Documentário conta história da Democracia Corinthiana

Documentário conta história da Democracia Corinthiana

O ano era 1983. O Corinthians entra no gramado do Morumbi, onde disputaria a final do Campeonato Paulista contra o São Paulo. Nas mãos dos jogadores, uma enorme faixa dizia: "Ganhar ou perder, mas sempre com a Democracia". Então um clube que ainda lutava para conquistar um lugar entre os mais bem sucedidos do Brasil, o Corinthians embalava sua torcida com um elenco que ganhava mais à medida que jogadores e dirigentes decidiam juntos os rumos em campo e fora dele.

Os corintianos antecipavam o espírito que aos poucos tomaria conta do país, culminando na campanha "Diretas Já", em 1984. O Brasil queria democracia e o futebol se misturava à política para dar amplitude a esse desejo. Esta história será contada pelo filme Democracia em Preto-e-Branco, de Pedro Asbeg, a ser finalizado ainda em 2013.

Asbeg entrevistou personalidades do mundo do futebol e de fora dele, como os ex-presidentes Fernando Henrique Cardoso e Luiz Inácio Lula da Silva, o escritor Marcelo Rubens Paiva e o publicitário Washington Olivetto.

O filme também mostra a gênese de um astro conhecido por sua genialidade para além das quatro linhas, Sócrates.

"O período que vai de 1982 a 1984, a chamada Democracia Corinthiana, é único, não existe nada igual no futebol. Começa com a volta do Sócrates da Copa do Mundo da Espanha e vai até meados de 1984, quando a emenda das Diretas Já é derrubada pelo Congresso e ele, desiludido, vai jogar na Itália", detalha Asbeg em entrevista à BBC Brasil.

Diretor de diversos curta-metragens sobre futebol, boa parte deles sobre ídolos do Flamengo, seu time de coração, Asbeg também mostra em Democracia em Preto-e-Branco outro femômeno associado à redemocratização no país, o chamado Rock Brasil, que conquistou os craques rebeldes - como o atacante Walter Casagrande e o próprio Sócrates.
Destacam-se no filme canções do período, como Inútil, da banda Ultraje a Rigor, que questiona a capacidade do povo brasileiro de falar e votar corretamente, e ainda Tédio (com um T bem grande pra você), interpretada pela Legião Urbana, um retrato da rebeldia dos punks de Brasília.

"O filme mostra como o trinômio Futebol, Política e Rock and Roll mudou a história do país", complementa Asbeg.

Em seus depoimentos ao longa-metragem, os ex-presidentes FHC e Lula concordam com o diretor. O primeiro diz que a "efervescência" da Democracia Corinthiana acelerou a velocidade das mudanças, dada a capacidade de mobilização do futebol. Já Lula qualifica o período como "Era de Ouro do Corinthians", e lembra que a vitória em campo deu legitimidade ao sistema mais participativo implementado no clube e mostrou ao povo a importância do voto.
O pontapé inicial

A situação no Corinthians em 1981 era de crise. O time havia sido rebaixado para a Taça de Prata e estava fora das finais do Campeonato Paulista. O novo presidente do clube, Valdemar Pires, do mesmo grupo do polêmico e centralizador Vicente Matheus, sentia a pressão da torcida, a Fiel, por resultados. Aos poucos, Pires cedeu espaço à crescente mobilização dos jogadores.

No final daquele ano, o time faz uma excursão pela América Central na qual o elenco decidiu que dois de seus integrantes - a estrela Paulo César Caju e o goleiro Rafael - não partilhavam do espírito do grupo, e deveriam sair.

Na sequência, com a nomeação como diretor de futebol do sociólogo Adílson Monteiro Alves, que era filho de um antigo diretor do clube, a voz dos jogadores se tornaria ainda mais audível. "Jovem de cabeça aberta", nas palavras de Valdemar Pires, Adílson apoiou as propostas dos integrantes mais politizados do grupo, como Sócrates e o lateral Wladimir.

"O Corinthians era a metáfora perfeita para a situação no país. Vinha de um comando autoritário, do Vicente Matheus, estava em crise e seus jogadores ansiavam por mais participação. Assim como o país inteiro", compara Asbeg, se referindo ao ano de 1982, quando o país teve suas primeiras eleições gerais para governador desde o início do regime militar, embora ainda fosse comandado por um general.

"Por isso, quando o publicitário Washington Olivetto ouviu falar do que estava ocorrendo dentro do clube, chamou aquilo de Democracia Corinthiana. O termo pegou e acabou ajudando o Corinthians a sair da lama e a se tornar um clube nacional, que viria a ser consagrado nas décadas seguintes", diz Asbeg.

Com craques em campo como Casagrande, Zenon, Juninho, Wladimir e Biro-Biro, e ao redor da força crítica de Sócrates, o Corinthians seria bicampeão paulista em 1982 e 1983, o que não ocorria havia 30 anos.

"Comecei a gostar. Comecei a me sentir um cidadão", relembra o atacante Walter Casagrande, no filme.

Fonte: Diario de Pernambuco

Veja Mais:

  • Wladimir será o mais novo colunista do Meu Timão

    Herói de 77 será colunista do Meu Timão

    ver detalhes
  • Dudu revelou que jogadores do Palmeiras tinham conhecimento de confusão feita pelo árbitro no clássico

    Atacante palmeirense diz por que não avisou árbitro de erro em expulsão de Gabriel

    ver detalhes
  • Jadson treinou nesta quinta-feira e não será problema para final no Moisés Lucarelli

    Jadson volta, e Carille ensaia escalação do Corinthians para primeira decisão do Paulista

    ver detalhes
  • Fiel esgotou bilhetes colocados à venda no Fiel Torcedor

    Em menos de uma hora, torcida do Corinthians esgota ingressos para decisão do Paulista

    ver detalhes

Comente a notícia:

  • 1000 caracteres restantes