Renato Augusto relembra sacrifício de 2013 e problemas financeiros em ano de título do Corinthians

Renato Augusto relembra sacrifício de 2013 e problemas financeiros em ano de título do Corinthians

Por Meu Timão

Renato Augusto foi fundamental na conquista do Brasileirão em 2015

Renato Augusto foi fundamental na conquista do Brasileirão em 2015

Foto: Agência Corinthians

Os últimos anos do Corinthians foram, sobretudo, de conquistas. Apesar disso, mesmo em uma temporada em que o time ergueu canecos, problemas apareceram. O ano era 2013 e o time comandado por Tite tinha tudo para vingar. Mesmo com a Recopa e o Estadual conquistados, as coisas passaram a se complicar com a fraca campanha no Brasileirão. O estopim para uma crise, porém, foi um pênalti perdido por Alexandre Pato contra o Grêmio, na Copa do Brasil. Parte daquele elenco, Renato Augusto revelou que ainda não entende o que pensou o atacante.

"Eu realmente não sei o que aconteceu na cabeça do Pato. É um cara do bem, que trabalha para caramba, mas ali eu realmente não sei o que aconteceu. Foi complicado, tinha muita gente nervosa no vestiário e ao mesmo tempo tinha mais campeonato para jogar. Naquele momento eu me senti na responsabilidade de fazer alguma coisa", contou o meia, em participação no programa Aqui com Benja, da Fox Sports.

Querendo participar, o lesionado camisa 8 corinthiano resolveu ajudar Tite no sacrifício. Precisando de mais tempo para se recuperar, ele abdicou de sua principal função em campo para fechar uma lacuna que o treinador vinha encontrando na hora de escalar sua equipe titular.

"Eu não tinha como jogar, pelo problema no joelho. Então chamei o Bruno e falei que não era legal ficar parado, apesar de estar vindo de cirurgia, faltar um mês para tratar, perguntei se eu podia jogar pelo menos de atacante. O Guerrero tinha fraturado o pé, o Pato não queria mais jogar de centroavante, não tinha mais ninguém. O Bruno me falou que, de centroavante, poderia atuar no máximo 60 minutos", lembrou.

"Aí chamei o Tite e falei "olha, para mim é muito cômodo, agora que a chapa esquentou, falar que estou machucado, mas olha, sei que está sem centroavante, se quiser eu jogo, ajudo". Ele disse que não pagava preço pela saúde de ninguém e pediu para chamar o Bruno. O Bruno confirmou que eu podia jogar e o Tite falou que ia pensar. No dia seguinte me chamou para avisar que queria e eu comecei a jogar por ali. Terminei 2013 de centroavante, mesmo não estando 100%", completou.

Leia também:
Neto volta atrás sobre assumir presidência do Corinthians: 'Não vou, não posso e não quero'
Corinthians reduz custo de manutenção da Arena em mais de 40%; empresa dá sua versão
Xodó do Barcelona, Paulinho relembra recusa de proposta em 2011 e 'fico' no Corinthians

Se naquela temporada os problemas apareciam dentro de campo, dois anos depois o panorama mudou. Com o time encaixado dentro das quatro linhas, Renato lembra como o clube driblou as dificuldades que enfrentava financeiramente. Nesse processo, o meia destacou Roberto de Andrade como grande responsável por manter o grupo focado e motivado para a conquista do Brasileirão.

"O Roberto foi um cara muito importante em 2015. A gente vivia um momento muito delicado, principalmente financeiro. Ele foi sincero. Falou "eu não tenho como pagar". Falou a verdade, que não tinha da onde tirar. Não ficou aquela coisa de "segunda vai estar na conta" e tudo mais. 2015 foi um ano complicado nessa parte. Tivemos que se unir", disse.

"Fomos campeões mesmo com todos os problemas. Nunca deixamos de correr e jogar. Passei praticamente o ano inteiro sem receber uma parte do salário. Depois ele acertou tudo, o Corinthians não me deve nada", frisou.

Com o bom momento no Corinthians, Renato voltou a figurar as listas da Seleção Brasileira e recebeu boa oferta da China. No futebol asiático, o meia segue sendo lembrado por Tite e pelos veículos da mídia nacional, que o colocam no radar de inúmeros times do país. Ligado ao Timão e ao Flamengo, onde começou, o ex-camisa 8 alvinegro não sabe qual time escolheria em uma oportunidade de retorno.

"Eu ia conversar bastante com minha família e definir o que seria melhor de uma forma geral. São dois clubes especiais para mim em momento diferentes da minha carreira. Um eu saí da arquibancada para o campo, foi onde comecei. O outro foi quando voltei da Europa desacreditado e até o próprio Flamengo não quis. Não definiria nada agora, ia falar muito com minha família", concluiu.

Veja mais em: Ex-jogadores do Corinthians.

Veja Mais:

  • Com saída de Adriano, Marquinhos herdou a camisa 10 do Timão na Libertadores 2012

    Campeão em 2011, Marquinhos diz ter celebrado hepta do Corinthians e ensaia retorno

    ver detalhes
  • Golaço de Rodriguinho sobre o Sport entrou em vídeo de emissora italiana

    Canal de esportes da Itália produz vídeo com cinco gols mais belos do hepta do Corinthians

    ver detalhes
  • Kazim tatua taça do Brasileirão com provocação a rivais do Corinthians

    Kazim tatua taça do Brasileirão com provocação a rivais do Corinthians

    ver detalhes
  • Com bandeirões e muita festa, Fiel incentivou Timão no último treino aberto

    Corinthians abre à torcida último treino antes do jogo da taça

    ver detalhes

Comente a notícia:

  • 1000 caracteres restantes