Com ídolo Wladimir, grupo de corinthianos se reúne em movimento 'Canto da Democracia'

Com ídolo Wladimir, grupo de corinthianos se reúne em movimento 'Canto da Democracia'

Por Meu Timão

1.9 mil visualizações 151 comentários Comunicar erro

Wladimir e Chico Malfitani participaram de evento 'Canto da Democracia'

Wladimir e Chico Malfitani participaram de evento 'Canto da Democracia'

Foto: Charles Trigueiro

Na noite da última quinta-feira, um grupo de cerca de 200 corinthianos se juntou às manifestações do Canto da Democracia. O grupo, liderado pelo ex-atleta Wladimir, fez uma manifestação apartidária com bandeiras e camisas do Corinthians, em dia que lembrou os 52 anos do Golpe Militar de 1964.

Entitulado "Coletivo Democracia Corinthiana", o grupo fez questão de manifestar caráter independente e desligado da situação política do clube e das Torcidas Organizadas. Além de Wladimir, estavam presentes nomes como o dos jornalistas Chico Malfitani, um dos fundadores dos Gaviões da Fiel e Antonio Carlos Fon, um dos responsáveis pela emblemática faixa "Anistia ampla, geral e irrestrita" levantada pela Fiel em 1979.

Os manifestantes também tiveram chancela de Katia Bagnarelli, viúva do ídolo Sócrates, que apoiou o movimento que carregava imagens do "doutor" corinthiano em estandartes com as frases "Liberdade e Justiça" e "Sempre com Democracia". Reunidas, as pessoas marcharam da Estação Liberdade até a Praça da Sé, entoando cânticos corinthianos.

A pauta do movimento defende o combate à corrupção, mas com respeito à democracia e ao resultado das últimas eleições, de acordo com o texto de seu manifesto: "É óbvio que todo corinthiano deseja vigor no combate à corrupção. Ele sabe que ela atrasa o crescimento econômico, prejudica a atividade empreendedora, promove a injustiça e, por fim, tira o pão da mesa dos mais humildes" declaram.

O nome do grupo faz menção ao movimento histórico que aconteceu dentro do clube, encabeçado por Adílson Monteiro, Sócrates, Casagrande e Wladimir. Iniciado no campo, o movimento ajudou no processo de redemocratização do Brasil quando transformou o futebol em espaço de debate político durante o período da Ditadura Militar.

Veja Mais:

  • Renê Júnior sentiu dores no treinamento da última terça-feira

    Ralf e Renê Júnior passam por cirurgias e desfalcam Corinthians por longos períodos

    ver detalhes
  • Contratado em 2016, Bruno Paulo nem estreou oficialmente pelo Corinthians

    Corinthians acerta empréstimo de atacante Bruno Paulo, encostado desde o início da temporada

    ver detalhes
  • Torcida confia em três principais opções para o gol do Corinthians

    Dia do Goleiro: a situação de cada um dos nomes do Corinthians para a posição

    ver detalhes
  • Corinthians de Fagner não conseguiu estufar as redes do Barradão nesta quarta

    Corinthians aposta na defesa, sai ileso do Barradão e segue vivo na Copa do Brasil

    ver detalhes

Comente a notícia:

  • 1000 caracteres restantes