De Amarilla a desabafo de Fagner: Timão também foi prejudicado em torneios recentes da Conmebol

37 mil visualizações 180 comentários

Tite cumprimentou Amarilla em forma de protesto: "Fui cínico"

Tite cumprimentou Amarilla em forma de protesto: "Fui cínico"

Daniel Augusto Jr./Agência Corinthians

Entre a noite de quarta e a manhã desta quinta-feira, o assunto entre os fãs de futebol brasileiro foi um só: os erros das arbitragens sul-americanas contra times do Brasil. O prejudicado da vez foi o Cruzeiro, que teve Dedé expulso em lance completamente normal, mesmo com o uso do VAR (árbitro de vídeo).

Com mais uma decisão revoltante, desta vez do paraguaio Eder Aquino, a internet foi tomada pela revolta dos torcedores, que lembraram de outros casos. O mais famoso deles em 2013, quando Carlos Amarilla e sua equipe de arbitragem prejudicaram o Corinthians diante do mesmo Boca Juniors, beneficiado na noite desta quarta-feira. O caso, porém, não é o único envolvendo o Timão.

Focando apenas nos últimos anos e nos casos mais recentes, pelo menos três partidas da equipe alvinegra causaram revolta na Fiel, nos dirigentes e nos jogadores do clube. No ano em que o Corinthians venceu a Libertadores, por exemplo, Mário Gobbi desabafou de forma muito pesada contra as decisões do árbitro Jose Buitrago no embate contra o Emelec.

Em um exemplo ainda mais próximo, cabe lembrar outro desabafo, dessa vez de Fagner, que alertou para as injustiças da Conmebol e pediu a união dos times brasileiros - que não foi atendida. As reclamações foram direcionadas ao árbitro do jogo contra o Racing, na Copa Sul-Americana de 2017.

Relembre os casos recentes em que o Timão foi prejudicado em torneios da Conmebol

"P... que pariu" de Tite em Guayaquil

Jogo no Equador não teve muito critério da arbitragem

Jogo no Equador não teve muito critério da arbitragem

Daniel Augusto Jr./Fotoarena

No primeiro embate das oitavas de final da Libertadores de 2012, o Corinthians empatou sem gols com o Emelec, em Guayaquil, no Equador. Apesar do resultado bom longe de seus domínios, o então presidente alvinegro, Mário Gobbi, não saiu nada satisfeito com a arbitragem e a organização da Conmebol - o time não pôde treinar no campo e teve Jorge Henrique expulso injustamente.

"Não sei que mel que a Libertadores tem. Isso aqui é um povico, uma coisa medíocre, ridícula. Foi uma arbitragem dolosa, tendenciosa, nos prejudicou abertamente. Ele operou o Corinthians aqui. Essa é a libertadores que todos falam? Você vem aqui e não deixam treinar com bola. Eles vão em São Paulo e treinam no Pacaembu. Isso é uma várzea. Nem o varzeano de Jaú é tão ruim como isso aqui. É terra sem lei", disse o mandatário.

"O Corinthians está indignado com a arbitragem que teve aqui hoje. Espero que não se repita mais isso. O que este homem, que se diz árbitro fez, é algo para o torcedor deixar de ir a campo. É uma vergonha. O grupo, a comissão e a diretoria estão revoltados", completou.

E as reclamações não pararam por aí. Tite, que viria a ser campeão do torneio meses depois, também mostrou sua indignação com o árbitro colombiano. "Eu me senti envergonhado com a arbitragem. Fiquei profissionalmente envergonhado. P... que pariu", afirmou em coletiva.

Dia escuro no Pacaembu

O árbitro paraguaio Amarilla ficou conhecido por polêmica arbitragem contra o Timão em 2013

O árbitro paraguaio Amarilla ficou conhecido por polêmica arbitragem contra o Timão em 2013

Daniel Augusto Jr./Agência Corinthians

O episódio mais dolorido e marcante de uma injustiça recente com um clube brasileiro aconteceu com o Corinthians. Pela Libertadores de 2013, Tite e seus comandados reencontraram o Boca e precisavam vencer para avançar. A tarefa, que já era difícil, ficou praticamente impossível com os erros de Carlos Amarilla e sua equipe de arbitragem.

Em 90 minutos, foram quatro erros cruciais do trio, que anulou gols legais e deixou de marcar pênaltis claros - relembre abaixo.

A exemplo do que aconteceu no ano anterior, Tite não poupou críticas ao árbitro. Desde o ocorrido, o treinador já falou muito sobre o jogo, definindo-o como um "dia escuro" e como o momento mais sujo que já vivenciou no futebol.

“Tiveram dois pênaltis, dois gols legais (que o árbitro não deu) e nós sofremos um gol que o cara (Riquelme) foi cruzar. Tem certas coisas que o futebol... Não gostaria de encontrar nunca mais o Amarilla, para o resto da minha vida. Não quero mais ver esse cara em nenhum lugar. Vai trabalhar em outro local”, disse o técnico, em entrevista à Band na época.

A atuação de Amarilla é ainda mais polêmica por áudios vazados em que Julio Grondona, ex-presidente da Associação de Futebol Argentino, influencia a Conmebol na escolha do árbitro. O paraguaio, vale lembrar, assumiu seu erro em 2015 e mandou recado aos alvinegros.

É preciso se unir

Fagner se revoltou com arbitragem diante dos argentinos

Fagner se revoltou com arbitragem diante dos argentinos

Daniel Augusto Jr/Ag. Corinthians

O caso mais recente em que o Timão foi prejudicado num torneio da Conmebol aconteceu no ano passado. Ainda comandado por Carille, o Corinthians acabou eliminado da Sul-Americana após empate sem gols com o Racing, na Argentina. Chama atenção o fato da equipe ter tido dois expulsos - Rodriguinho e Jô - enquanto os donos da casa saíram ilesos, mesmo com uma agressão a Romero.

Na saída de campo, quem demonstrou a revolta de todo o elenco foi Fagner. Mais do que questionar o árbitro uruguaio Leondan González, o lateral bateu firme na Conmebol e pediu a união dos brasileiros para mudar essa situação - fato que não aconteceu.

"Simplesmente o juiz o jogo todo apitou para eles. Falta que dava do Jô não dava do zagueiro, do atacante adversário. O jogo todo ele dando falta para eles. O cara chutou a cara do Romero e ele não deu cartão vermelho. O Rodriguinho foi em uma dividida e ele expulsou o Rodriguinho", argumentou, enfurecido, o camisa 23 do Corinthians.

"Isso é errado. O brasileiro sai do Brasil totalmente desprotegido. O futebol brasileiro tem que se unir e ir contra a Conmebol. Isso é uma vergonha! A gente vem aqui e toma tapa na cara, um monte de coisa. Somos pais de família", esbravejou.

O embate de ida entre Corinthians e Racing ainda merece um parenteses: foi o único jogo do Timão apitado por Eder Aquino, árbitro que cometeu o erro desta quarta-feira, contra o Cruzeiro, diante do Boca Juniors.

Veja mais em: Libertadores da América, Erros de arbitragem e Copa Sul-Americana.

Veja Mais:

  • Corinthians perde para Palmeiras por 1 a 0, no Allianz Parque, e não conquista tetracampeonato do Paulistão

    Jô marca no último lance, mas Corinthians é superado nas penalidades e perde título do Paulistão

    ver detalhes
  • Jô comemora com Everaldo seu gol no duelo com o Palmeiras, pela final do Paulistão

    Fiel distribui notas baixas, mas 'poupa' Cássio e Jô após revés do Corinthians; reserva beira o zero

    ver detalhes
  • Cássio volta a salvar Corinthians com boas defesas durante Dérbi

    Torcida do Corinthians exalta Cássio e Jô, mas lamenta pênaltis desperdiçados; veja repercussão

    ver detalhes
  • Tiago Nunes explicou as escolhas por Michel, Avelar, Cantillo, Sidcley e Jô na cobranças de pênaltis

    Tiago Nunes justifica escolha por batedores na decisão por pênaltis e exalta maturidade dos atletas

    ver detalhes
  • Andrés Sanchez não demora para se pronunciar após vice-campeonato do Corinthians

    Andrés Sanchez parabeniza Corinthians por entrega na final e diz que 'temporada ainda não acabou'

    ver detalhes
  • Corinthians estreia no Brasileirão na próxima quarta-feira

    O que você espera do Corinthians no Campeonato Brasileiro? Vote em enquete do Meu Timão!

    ver detalhes

Últimas notícias do Corinthians

Comente a notícia: