Corinthians aposta na defesa, sai ileso do Barradão e segue vivo na Copa do Brasil

Corinthians Corinthians 0 x 0 Vitória Vitória

Copa do Brasil 2018

Corinthians aposta na defesa, sai ileso do Barradão e segue vivo na Copa do Brasil

24 mil visualizações 388 comentários Comunicar erro

Corinthians de Fagner não conseguiu estufar as redes do Barradão nesta quarta

Corinthians de Fagner não conseguiu estufar as redes do Barradão nesta quarta

Foto: Rodrigo Gazzanel/Agência Corinthians

Atual campeão brasileiro e bi paulista, o Corinthians estreou sem gols na edição 2018 da Copa do Brasil. A equipe de Fábio Carille ficou no 0 a 0 com o Vitória na noite desta quarta-feira, no Barradão, em Salvador, pela abertura das oitavas de final do torneio mata-mata.

Leia também: Uma novidade, muitas esquisitices: Corinthians goleia na Arena pela abertura do Brasileirão

O Timão terá de vencer o esquadrão baiano por qualquer placar no embate de volta, a princípio marcado para 10 de maio, na Arena Corinthians, para avançar às quartas de final e se manter na disputa pelo título. Como não há gol qualificado, caso os clubes voltem a empatar, decidirão a classificação nas penalidades máximas.

Para o compromisso em solo baiano, Carille não contava com o volante Renê Júnior, desfalque em razão de dores no joelho direito. O comandante alvinegro também promovia outras duas alterações no time com relação à goleada sobre o Paraná Clube: Gabriel e Mateus Vital por Ralf e Clayson, respectivamente.

O Corinthians que iniciava a busca pelo tetracampeonato da Copa do Brasil tinha: Cássio, Fagner, Balbuena, Henrique e Sidcley; Ralf e Maycon; Romero, Jadson, Rodriguinho (capitão) e Clayson.

Escalação do Corinthians para jogo contra Vitória


Meu Timão

Já o Vitória, dirigido por Vagner Mancini, recebia o atual campeão brasileiro com força máxima: Caíque, Zé Welison, Ramon, Kanú e Juninho; Willian Farias (capitão), Uillian Correia, Yago e Rhayner; Neílton e Denilson.

O jogo

Corinthiano, pense rápido: se você fosse um técnico de futebol prestes a enfrentar o Timão de Fábio Carille em um mata-mata, qual postura tática adotaria no primeiro jogo: pressionar desde os primeiros minutos em busca do gol ou ceder a bola ao oponente, apostando nos contra-ataques?

Vagner Mancini não é corinthiano, mas certamente pensou nas situações descritas acima e em outras antes de a bola rolar no Barradão. E acabou optando pela segunda, ainda que jogasse em casa e ao lado de sua torcida.

O Vitória assistia ao Corinthians recuperar a posse imediatamente e trocar passes na intermediária. Foi assim em parte considerável da etapa inicial: com os 11 baianos atrás da linha da bola, o Timão sofria para criar oportunidades e fazer o goleiro Caíque trabalhar. Fora um cruzamento de Clayson não completado por Romero, a equipe pouco produziu nos 30 minutos iniciais.

Nem Corinthians nem Vitória produziram o suficiente para tirar o zero do placar. A equipe da casa chegou a avançar suas linhas e ter um relâmpago ou outro no campo ofensivo, principalmente com Neílton, camisa 10. Ainda assim, quando não interceptado pela zaga alvinegra, errou nas escolhas e também decepcionou seu torcedor.

O principal lance da primeira parte diz respeito a Ralf. Escalado por Carille, o volante se chocou com Yago, levou as mãos ao ombro esquerdo e permaneceu caído no gramado, com dores. Sem condições de seguir na partida, logo foi substituído pelo concorrente Gabriel, deixando o campo às lágrimas.

Ralf deixou campo aos prantos no Barradão

Ralf deixou campo aos prantos no Barradão

Reprodução/FOX Sports

Gabriel, por sua vez, mal teve tempo de tocar na bola, pois o árbitro Bráulio da Silva Machado encerrou o período inicial.

Os cenários se inverteram no segundo tempo. Mandante, o Vitória passou a acelerar os passes e pressionar o Timão, que cozinhava o jogo como queria. A estratégia implementada por Carille parecia clara: não correr riscos em Salvador, sobretudo porque o Corinthians poderia decidir a classificação na Arena Corinthians.

Um fato curioso pôde ser visto aos dez minutos. Ao fazer um desarme, Gabriel recuou a bola em direção à área alvinegra, onde Cássio estava. O goleiro entendeu que se não se tratava de um passe e, assim, pegou a bola com a mão. O juiz, porém, assinalou tiro indireto a favor dos donos da casa. Na cobrança, Juninho acertou a barreira e ganhou escanteio.

Carille apostaria no banco de reservas a fim de buscar ao menos um gol em Salvador. Não demorou a chamar Mateus Vital e Emerson Sheik, que entraram nos lugares de Jadson e Clayson.

Ainda assim, mesmo com o Vitória já não tão disposto a pressionar para vencer, o Corinthians também tinha cautela para contra-atacar. Afinal de contas, um 0 a 0 fora de casa e no jogo de ida está longe de ser mau resultado...

Em suma: os goleiros Cássio e Caíque pouco trabalharam durante a noite. Algo que, decerto, não ocorrerá em Itaquera. Agora é na Arena, Fiel!

Por que acreditar no tetra corinthiano? O Saudações lista inúmeros motivos!

Veja mais em: Crônica e Copa do Brasil.

Quem Atuou

Títulares

Reservas

Técnico

Árbitro

Comente a notícia:

  • 1000 caracteres restantes