Documentário conta história da Democracia Corinthiana

Documentário conta história da Democracia Corinthiana

O ano era 1983. O Corinthians entra no gramado do Morumbi, onde disputaria a final do Campeonato Paulista contra o São Paulo. Nas mãos dos jogadores, uma enorme faixa dizia: "Ganhar ou perder, mas sempre com a Democracia". Então um clube que ainda lutava para conquistar um lugar entre os mais bem sucedidos do Brasil, o Corinthians embalava sua torcida com um elenco que ganhava mais à medida que jogadores e dirigentes decidiam juntos os rumos em campo e fora dele.

Os corintianos antecipavam o espírito que aos poucos tomaria conta do país, culminando na campanha "Diretas Já", em 1984. O Brasil queria democracia e o futebol se misturava à política para dar amplitude a esse desejo. Esta história será contada pelo filme Democracia em Preto-e-Branco, de Pedro Asbeg, a ser finalizado ainda em 2013.

Asbeg entrevistou personalidades do mundo do futebol e de fora dele, como os ex-presidentes Fernando Henrique Cardoso e Luiz Inácio Lula da Silva, o escritor Marcelo Rubens Paiva e o publicitário Washington Olivetto.

O filme também mostra a gênese de um astro conhecido por sua genialidade para além das quatro linhas, Sócrates.

"O período que vai de 1982 a 1984, a chamada Democracia Corinthiana, é único, não existe nada igual no futebol. Começa com a volta do Sócrates da Copa do Mundo da Espanha e vai até meados de 1984, quando a emenda das Diretas Já é derrubada pelo Congresso e ele, desiludido, vai jogar na Itália", detalha Asbeg em entrevista à BBC Brasil.

Diretor de diversos curta-metragens sobre futebol, boa parte deles sobre ídolos do Flamengo, seu time de coração, Asbeg também mostra em Democracia em Preto-e-Branco outro femômeno associado à redemocratização no país, o chamado Rock Brasil, que conquistou os craques rebeldes - como o atacante Walter Casagrande e o próprio Sócrates.
Destacam-se no filme canções do período, como Inútil, da banda Ultraje a Rigor, que questiona a capacidade do povo brasileiro de falar e votar corretamente, e ainda Tédio (com um T bem grande pra você), interpretada pela Legião Urbana, um retrato da rebeldia dos punks de Brasília.

"O filme mostra como o trinômio Futebol, Política e Rock and Roll mudou a história do país", complementa Asbeg.

Em seus depoimentos ao longa-metragem, os ex-presidentes FHC e Lula concordam com o diretor. O primeiro diz que a "efervescência" da Democracia Corinthiana acelerou a velocidade das mudanças, dada a capacidade de mobilização do futebol. Já Lula qualifica o período como "Era de Ouro do Corinthians", e lembra que a vitória em campo deu legitimidade ao sistema mais participativo implementado no clube e mostrou ao povo a importância do voto.
O pontapé inicial

A situação no Corinthians em 1981 era de crise. O time havia sido rebaixado para a Taça de Prata e estava fora das finais do Campeonato Paulista. O novo presidente do clube, Valdemar Pires, do mesmo grupo do polêmico e centralizador Vicente Matheus, sentia a pressão da torcida, a Fiel, por resultados. Aos poucos, Pires cedeu espaço à crescente mobilização dos jogadores.

No final daquele ano, o time faz uma excursão pela América Central na qual o elenco decidiu que dois de seus integrantes - a estrela Paulo César Caju e o goleiro Rafael - não partilhavam do espírito do grupo, e deveriam sair.

Na sequência, com a nomeação como diretor de futebol do sociólogo Adílson Monteiro Alves, que era filho de um antigo diretor do clube, a voz dos jogadores se tornaria ainda mais audível. "Jovem de cabeça aberta", nas palavras de Valdemar Pires, Adílson apoiou as propostas dos integrantes mais politizados do grupo, como Sócrates e o lateral Wladimir.

"O Corinthians era a metáfora perfeita para a situação no país. Vinha de um comando autoritário, do Vicente Matheus, estava em crise e seus jogadores ansiavam por mais participação. Assim como o país inteiro", compara Asbeg, se referindo ao ano de 1982, quando o país teve suas primeiras eleições gerais para governador desde o início do regime militar, embora ainda fosse comandado por um general.

"Por isso, quando o publicitário Washington Olivetto ouviu falar do que estava ocorrendo dentro do clube, chamou aquilo de Democracia Corinthiana. O termo pegou e acabou ajudando o Corinthians a sair da lama e a se tornar um clube nacional, que viria a ser consagrado nas décadas seguintes", diz Asbeg.

Com craques em campo como Casagrande, Zenon, Juninho, Wladimir e Biro-Biro, e ao redor da força crítica de Sócrates, o Corinthians seria bicampeão paulista em 1982 e 1983, o que não ocorria havia 30 anos.

"Comecei a gostar. Comecei a me sentir um cidadão", relembra o atacante Walter Casagrande, no filme.

Fonte: Diario de Pernambuco

Veja Mais:

  • Índio deu a vitória ao Corinthians/UNIP

    Com gol no fim, Corinthians vira para cima do Sorocaba e se aproxima do título nacional

    ver detalhes
  • Oswaldo comandou atividades desta segunda-feira

    Oswaldo esboça Corinthians para duelo com Cruzeiro; veja provável escalação

    ver detalhes
  • Oya é um dos destaques do Timão na disputa no Sul do Brasil

    Timão joga bem, mas não impede segunda derrota na Copa Internacional Sub-20

    ver detalhes
  • Dispensado do Corinthians, Willians se pronuncia em rede social

    Dispensado do Corinthians, Willians se pronuncia em rede social

    ver detalhes

Comente a notícia:

  • 1000 caracteres restantes