Às véspera de Dérbi, presidente detona torcida única e cita emboscada de santistas

Às véspera de Dérbi, presidente detona torcida única e cita emboscada de santistas

Por Lucas Mariano

Roberto de Andrade disse que violência não acontece dentro dos estádios

Roberto de Andrade disse que violência não acontece dentro dos estádios

Foto: Agência Corinthians

A entrevista coletiva após o treino desta sexta-feira foi diferente. Além de Tite, que costuma conversar com os jornalistas antes das partidas, quem também compareceu à sala de imprensa do CT Joaquim Grava foi Roberto de Andrade. Pronto para “esclarecer algumas coisas”, o presidente fez duras críticas à decisão de que os clássicos sejam disputados com torcida única.

“Se tivesse poder para mudar, mudaria ontem. Queria passar para o torcedor que o Corinthians fez todos os esforços para que isso não acontecesse. Conversamos com todas instâncias do judiciário para que isso fosse revertido. Eu, particularmente, acho uma medida descabida. Acho desnecessário para o futebol e um desrespeito ao cidadão. O torcedor do Corinthians nunca ficou ausente em um jogo. Acho um absurdo. Se isso fosse resolver a violência do pais, eu daria nossa contribuição, Mas não vai resolver e não está resolvendo”, disse o dirigente, garantindo que a violência acontece fora dos estádios e não dentro dele.

“Não foi noticiado, mas no jogo do Santos teve emboscada dos torcedores do Santos e teve seis corinthianos hospitalizados. Não está resolvendo. A confusão que presenciamos está acontecendo fora do estádio. Dentro não tem problema nenhum, a policia sabe trabalhar, tem a divisão das torcidas... Na minha visão é uma medida muito drástica, não esta resolvendo e não vai resolver. Fizemos o possível e o impossível e o futebol está caminhando para o fim”, completou.

Além de garantir que o Corinthians fez o máximo para reverter a decisão, que foi imposta pela Secretária de Segurança Pública do Estado de São Paulo após o conflito entre palmeirenses e corinthianos no primeiro dérbi do ano, Roberto de Andrade ressaltou o quanto isso é prejudicial para o clube e para o futebol.

“Acho que não dá para quantificar. Primeiro que é uma situação inusitada. Isso para o corinthiano é a morte. Lamentamos. Eu sei que o prejuízo é grande. A gente sabe disso. Torcedor empurra o time em qualquer lugar do mundo. Vamos jogar aqui do lado e o torcedor não pode comparecer porque alguém achou prejudicial. É uma tristeza, mas temos que acolher”, finalizou o presidente.

Ao lado do dirigente, Tite também lamentou a decisão, mas foi mais discreto ao comentar sobre a situação que viverá na partida deste domindo.

“Sem julgar, mas me posicionando. A primeira coisa que eu tenho é lamentar. Lembro que aqui mesmo nessa sala veio um procurador do Ministério Público e nos orientou para não falar nada, cuidar dos gestos. Ai eu ficava pensando, como posso pensar em um espetáculo e contribuir para que as coisas não acontecessem dessa forma? Aí vemos que a coisa é muito mais ampla, de corrupção, violência, desigualdade social. E o futebol é mais um dos elementos que participam disso tudo”, analisou o treinador.

Veja Mais:

  • Cerca de 200 integrantes de organizadas foram ao Pacaembu neste domingo

    Ato de organizadas tem gritos de 'Vamo Chape' e pedido por liberdade nos estádios

    ver detalhes
  • Kalil, à direita de Roberto de Andrade, pediu licença de 60 dias

    Vice-presidente solicita licença do cargo e dispara contra diretoria do Corinthians

    ver detalhes
  • Bruno César anotou o segundo gol na vitória por 2 a 0

    Ex-jogador do Corinthians marca golaço de falta e dedica à Chapecoense; veja o vídeo

    ver detalhes
  • Filha dá resposta sensacional ao pai palmeirense: 'Vai, Corinthians'

    Pai força garotinha a cantar música do Palmeiras, e ela surpreende com um 'Vai, Corinthians!'

    ver detalhes

Comente a notícia:

  • 1000 caracteres restantes