Venha fazer parte da KTO
x
Incomum até para gestões passadas, contrato de Mano Menezes é mais um absurdo assina
Jorge Freitas

Colunista esportivo do portal 'No Ângulo', este internacionalista é mais um louco do bando e busca analisar o Timão com comprometimento com a realidade e as necessidades do maior clube do planeta.

ver detalhes

Incomum até para gestões passadas, contrato de Mano Menezes é mais um absurdo assinado por Duílio

Coluna do Jorge Freitas

Opinião de Jorge Freitas

8.9 mil visualizações 77 comentários Comunicar erro

Incomum até para gestões passadas, contrato de Mano Menezes é mais um absurdo assinado por Duílio

Duilio e Mano Menezes segurando camisa do Corinthians durante apresentação do treinador

Foto: Rodrigo Coca/Agência Corinthians

Mano Menezes não é mais o treinador do Corinthians.

Depois de quatro derrotas seguidas, a zona do rebaixamento do Paulistao e o fim de tabus da Neo Química Arena para Bahia, Internacional e São Paulo, o ex-treinador de futebol poderá curtir sua aposentadoria, se assim desejar, com uma bolada de quase uma dezena de milhões em sua conta.

Especula-se que Mano Menezes levará em torno de 9 milhões de reais do Corinthians, além, claro, do salário já recebido pelos seus meses de trabalho ruim.

Mano, aliás, estava perto de alcançar um feito raro pela quarta vez com o Timão, pois já havia ficado fora da fase de mata-mata do Campeonato Paulista outras três vezes, em 2008, 2010 e 2014, e caminhava fortemente para ser desclassificado nesta temporada.

O curioso, no entanto, é a peculiaridade do contrato do ex-treinador com o Corinthians. Isso porque, durante toda a gestão Duílio, nenhum comandante obteve um vínculo tão longínquo. O maior deles foi Sylvinho, que chegou em maio de 2021 com contrato, também interrompido, até dezembro de 2022.

Ressalta-se que o grupo que comandou o Corinthians até o ano passado tinha um modus operandi bastante regular de não assinar contrato com treinadores além do término do mandato, salvo se assim requerido pelo candidato a sucessor do grupo. Foi assim que o próprio Mano saiu ao fim de 2014 apesar do bom trabalho de reconstrução, pois não era o preferido de Roberto de Andrade, favorito para sucessão de Mário Gobbi.

Até mesmo Tite, ao final de 2011, só teve o contrato renovado para vencer a Libertadores e o Mundial com aval de Gobbi, favorito a presidir o clube no triênio seguinte (à época, a eleição era em fevereiro). Já quando voltou, em 2015, assinou contrato de três anos, com fim idêntico ao período de mandato do favorito à eleição - e posteriormente eleito presidente - Roberto de Andrade.

E aparentemente isso se seguia com a gestão Duílio, afinal, tanto o contrato de Cuca quanto o de Luxemburgo, assinados no primeiro semestre do ano passado iriam até dezembro de 2023, garantindo a autonomia do próximo presidente em escolher seu treinador sem necessidade de quebra de contrato e, por conseguinte, pagamento de multa contratual.

Entretanto, quando a eleição parecia se encaminhar para uma alternância de poder, o ex-presidente optou por alterar o estilo até então hegemônico e ofereceu 26 meses de contrato a Mano Menezes, justamente o treinador que ele mesmo afirmou que jamais trabalharia em conjunto no clube.

Vale destacar que Mano nunca foi colocado como prioridade pelo então candidato a presidente Augusto Melo e jamais foi unanimidade para a torcida corinthiana.

Então, qual foi o objetivo ao assinar um contrato com moldes inéditos a dois meses da troca de comando no clube, ainda mais para o treinador até então rejeitado pelo presidente e por um de seus dirigentes de confiança?

Na transição anterior, Andres Sanchez chegou a contratar Vagner Mancini nos últimos meses de sua gestão com contrato até dezembro da primeira temporada de Duílio, mas este era homem forte do futebol de Sanchez e favorito a ganhar a eleição. E mesmo assim, os 14 ou 15 meses oferecidos a Mancini ficam bem abaixo dos 26 presenteados a Mano Menezes.

Antes, Sanchez trouxe Tiago Nunes com acordo também até o fim de seu mandato.

Salta aos olhos a diferença deste contrato de Mano Menezes com os demais, exatamente quando se desenhava uma vitória da oposição nas eleições presidenciais depois de mais uma década.

É impossível não se revoltar com tamanha "desgestão" contra o clube.

Nem se questionar:

Qual o objetivo, afinal? Ajudar o Corinthians certamente não foi.

Este texto é de responsabilidade do autor e não reflete, necessariamente, a opinião do Meu Timão.

Avalie esta coluna
Coluna do Jorge Freitas

Por Jorge Freitas

Colunista esportivo do portal 'No Ângulo', este internacionalista é mais um louco do bando e busca analisar o Timão com comprometimento com a realidade e as necessidades do maior clube do planeta.

O que você achou do post do Jorge Freitas?