Duas contas que não batem

Lucas Faraldo

Escrevendo sobre o Corinthians desde 2014

ver detalhes

Duas contas que não batem

Coluna do Lucas Faraldo Knopf

Opinião de Lucas Faraldo

16 mil visualizações 141 comentários Comunicar erro

Duas contas que não batem

Andrés Sanchez falou com a imprensa no último fim de semana

Foto: Danilo Fernandes/ Meu Timão

"Lógico que (o Corinthians) é um time humilde, eu não estou investindo o que os outros estão investindo. Nós temos que pagar a Arena e eu não vou pagar salário de 1 milhão no futebol, acho isso absurdo. Time pequeno, jamais vamos ter isso (dinheiro)."

Quem disse as palavras acima foi o presidente do Corinthians, Andrés Sanchez, no último sábado, antes do jogo contra o Grêmio. A figura máxima em termos de representação do clube entrou numa baita contradição financeira.

Na mesma semana em que o presidente rebateu as críticas ao mau futebol da equipe Carille alegando não haver grande investimento no elenco profissional, o jornalista Mauro Cezar Pereira (contestadíssimo por muitos leitores aqui do Meu Timão por suas opiniões, mas fonte inquestionavelmente segura) publicou lista atualizada das 20 folhas salariais da Série A.

O Corinthians é o segundo que mais gasta por mês com pagamento em CLT aos jogadores (R$ 8,1 milhões). A chegada de Gil no meio do ano fez o clube aumentar em R$ 500 mil seus gastos com remuneração – e passar assim do terceiro para o segundo lugar no ranking.

Apenas o Palmeiras gasta mais (R$ 8,8 milhões). Flamengo e Grêmio, semifinalistas da Libertadores, ocupam o quarto e o nono lugar na lista, com gastos de R$ 7 milhões e R$ 4 milhões por mês, respectivamente.

Tal levantamento considera os registros dos jogadores no sistema da CBF e não leva em conta direitos de imagem nem outras bonificações geralmente previstas em contrato. Isso, claro, alteraria o ranking – o Flamengo, por exemplo, certamente passaria o Corinthians.

Ainda assim, é impossível falar que o investimento em salários no Corinthians de 2019 é humilde. Não dá alegar baixo investimento qualquer que seja a discussão ou o partido tomado nela. A conta não bate – mesmo que Andrés Sanchez evite abrir os números.

"Pelo investimento? Qual investimento? Você não sabe o investimento, você não sabe quanto eu investi. Você tinha que saber para me perguntar isso. Eu sei, é segredo", disse Andrés, quando questionado mais uma vez sobre o investimento feito para montar o elenco.

E o tal resultadismo...

Escrevi aqui semana passada sobre o perigo de o Corinthians dar de ombros para o desempenho pífio justificando que está tudo bem graças às vitórias sofridas. Só não imaginei que tão rápido o clube, novamente representado por Andrés, entraria em contradição.

Na última quarta-feira, Danilo Avelar afirmou que "nos últimos jogos a gente não vem apresentando um futebol de aplausos, de encher os olhos, mas futebol é resultado."

Na sexta, Vagner Love disse (cutucando rivais como Palmeiras e principalmente Santos) que "nem sempre vamos jogar bem, mas o que a gente preza é vencer (...) prefiro jogar mal e ser campeão, do que como tem clubes que jogam muito bem e não estão jogando nada."

Na mesma sexta, o gerente Vilson alegou que "estamos muito contentes (com Carille) (...) é trabalhar quietinho buscando os resultados. É isso que nosso torcedor espera."

Pois, na tal entrevista de sábado, Andrés Sanchez tentou ironizar a imprensa por supostamente só focar em resultados. "Futebol está caríssimo e decepcionante. É meu último ano (de mandato), graças a Deus. Um dos motivos é vocês. Só falam do resultado, não falam do trabalho."

Não, Andrés. Você parece equivocado na escolha do alvo a atacar sobre quem, ultimamente, "só fala de resultado" no Corinthians. Vide as entrevistas recentes de Avelar, Love e Vilson.

Mais uma "conta" que não bate.

Veja mais em: Andrés Sanchez, Diretoria do Corinthians e Elenco do Corinthians.

Coluna do Lucas Faraldo Knopf

Por Lucas Faraldo Knopf

Jornalista pela ECA-USP e ex-Esporte Interativo, Jovem Pan e Lance!. Hoje trabalha no Meu Timão. Autor do livro 'Impedimento - Machismo, racismo, homofobia e elitização como opressões no futebol'.

O que você achou do post do Lucas Faraldo?