Existe mesmo algum heptacampeão brasileiro? Você decide!

Walter Falceta

Walter Falceta Jr. é paulistano, jornalista, neto de Michelle Antonio Falcetta, pintor e músico do Bom Retiro que aderiu ao Time do Povo em 1910. É membro do Núcleo de Estudos do Corinthians (NECO).

ver detalhes

Existe mesmo algum heptacampeão brasileiro? Você decide!

Coluna do Walter Falceta

Opinião de Walter Falceta

4.3 mil visualizações 49 comentários Comunicar erro

Existe mesmo algum heptacampeão brasileiro? Você decide!

A história: pode ser reinventada e renomeada?

Foto: Meu Timão

Caro leitor e cara leitora, este colunista começou a frequentar os estádios em 1971. Foi quando se disputou pela primeira vez o campeonato brasileiro.

O caneco da ocasião foi legitimamente conquistado pelo Clube Atlético Mineiro. A CBD e a CBF constituíam guarda desta rica história até 2010.

Naquele ano, no entanto, por conveniência política e mercadológica, construiu-se outra narrativa, a fim de beneficiar clubes que viviam uma incômoda seca de títulos.

Por conta dessa manobra, torneios realizados entre 1959 e 1970, com diferentes denominações, foram artificialmente convertidos em "campeonatos brasileiros".

Exercite comigo, portanto, a razão. Pesquise, se quiser. Veja se algum time brasileiro, em qualquer época e lugar, envergou a faixa de heptacampeão brasileiro. Vasculhe. Mas adianto que não topará com essa imagem.

Pensemos juntos. Todas as taças nacionais máximas do Corinthians, e também do São Paulo e Flamengo, nomeiam um "campeão brasileiro".

Nenhuma delas se refere a uma "Taça Brasil", a uma "Taça de Prata" ou a uma disputa intitulada "Robertão". Não carregam em seus pedestais legendas de tradução, tampouco folhas explicativas de fax.

O Corinthians, que em breve pode conquistar seu sétimo título da principal competição brasileira, nunca levou o caneco disputando apenas quatro ou cinco jogos, como era comum a Palmeiras e Santos na década de 1960.

Ora, campeão brasileiro enfrentando apenas duas equipes? Pois era a realidade das competições da época. O Palmeiras "campeão" de 1960, só enfrentou Fluminense e Fortaleza. E o Santos de 1963? Só o Grêmio e o Bahia.

Nem mesmo a atual Copa do Brasil (mais próxima da natureza dos torneios primitivos) segue esse padrão.

Tampouco o Corinthians conquistou algum Brasileiro que fosse, na verdade, uma extensão do Rio-S. Paulo, como o "Robertão" de 1967, organizado pelas federações dos dois Estados.

Na verdade, além de paulistas e cariocas, tinha como convidados apenas times de Minas Gerais, Rio Grande do Sul e Paraná.

Cabe outra dúvida? Que status tinha essa competição? Afinal, no mesmo ano, disputou-se a Taça Brasil, vencida pelos palestrinos em apenas seis jogos.

Sim, caro leitor, foram realizadas duas competições no mesmo ano. E o espertíssimo revisionismo fac-similar converteu ambas em "brasileiros".

Enfim, a história real apresenta-se aí, nua e crua. Você decide: já existe um heptacampeão brasileiro? Ou é façanha para 2017?

Coluna do Walter Falceta

Por Walter Falceta

Walter Falceta Jr. é paulistano, jornalista, neto de Michelle Antonio Falcetta, pintor e músico do Bom Retiro que aderiu ao Time do Povo em 1910. É membro do Núcleo de Estudos do Corinthians (NECO).

O que você achou do post do Walter Falceta?