O grande erro na nova ação de marketing do Corinthians

Walter Falceta

Walter Falceta Jr. é paulistano, jornalista, neto de Michelle Antonio Falcetta, pintor e músico do Bom Retiro que aderiu ao Time do Povo em 1910. É membro do Núcleo de Estudos do Corinthians (NECO).

ver detalhes

O grande erro na nova ação de marketing do Corinthians

O grande erro na nova ação de marketing do Corinthians

Sócrates: formidavelmente humano (comigo e a jornalista Estela Suganuma)

Foto: Arquivo Pessoal com Arte

10 mil visualizações 207 comentários Comunicar erro

Posso dizer que, como torcedor, acompanhei de perto a Democracia Corinthiana. Depois, como jornalista, tive vários encontros com Doutor Sócrates, este excepcional jogador e formidável ser humano.

Cheguei a perguntar-lhe sobre a declaração, dos anos 1980, na qual ele sugere que o corinthianismo seja uma religião.

Ele, que tinha um intelecto privilegiado, respondeu que se tratava de uma licença filosófica e poética. Ou seja, o amor pelo clube tem elementos de fé e veneração, mas não se trata, efetivamente, de um credo religioso.

Vamos esmiuçar o conceito. Até agora, muita gente ainda não entendeu a diferença entre ser corinthiano e ser corinthianista. Vou tentar explicar, com base em minha pesquisa histórica, nos trabalhos do Núcleo de Estudos do Corinthians (NECO) e na participação em outras entidades ligadas ao SCCP.

O corinthiano torce pelo clube. Quer vitórias e títulos. Ele se encanta pelos astros do time e tem orgulho de trajar a camisa de um clube vencedor. Enquanto apaixonado pelo futebol, ele não é muito diferente de um santista, um palmeirense ou um vascaíno.

Mas, e o corinthianista? Ele tem um comportamento semelhante a este descrito acima. No entanto, ele é MAIS. O corinthianista está identificado com a "causa" de um clube popular, que desde sua fundação preza a inclusão, a democracia, a diversidade e a solidariedade.

Diferentemente de outros clubes do início do Século 20, o Corinthians surgiu com uma proposta de agregar todos os cidadãos, não importava a cor da pele, a classe social, o credo religioso e o tamanho da conta bancária.

Os clubes da elite praticavam políticas de exclusão e segregação. O clube de Battaglia e Magnani, não! A turma do Bom Retiro logo ficou famosa por agregar o italiano calabrês da maloca, o negro filho de um ex-escravizado, o japonês que mal sabia falar o Português, o espanhol que veio ao Brasil para escapar da sina de miséria.

O corinthianismo, portanto, vai muito além da paixão pelo ludopédio. Ele está ligado a uma ideia de solidariedade, união, procedimento generoso, justiça, igualdade e liberdade.

Segundo essa visão, no Corinthians somos todos iguais, seja você um estagiário numa empresa de TI, uma sem-terra, um jovem bem-sucedido que lidera uma startup, um operário do ABC, um morador de um estúdio descolado na Rua Augusta ou uma mulher batalhadora que luta pelos direitos de sua comunidade na periferia.

E essa igualdade não é retórica. No corinthianismo, praticamos a cidadania, o altruísmo, o respeito pelo outro. Em suma, o corinthianista estende a mão a quem se atrasou pelo caminho.

Sou neto de trabalhadores imigrantes que viviam na Rua Anhaia, no Bom Retiro, à época da fundação do clube. E foi isso que eles, corinthianistas de primeira hora, me ensinaram. Não invento. Reconto a história.

De certa forma, a campanha de marketing do Corinthians foca em alguns desses aspectos. Desse ponto de vista, ela é correta. Trabalha com conceitos de resistência, resiliência e fidelidade, que efetivamente são traços do corinthianismo.

No entanto, peca gravemente ao reunir esses preceitos sob o manto da religião. O termo religião deriva da expressão "religare", que é estabelecer uma reconexão com o primitivo da criação, aquilo que é sagrado e místico.

No entanto, na compreensão cotidiana, a religião se estabelece como crença na presença viva e perceptível da deidade, vivida por uma conduta de prática moral e celebração ritual que une o espírito a uma ou mais entidades divinas.

Religião é coisa séria. E crenças religiosas devem ser respeitadas. Não se justifica a intolerância, ainda que as forças da justiça do Estado laico devam estar atentas a seguidores de uma ou outra denominação que adulteram a base doutrinária para justificar patrulhamentos, inquisições ou mesmo guerras.

Ora, a análise racional dos conceitos nos conduz a uma conclusão: o corinthianismo não é e nunca será uma religião, no sentido estrito do termo. Será antes uma designação de nosso ethos, ou seja, de nosso conjunto de tradições de conduta e comportamento, traços que se explicam pela Antropologia e pela Sociologia, não pela Teologia.

No corinthianismo de verdade, a diversidade nos une pelas diferenças. Aqui, convivem o budista, o seguidor das religiões afrobrasileiras, o católico, o evangélico, o muçulmano, o adepto do judaísmo e até mesmo o ateu.

Sócrates, cuja imagem é utilizada nesta campanha, tinha sérias restrições ao uso da religião para fins de controle e manipulação das mentes. Além disso, ele não era santo, mas um sujeito incrivelmente humano, com suas falhas e virtudes, com suas dúvidas e convicções, com seus erros e acertos, moldado pelo desejo de ser melhor a cada dia.

O corinthianismo? É maravilhoso! Mas não é religião. O corinthianismo é um fenômeno que se dá no campo da experiência social humana, é padrão de conduta solidária no dia a dia, é resistência nas lutas diárias que travamos pela sobrevivência.

E o principal, caro leitor: corinthianismo não é um produto que possa ser definido e enquadrado pelo interesse comercial de um departamento de marketing.

Veja mais em: Ações de marketing.

Coluna do Walter Falceta

Por Walter Falceta

Walter Falceta Jr. é paulistano, jornalista, neto de Michelle Antonio Falcetta, pintor e músico do Bom Retiro que aderiu ao Time do Povo em 1910. É membro do Núcleo de Estudos do Corinthians (NECO).

O que você achou do post do Walter Falceta?

  • 1000 caracteres restantes
  • Melhores comentários

    Foto do perfil de Adilson

    Ranking: 39º

    Adilson 11384 comentários

    por @adilsondh

    Não gostei dessa campanha, achei pesada e sem propósito, respeito os que pensem ao contrário, mas pra mim não foi uma boa ideia, principalmente tendo claras alusões a passagens bíblicas que para a grande maioria Cristã são sagradas, o Rosenberg deveria se preocupar em arrumar o NR e não com isso, acredito que possa até afastar possíveis patrocinadores mais fervorosos que não vão querer associar suas marcas ao clube justamente por ir contra os princípios e crenças dos seus propietarios, essa é minha opinião e não sou dono da verdade e respeito a todos que pensem diferente...

  • Foto do perfil de Bell

    Ranking: 2251º

    Bell 498 comentários

    por @irabel.cordeiro

    Perfeito! Simples assim, pecaram na abordagem, por mais que a essência tenha sido compreendida, a utilização de símbolos e alusão a esta ou aquela religião, foi o erro!

  • Últimos comentários

    Foto do perfil de Mauro

    Ranking: 2935º

    Mauro 373 comentários

    207º. por @maureram

    Pior que pensei o mesmo kkk

    Foto do perfil de leandro

    leandro 482 comentários

    28/02/2019 às 10h40 por @apia493

    Hei abre os olhos que o Padre é Palmeirense! Kkkkk

  • Foto do perfil de leandro

    Ranking: 2328º

    Leandro 482 comentários

    206º. por @apia493

    Partindo do princípio que Deus Universal NÃO criou nenhum tipo de Religião e as religiões foram criadas pelo Homem, não vejo problema nenhum nesse Marketing.

    Foto do perfil de Mauro

    Mauro 373 comentários

    25/02/2019 às 11h58 por @maureram

    Dizem que entidades religiosas foram consultadas e não viram problema nisso, cadê? Mostra onde? Na minha opinião isso é balela pra apaziguar, falo pois já ouvi críticas na missa deste domingo vindas do padre. Enfim, onde quero chegar é que acho a ideia de unir e identificar a torcida fantástica, a aplicação dela achei terrível.

  • Foto do perfil de leandro

    Ranking: 2328º

    Leandro 482 comentários

    205º. por @apia493

    Hei abre os olhos que o Padre é Palmeirense! Kkkkk

    Foto do perfil de Mauro

    Mauro 373 comentários

    25/02/2019 às 11h58 por @maureram

    Dizem que entidades religiosas foram consultadas e não viram problema nisso, cadê? Mostra onde? Na minha opinião isso é balela pra apaziguar, falo pois já ouvi críticas na missa deste domingo vindas do padre. Enfim, onde quero chegar é que acho a ideia de unir e identificar a torcida fantástica, a aplicação dela achei terrível.

  • Foto do perfil de Edson

    Edson 2 comentários

    204º. por @edson.theodoro

    "Desculpa mas nem todos os brasileiros são cristãos. Você tem base disso que escreveu? É melhor pesquisar antes do que falar ou escrever certas coisas."

    Cara a única maneira de responder um comentário desses é não respondendo e sim perguntando, você mora na Índia? Na China? Ou no Paquistão...?

    Foto do perfil de FÁBIO

    FÁBIO 322 comentários

    21/02/2019 às 07h10 por @fabiozl

    Desculpa mas nem todos os brasileiros são cristãos. Você tem base disso que escreveu? É melhor pesquisar antes do que falar ou escrever certas coisas.

  • Foto do perfil de Mauro

    Ranking: 2935º

    Mauro 373 comentários

    203º. por @maureram

    Acho que o principal ponto dos patrocinadores não é se amarrar em crenças por causa dos proprietários das empresas pois empresa que tem dinheiro pra Naming Rights em sua grande maioria não tem um proprietário, tem um conselho que rege conforme os acionistas dela, enfim, a questão que acho dentro do que falou é não querer associar a imagem da empresa em debate religioso, que sempre é delicado.

    Foto do perfil de Adilson

    Adilson 11384 comentários

    19/02/2019 às 19h22 por @adilsondh

    Não gostei dessa campanha, achei pesada e sem propósito, respeito os que pensem ao contrário, mas pra mim não foi uma boa ideia, principalmente tendo claras alusões a passagens bíblicas que para a grande maioria Cristã são sagradas, o Rosenberg deveria se preocupar em arrumar o NR e não com isso, acredito que possa até afastar possíveis patrocinadores mais fervorosos que não vão querer associar suas marcas ao clube justamente por ir contra os princípios e crenças dos seus propietarios, essa é minha opinião e não sou dono da verdade e respeito a todos que pensem diferente...

  • Foto do perfil de Mauro

    Ranking: 2935º

    Mauro 373 comentários

    202º. por @maureram

    Dizem que entidades religiosas foram consultadas e não viram problema nisso, cadê? Mostra onde? Na minha opinião isso é balela pra apaziguar, falo pois já ouvi críticas na missa deste domingo vindas do padre. Enfim, onde quero chegar é que acho a ideia de unir e identificar a torcida fantástica, a aplicação dela achei terrível.

  • Foto do perfil de Mauro

    Ranking: 2935º

    Mauro 373 comentários

    201º. por @maureram

    Acho que ações de Marketing sempre são bem vindas quando utilizadas de forma inteligente e adequada ao momento. Não sou da área mas acredito que essa foi dentro de algum planejamento do clube e não de forma aleatória, se não foi tem muita coisa errada aí, enfim. Onde quero chegar é que no ano em que fomos rebaixados houve uma ação muito forte para demonstrar o amor pelo clube, unclusive o "bando de loucos", termo que não existia antes disso, ou se existia não era tão explorado. Aquilo sim resgatou o orgulho de sermos Corinthianos e mostrar que a essência do clube sempre esteve ligada a superar dificuldades e obstáculos. Ao que me parece essa ação teve o objetivo de mostrar que nós Corinthianos somos diferentes de qualquer outro clube na forma de torcer, e fortalecer a identidade da torcida com o clube e seu modo, explorando essa identificação, mas como disse nosso amigo Walter, a forma que isso foi colocado que estragou, entendo que a dose do remédio não foi adequada e aí azedou...

  • Foto do perfil de Paulo

    Paulo 44 comentários

    200º. por @paulo.antunes2

    ... E vem vamos dizer assim, fora do contexto, pois nos tempos atuais as questões religiosas que já sempre foram e são complexas, causam polêmicas, quando não intolerância e guerra, trazer para a arena do esporte, de um clube de massa, cuja paixão não se restringe a brancos e negros, japoneses, libaneses, baianos, mineiros, alemães...e claro, abriga católicos, evangélicos, muçulmanos, candomblés e muito mais, é de uma inapropriedade e não contribuiu em nada para o clube e para o momento histórico do país e do mundo. Enfim, estupidez levada à quinta essência! Parem o trem quero descer!

  • Foto do perfil de Paulo

    Paulo 44 comentários

    199º. por @paulo.antunes2

    Prezado,

    Envolvido que tenho estado com tantos outros temas da cidade, país, crises humanitárias, acidentes, mortes de personas queridas, rompimentos de barragens, que só agora me dei conta do tema da nova linha de marketing do Corinthians, a tal da religião, e da infeliz (vou ser brando) manifestação do Rosemberg e sua estúpida comparação entre Mulheres e Aids.

    Claro que as coisas do Corinthians me interessam também, mas estive ausente e no máximo acompanhando os péssimos jogos que o Timão anda fazendo neste início de temporada. Mas voltando ao escarneo e estupidez do Rosemberg, claro, anda com outro que tem as mãos "sujas" com a Arena, Lula, PT e Odebrechet, só pode ter a mente embotada por estupidez e fazer manifestações desse quilate e "conceber" essa história de "corinthianismo" como religião.

    É inspiração clara nos ditos populares da torcida desde os tempos em que não ganhávamos nada! É infeliz e incorreta pelos motivos que você bem apresenta no artigo. E, vem...

  • Foto do perfil de Pedreira

    Ranking: 5659º

    Pedreira 167 comentários

    198º. por @pedreira.almeida

    Douglas, eu vi o vídeo e vai ter sim toda uma ação de marketing em cima da ação. Caso você não viu o lançamento da campanha, não faça então esse tipo de comentário. São vários produtos, físicos (kit de flâmulas, os dez mandamentos em mármore, etc) como tamb´me produtos virtuais (velas on line e outros) que serão comercializados. Inclusive, o Casão fez um apelo para que o marketing do Corinthians faça produtos acessíveis ao torcedor pobre. Lamento, mas você foi muito amador no seu comentário.

    Foto do perfil de Douglas

    Douglas 2420 comentários

    22/02/2019 às 12h57 por @cardoso2

    Amigo, você assistiu o vídeo?

    Kkkkk

    Vendas do que? É um vídeo institucional... Não tem como a agência receber algo por alguma venda...