Vitorioso Corinthians de Carille não goleia. E expõe choque de gerações da torcida

14 mil visualizações 180 comentários

Carille comandou o Corinthians no 0 a 0 de quinta-feira contra o Fluminense

Carille comandou o Corinthians no 0 a 0 de quinta-feira contra o Fluminense

Danilo Fernandes/ Meu Timão

Que o Corinthians do técnico Fábio Carille conseguiu, ao vencer as três últimas edições do Campeonato Paulista, igualar um feito que não se repetia havia 80 anos no Parque São Jorge, muitos torcedores já sabem. O que muita gente talvez não saiba - ou melhor, não percebeu - é que esse mesmo vitorioso Timão comandado pelo também mesmo vitorioso treinador é o que menos aplica goleadas na década, assumindo de forma mais enfática que o próprio Mano Menezes o DNA defensivo emplacado há dez anos pelo pioneiro gaúcho e tão contemplado pelo conterrâneo sulista Tite nos "anos dourados" do século 21 alvinegro.

E o que o tricampeonato paulista tem a ver com a seca de goleadas que o Corinthians vive? São contrastes ideais para ilustrar a filosofia de Carille: o pragmatismo que dá resultado. E que leva ao auge as discussões entre os próprios torcedores do Timão sobre quando se deve (ou quem deve) comemorar empates de 0 a 0, como aconteceu recentemente contra Internacional pelo Brasileiro e Fluminense pela Sul-Americana, em meio a atuações de luxo como a da vitória de 2 a 0 sobre o Botafogo, que levantam a bola para um possível potencial (principalmente ofensivo) ainda não muito bem explorado no atual elenco alvinegro.

Há um lado certo nesta discussão? Quem tem razão num debate em que um lado valoriza os tais empates sem gols em função dos títulos que a filosofia tem rendido ao clube e o outro lado cobra um futebol mais vistoso (e naturalmente perigoso) com expectativa de mais gols?

Carille é o atual tricampeão paulista

Carille é o atual tricampeão paulista

Rodrigo Gazzanel/Ag. Corinthians

Para responder a essa e a outras perguntas, o Meu Timão entrevistou o professor doutor João Ricardo Cozac, psicólogo de esporte há 30 anos, doutor em psicologia do esporte pela Universidade de São Paulo. Ele acumula experiência profissional em clubes de futebol no próprio Corinthians, além de Palmeiras, Goiás, Cruzeiro e Ituano.

Choque de gerações

"O torcedor projeta no seu time de coração um conteúdo emocional muito forte. Diria que o torcedor projeta muitas vezes a sua identidade na ação do time para o qual ele torce. Portanto, numa ideia mais simples: se o meu time vai bem, eu me sinto bem, minha auto-estima fica elevada porque existe uma espécie de fusão emocional entre o torcedor e a equipe para a qual ele torce. Numa análise inicial, se o time vai mal, me sinto fracassado; se o time vai bem, me sinto bem-sucedido", inicia Cozac.

Mas afinal: o que é "ir bem ou mal" tratando-se da opinião de diferentes torcedores sobre um mesmo time? A resposta pode estar diretamente ligada à idade do torcedor em questão, no que o psicólogo define como "choque de gerações".

"Tem um choque nítido de gerações que caminha paralelamente à evolução cronológica do futebol. Quem viveu o futebol das décadas de 70, 80, até início de 90 tem expectativa diferente e consegue de alguma forma valorizar o futebol bem jogado, vistoso, se incomoda com a derrota, claro, mas existe um choque geracional em relação ao comportamento das torcidas sobre vitória em jogo feio e derrota em jogo bonito", explica Cozac.

Rivellino foi um dos maiores jogadores da história do Corinthians. E não ganhou título

Rivelino foi um dos maiores jogadores da história do Corinthians. E não ganhou título

Rodrigo Coca/Ag. Corinthians

O psicólogo associa as gerações mais recentes de torcedores, da década de 90 para cá mais precisamente, a um comportamento de maior intolerância. São pessoas com menos resistência à frustração e, portanto, maior desejo de vitória "a qualquer custo".

"É um desejo, uma necessidade maior da vitória dada a esse conceito tão maciço do fanatismo a ponto de abrir mão de um jogo bonito em troca da vitória. Gerações anteriores que acompanharam um futebol também que favorecia muito mais essa admiração e essa adesão a um futebol bem jogado muda com uma nova geração e também com o próprio futebol em si, que é hoje um futebol mais burocrático, feio, sonolento", diz.

Cozac, no bate-papo com a reportagem, usou as figuras de um avô e de um neto para exemplificar essa discussão entre torcedores. O adolescente torceria quase que exclusivamente para que o time fosse campeão. O avô poderia muito bem, em caso de derrota, falar ao neto algo como "olha, o time jogou muito bem, um futebol maravilhoso".

"E o neto provavelmente se frustraria porque existe nessa geração uma necessidade de um abastecimento mais instantâneo da sua própria identidade projetada no time", argumenta o psicólogo. "Gerações anteriores conseguiam analisar com um pouco mais de distanciamento, apesar do intenso amor pelo time, tinham visão um pouco mais romântica e profunda do significado do futebol bem jogado."

Fanatismo e 'resultadismo' lado a lado

Quantas vezes você torcedor já criticou ou viu críticas a respeito do imediatismo que rege o futebol brasileiro? Três derrotas seguidas e um técnico já passa a ser contestado. Três jogos sem fazer gols e o centroavante já gera desconfiança. Esse comportamento está fortemente ligado a outros dois sintomas: o fanatismo e o "resultadismo", que andam lado a lado.

"Existe uma questão cultural voltada ao resultado, no Brasil, sobretudo no futebol, prioriza-se muito o resultado em detrimento à questão do desempenho, da performance, individual e coletiva. Esse ponto é uma das características primordiais do fanatismo. O fanatismo é o auge do processo de projeção de identidade e de auto estima num objeto e dar a esse objeto o poder de dizer aquilo que sou", define Cozac.

Torcida do Corinthians durante jogo mais recente contra o Botafogo

Torcida do Corinthians durante jogo mais recente contra o Botafogo

Daniel Augusto Jr/Ag. Corinthians

"Há uma valorização emocional simbólica representativa muito maior para uma vitória do que para um time que joga muito bem, dá drible da vaca, joga bem, dá olé e perde jogando bem. O legado que fica de uma partida em que um time joga bem e perde é o que consideramos uma frustração para o torcedor. O torcedor quer em primeiro lugar que o time ganhe. Se possível, jogando bem", completa.

A significado de gritar gol

Num cenário mais imediatista, "resultadista" e fanático, ganhar de "meio a zero" basta, desde que os três pontos sejam conquistados e a busca pelo título siga a todo vapor. Passa por aí a teoria dos times de Fábio Carille. Prova disso são os títulos "desacreditados" que o Corinthians conquistou. E o baixíssimo poder de fogo que a equipe demonstra.

Somando as duas passagens e as três diferentes temporadas em que Carille treinou o Corinthians, ele soma até aqui sete goleadas (de três ou mais gols de diferença): quatro em 2017, três em 2018 e nenhuma em 2019. Para efeito de comparação, seguem os números totais de goleadas do Timão por temporada ao longo da última década:

  • 2019: 0
  • 2018: 4*
  • 2017: 4
  • 2016: 9
  • 2015: 13
  • 2014: 9
  • 2013: 6
  • 2012: 6
  • 2011: 5
  • 2010: 8
  • 2009: 4

* Uma das goleadas foi sob comando de Osmar Loss

Para o torcedor que, mesmo inconscientemente, relacione sua auto estima ao Corinthians, os títulos são sem dúvida a forma mais eficiente de se sentir bem. Para aqueles que apreciam o momento, não há outro mais "catártico" que o gol - numa partida marcada por goleada, essa magia momentânea se reproduz três, quatro, cinco, inúmeras vezes.

"Eu diria que dentro de uma partida nenhuma emoção se compara à emoção do gol. O gol é a explosão maior de emoção no futebol, não tem outro momento igual. Há lances que geram sensações prazerosas nos torcedores, mas igual ao gol não tem nenhum outro momento. Eu chamaria de uma explosão da catarse, uma explosão catártica. Um momento em que a torcida realmente dá vazão a toda a energia interna armazenada e de alguma forma mantida pelo processo do fanatismo. É o momento em que essa tensão interna ganha espaço para sua manifestação" define Cozac, antes de concluir:

"O momento da catarse é o momento do gol. O momento da representação é o momento da conquista. Na hora do gol, é momentâneo, explosivo, traduz uma emoção naquele momento. O título condecora, deixa consistente a identidade do indivíduo. O título é muito mais duradouro do que a emoção momentânea do gol."

Veja mais em: Fábio Carille, Torcida do Corinthians, História do Corinthians, Tite e Especiais do Meu Timão.

Veja Mais:

  • Corinthians encara o Fortaleza, fora de casa, nesta quarta-feira

    Saiba como assistir ao duelo entre Corinthians e Fortaleza na televisão

    ver detalhes
  • Gabi Nunes decidiu o clássico fora de casa

    Corinthians bate o Palmeiras fora de casa e larga na frente por vaga na final do Paulista Feminino

    ver detalhes
  • Jogadores comemoram gol de Fábio Santos, contra o Coritiba, no Couto Pereira

    Corinthians visita Fortaleza para se consolidar na parte de cima do Brasileirão; saiba tudo

    ver detalhes
  • Clube deve fechar com empresa de gestão assim que Duilio assumir a presidência

    Corinthians se aproxima de acordo com empresa de gestão e tecnologia para o ano que vem

    ver detalhes
  • Raul Gustavo aparece em algumas equipes sugeridas pela torcida

    Torcida do Corinthians sugere escalação ideal para duelo contra o Fortaleza; veja tuítes

    ver detalhes
  • Corinthians deve ter Ramiro também como novidade entre os titulares

    Corinthians confirma desfalque de Méndez e se prepara para encarar o Fortaleza; veja possível time

    ver detalhes

Últimas notícias do Corinthians

Comente a notícia:

  • Comentários mais curtidos

    Foto do perfil de Thiago

    Ranking: 14325º

    Thiago 63 comentários

    por @thiago.nunes16

    Pergunta pra velha guarda corintiana se eles abririam mão dos paulistas e brasileiros, Libertadores e Mundial que ganhamos desde o mano, pra assumir uma postura de futebol arte igual ao da vila Sônia e ficar amargando frustração de melhor time que perdeu...
    O futebol corinthiano sempre foi a raça e superação, se der pra jogar bonito joga, se não vai na marra mesmo...

  • Foto do perfil de Wagner

    Ranking: 2º

    Wagner 47960 comentários

    por @wagnho

    Quero saber de goleada nada. Quero continuar comemorando títulos isso sim

  • Últimos comentários

    Foto do perfil de Alonso

    Ranking: 5491º

    Alonso 259 comentários

    180º. por @alonsoeleuterio23

    Alô, moderação. Vamos começar a colocar o like e deslike nessas noticias desses estagiários.

  • Publicidade

  • Foto do perfil de Evaristo

    Ranking: 296º

    Evaristo 3319 comentários

    179º. por @evaristo.thiesney

    Sou de 93, comecei a entender futebol em 2002, lembro da fatídica final contra o Santos, e das pedaladas do Robinho e de como fui zuado(acho que são minhas primeiras lembranças de futebol).
    Entendo que o texto deixou passar algo, não é só sobre "jogar bonito vs vencer".
    Eu acompanhei os times de 2005,2012 e 2015, nós vencemos tudo e convencemos, tínhamos o melhor aproveitamento como mandante e não parecíamos time pequeno.
    Jogar no contra-ataque, na posse de bola, com muito cruzamento, forte na marcação... Seja lá como for, essa é a primeira vez que vejo meu time com 10 jogadores atrás da intermediária defensiva em casa, por vários jogos consecultivos (inclusive empatando, não é retranca após o 1x0 como o Mano fazia)...

    Espero muito que isso continue dando resultado, que sejamos campeões, afinal, pior que vencer jogando mal é perder jogando mal...
    Mas gostaria muito de ver um time bem armado como em 2015, com triangulações, posse de bola, meias armadores e até com Love fazendo muitos gols...

    Saudações de um saudosista de um tempo nem tão remoto!
    Vai Corinthians!

  • Foto do perfil de Romarino

    Ranking: 8806º

    Romarino 136 comentários

    178º. por @tobiassousa

    Deve gostar do futebol do Fernando Diniz! Porque os times deles tem muitos escanteios, laterais e muita posse de bola mesmo que não faça nada no jogo com essa posse de bola.

  • Foto do perfil de Everton

    Ranking: 72º

    Everton 8131 comentários

    177º. por @ton1982

    Jogo bonito não é nada sem vitórias e títulos. Todo mundo sente frustração quando lembra da Libertadores de 2000. Não adianta ser o melhor time da competição e não bater campeão! A história só consagra os vencedores!

  • Foto do perfil de Jorge

    Ranking: 1598º

    Jorge 923 comentários

    176º. por @jorge.andre1

    E quem disse que o empate com o Fluminense foi comemorado? Apaga isso estagiario que ainda da tempo.

  • Foto do perfil de Deco

    Ranking: 36º

    Deco 14748 comentários

    175º. por @deco20

    Esse 'choque de gerações' é forçação de barra pra gerar conteúdo!

    Sou da 'nova geração', nascido em 1986 e, portanto, acompanhei praticamente todos os grandes títulos do clube. Só 1990 que não me lembro muito bem.

    Temos que respeitar quem construiu o Corinthians. Se somos o que somos, é porque muita gente contribuiu pra moldar nossa história e nossas conquistas.

    Ao invés do discurso de distanciamento, vamos pregar o discurso de união entre os torcedores.

    Poderiam fazer uma série de reportagens com torcedores de diferentes gerações, pai e filho, avô e neto, etc.

  • Foto do perfil de Josubritto

    Ranking: 3396º

    Josubritto 450 comentários

    174º. por @josubritto.britto

    O maior problema e que tem jogador que já não vem bem mas ele não saca ainda fla qie o cara e titular assim não da tem por quem tá bem no momento melhor pra ajudar o time agora se não mexer no time pra ontem love clayson sornoza banco nesse caras ai e com você professor tem jogadores no melhor momento mas a vaga e do clayson e do love e sornoza o time não cria nada com esse caras só carre atrás da bola foi nitido isso contra os Po de arros agora tem que ter mudança no time principalmente o ataque que deixa a desejar em vários jogos fáceis você mesmo se complica professor escala errado mexo com merecimento no time

  • Foto do perfil de Luiz

    Ranking: 248º

    Luiz 3669 comentários

    173º. por @luiz.martins4

    Para responder a esses psicólogos cito apenas o exemplo do time montado por Luxemburgo nos anos 90, só isso!