi possível na minha época de Corinthians. Fui corinthiano toda essa época. Lutei briguei e ganhei. Fico muito satisfeito por ainda ser lembrado depois de 50 anos. Agradeço de todo coração a essa homenagem. É uma satisfação porque sei que muitos nem me viram jogar. É prazer todos os jovens ainda se lembrarem de minha história no Corinthians”, afirmou.

Cria do tradicional terrão corinthiano, Cabeção defendeu o clube do Parque São Jorge a partir de 1949 e, entre idas e vindas com outras equipes, encerrou sua história como jogador do time alvinegro em 1966, há exatamente 50 anos. Durante esse período, disputou 326 jogos, sendo 192 vitórias, 69 empates e 65 derrotas. Ao relembrar os momentos do passado, Cabeção demonstrou saudade, porém fez ressalvas sobre o futebol atual.

“Faria tudo de novo. Mas hoje o futebol mudou. As coisas mudaram. Antes tudo era mais tranquilo. Ir no campo com as brigas prefiro até ficar em casa. Mas é inegável que o futebol está no sangue do brasileiro”, explicou.

Além de defender a meta alvinegra, o ex-goleiro também tem história com o Corinthians fora das quatro linhas. Primeiro goleiro a utilizar luvas no Brasil, ele também foi treinador de times da base e é sócio número 2.051 do clube, com filiação desde 1942.

Um dos grandes nomes que ajudaram a tornar o Corinthians o que ele é hoje, Cabeção projetou ainda mais sucesso para a equipe e, ao falar do time atual, repetiu o discurso de Tite e pediu calma à torcida.

“O Corinthians é o maior clube do Brasil e vai se igualar com os da Europa. Foi campeão e já contrata jogadores caros. Agora com a reformulação vai começar tudo de novo. A juventude tem que ter paciência porque nem sempre vai acontecer igual há dois três anos atrás”, concluiu o ídolo corinthiano, que tem suas mãos marcadas na Calçada da Fama do Memorial do Corinthians.

Walter Falceta Jr., membro do Núcleo de Estudos Corinthians e colunista do Meu Timão, publicou no final de fevereiro uma entrevista com o ex-jogador e relembrou momentos importantes do período em que Luiz Morais defendeu a camisa alvinegra.

Ídolo nos anos 50, Cabeção recebe homenagem de torcedores Ídolo nos anos 50, Cabeção recebe homenagem de torcedores 27

Veja Mais:

  • Fábio Mahseredjian integra a seleção

    Preparador físico finaliza trabalho com o Corinthians e se junta a Seleção

    ver detalhes
  • Pato não é mais jogador do Corinthians

    Corinthians anuncia oficialmente saída de Alexandre Pato

    ver detalhes
  • Apesar da maior torcida, Corinthians faturou menos que o Palmeiras

    Corinthians é ultrapassado por rival no ranking dos clubes que mais faturam

    ver detalhes
  • 'Locospirose' - Pato foi protagonista de campanha publicitária do Timão antes de ser apresentado

    Da apresentação badalada à venda ao Villarreal: trajetória de Pato no Timão chega ao fim

    ver detalhes

Comente a notícia:

  • 1000 caracteres restantes