Capitão da Liberta, Alessandro relembra conquista e conversa com Chicão

Capitão da Liberta, Alessandro relembra conquista e conversa com Chicão

Por Meu Timão

Capitão do Timão, Alessandro reencontrou taça da Libertadores de 2012

Capitão do Timão, Alessandro reencontrou taça da Libertadores de 2012

Foto: Daniel Augusto Jr/Ag. Corinthians

Há exatos quatro anos, o Corinthians derrotava o Boca Juniors, da Argentina, e erguia o troféu da Copa Libertadores da América de maneira invicta. O ex-capitão Alessandro, responsável por erguer a taça tão sonhada pela Fiel, recordou o triunfo histórico conquistado pelo Timão naquela noite de quarta-feira.

“Uma data inesquecível. Que a partir de 2012 passou a ser uma data especial. Não foi mais um dia comum. Do primeiro ao último minuto na minha cabeça, por tudo o que vivi naquele dia, acaba se tornando um dia diferente para mim”, recordou o hoje gerente de futebol Alessandro em entrevista ao site oficial do Corinthians.

Sob o comando do técnico Tite, o Corinthians entrou em campo com: Cássio, Alessandro, Chicão, Leandro Castán e Fábio Santos; Ralf, Paulinho, Danilo e Alex; Jorge Henrique e Emerson Sheik. Foi o atacante, aliás, o principal nome da decisão: com dois gols, ele garantiu o sucesso da equipe alvinegra em 2012. Para Alessandro, o bate-papo que teve com o zagueiro Chicão permanece vivo na memória.

“Quando acabou o jogo, comemorei primeiro com o Chicão. Nós nos ajoelhamos lá no campo e por alguns minutos nos recordamos de 2008 a 2012. Ficamos extravasando toda aquela alegria, lembrando da Série B, da Copa do Brasil que perdemos, da que vencemos, do Campeonato Paulista que ganhamos, que perdemos. Depois de comemorar com ele e mais algumas pessoas, eu queria o troféu. Só ficava olhando para o troféu”.

Entretanto, antes de chegar à finalíssima, Alessandro viveu momentos de tensão. Isso porque o então camisa 2 entregou passe aos pés de Diego Souza no jogo válido pelas quartas de final da competição. O meia do Vasco teve a chance de marcar e colocar o clube carioca em vantagem, mas parou no goleiro Cássio.

“Você dá uma recapitulada no lance e vê tudo o que aconteceu. Lembra do quanto o Pacaembu ficou em silêncio. Da expectativa que gerou no torcedor, da própria ansiedade que gera em você. Isso tudo em segundos, é um turbilhão de informações na sua cabeça. Ao mesmo tempo, eu tentava trocar a ficha o quanto antes porque precisava seguir no jogo”, reviveu.

Veja abaixo a entrevista completa de Alessandro

Veja Mais:

  • Oswaldo defendeu utilização da cor verde em homenagem à Chapecoense

    Oswaldo comenta tragédia da Chapecoense e é mais um a defender cor verde no Corinthians

    ver detalhes
  • Sala de cabines de TV da Arena passa a ser chamada Lilácio Pereira Jr.

    Corinthians batiza sala de transmissões da Arena em tributo a vítima de acidente

    ver detalhes
  • Golaço de Marlone sobre Cobresal rendeu a ele indicação ao Puskás

    Marlone supera Messi e Neymar e vai à final do Prêmio Puskás da Fifa

    ver detalhes
  • Luidy (boné) conheceu o CT Joaquim Grava na última quinta-feira

    Contratação do Corinthians vai ao CT pela primeira vez

    ver detalhes

Comente a notícia:

  • 1000 caracteres restantes